ABRIR
FECHAR
16 de julho de 2021
Voltar
Coluna do Yoshio

Um laboratório para o aprendizado

"O ambiente de aprendizado que vem surgindo é o ponto de partida de um novo cenário, que implica saber aprender durante toda a vida."

Dentre os padrões e condições de vida que, segundo dizem, se alteraram para sempre com a pandemia, há um que certamente representa uma interessante evolução. Por conta das restrições impostas pela covid-19, os estudantes tiveram – e continuam tendo – um laboratório singular no que se refere ao aprendizado formal.

Em meio aos modelos de ensino definidos no passado – com avanços ainda tímidos, cercados por preconceitos em direção a um mundo mais livre –, a eclosão da pandemia fez com que todos experimentassem a educação à distância como única forma viável de capacitação.

Mas, agora, os estudantes já podem considerar o ensino presencial, o ensino à distância e as diversas formas híbridas surgidas entre esses dois extremos. Todavia, assim como poderão apreciar os benefícios, também terão de arcar com as consequências. Nesse novo contexto, já não haverá motivos para se queixar dos professores ou do método de ensino adotado, ao qual muitos sentem dificuldades em se ajustar.

O fato é que as múltiplas oportunidades oferecidas representam um passo de responsabilidade para os estudantes. Também na educação surge uma nova liberdade de escolha, uma combinação que permite calibrar e atender melhor aos objetivos individuais de aprendizado. Claro que isso torna ainda mais importante que o indivíduo se conheça bem o suficiente para escolher o método ou formato que melhor funcione para si.

Diplomas, certificados e outras credenciais seguem tendo o seu valor, mas sua necessidade está se reduzindo no mundo atual. Em vários setores, o que realmente importa é o que a pessoa sabe fazer para produzir o resultado desejado. Além disso, a carreira profissional possivelmente demandará a troca de profissão algumas vezes ao longo da vida, por conta da velocidade das mudanças que tornam muitas profissões obsoletas mais rapidamente.

Essa necessidade de flexibilidade significa que o aprendizado, na verdade, é um processo que prossegu


Dentre os padrões e condições de vida que, segundo dizem, se alteraram para sempre com a pandemia, há um que certamente representa uma interessante evolução. Por conta das restrições impostas pela covid-19, os estudantes tiveram – e continuam tendo – um laboratório singular no que se refere ao aprendizado formal.

Em meio aos modelos de ensino definidos no passado – com avanços ainda tímidos, cercados por preconceitos em direção a um mundo mais livre –, a eclosão da pandemia fez com que todos experimentassem a educação à distância como única forma viável de capacitação.

Mas, agora, os estudantes já podem considerar o ensino presencial, o ensino à distância e as diversas formas híbridas surgidas entre esses dois extremos. Todavia, assim como poderão apreciar os benefícios, também terão de arcar com as consequências. Nesse novo contexto, já não haverá motivos para se queixar dos professores ou do método de ensino adotado, ao qual muitos sentem dificuldades em se ajustar.

O fato é que as múltiplas oportunidades oferecidas representam um passo de responsabilidade para os estudantes. Também na educação surge uma nova liberdade de escolha, uma combinação que permite calibrar e atender melhor aos objetivos individuais de aprendizado. Claro que isso torna ainda mais importante que o indivíduo se conheça bem o suficiente para escolher o método ou formato que melhor funcione para si.

Diplomas, certificados e outras credenciais seguem tendo o seu valor, mas sua necessidade está se reduzindo no mundo atual. Em vários setores, o que realmente importa é o que a pessoa sabe fazer para produzir o resultado desejado. Além disso, a carreira profissional possivelmente demandará a troca de profissão algumas vezes ao longo da vida, por conta da velocidade das mudanças que tornam muitas profissões obsoletas mais rapidamente.

Essa necessidade de flexibilidade significa que o aprendizado, na verdade, é um processo que prossegue durante grande parte da vida de cada um, sendo determinante como competência pessoal. De fato, ser capaz de aprender rapidamente uma nova profissão ou atividade será um importante fator competitivo no futuro.

Conhecer-se o suficiente para saber que método ou instrumentos proporcionam essa rapidez de aprendizado também desponta como um interessante atributo profissional. O ambiente de aprendizado que vem surgindo com pandemia é o ponto de partida desse novo cenário, que implica saber aprender durante toda a vida. Assim, renova-se o desafio para o qual não basta aprender bem uma vez na vida, mas que requer múltiplos aprendizados e, ainda, uma nova habilidade para aprender.

*Yoshio Kawakami é consultor da Raiz Consultoria e diretor técnico da Sobratema