ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
11 de novembro de 2021
Voltar
Fabricante

O ciclo digital da agricultura

Composto por soluções avançadas da Case IH, projeto “Fazenda Conectada” realça a importância da agricultura digital para o aumento da produtividade no campo
Por Melina Fogaça

Atualmente, muito se fala em digitalização. Marcado por oportunidades inéditas, o tema já é realidade em diversos segmentos produtivos, em especial no setor agrícola. No entanto, as promessas do mundo digital não têm qualquer efeito sem uma infraestrutura de conectividade, permitindo que toda a tecnologia atual dos equipamentos seja realmente efetiva na produção.

Esse desafio levou a Case IH a desenvolver uma “Fazenda Conectada”, projeto-piloto implantado em uma fazenda real, localizada no munícipio de Água Boa (MT), com a missão de demonstrar o potencial das tecnologias da fabricante, incluindo máquinas, serviços e sistemas, no sentido de garantir o ciclo completo da agricultura digital.

“A ‘Fazenda Conectada’ representa tudo que acreditamos ser possível conseguir com a nossa solução de agriculta digital, isto é, produzir muito mais, melhor, com gestão total e de forma sustentável”, comenta Christian Gonzalez, vice-presidente da Case IH para a América Latina. “Com ela, podemos contar com uma operação digitalizada que produz muito mais em muito menos espaço e tempo, reduzindo consideravelmente a emissão de carbono por hectare.”

PILARES

De acordo com Eduardo Penha, diretor de marketing e comunicação da Case IH para a América Latina, a “Fazenda Conectada” não consiste em um campo de teste ou mesmo laboratório, mas sim em uma fazenda real, com desafios e obstáculos autênticos na implementação de novos projetos. “A ideia é mostrar que a conectividade rural aumenta a produtividade no campo, mesmo em uma fazenda já com alta produção”, diz ele.

Segundo ele, o cenário escolhido para o projeto é ideal. O Vale do Araguaia, onde está localizada a fazenda, é um celeiro da soja brasileira, com excelentes níveis de produtividade. No município de Água Boa, que conta com 198 mil hectares plantados, foram produzidas 160 mil toneladas de soja na última safra, com produtividade média de mais de 58 sacas de soja por hectare.


Atualmente, muito se fala em digitalização. Marcado por oportunidades inéditas, o tema já é realidade em diversos segmentos produtivos, em especial no setor agrícola. No entanto, as promessas do mundo digital não têm qualquer efeito sem uma infraestrutura de conectividade, permitindo que toda a tecnologia atual dos equipamentos seja realmente efetiva na produção.

Esse desafio levou a Case IH a desenvolver uma “Fazenda Conectada”, projeto-piloto implantado em uma fazenda real, localizada no munícipio de Água Boa (MT), com a missão de demonstrar o potencial das tecnologias da fabricante, incluindo máquinas, serviços e sistemas, no sentido de garantir o ciclo completo da agricultura digital.

“A ‘Fazenda Conectada’ representa tudo que acreditamos ser possível conseguir com a nossa solução de agriculta digital, isto é, produzir muito mais, melhor, com gestão total e de forma sustentável”, comenta Christian Gonzalez, vice-presidente da Case IH para a América Latina. “Com ela, podemos contar com uma operação digitalizada que produz muito mais em muito menos espaço e tempo, reduzindo consideravelmente a emissão de carbono por hectare.”

PILARES

De acordo com Eduardo Penha, diretor de marketing e comunicação da Case IH para a América Latina, a “Fazenda Conectada” não consiste em um campo de teste ou mesmo laboratório, mas sim em uma fazenda real, com desafios e obstáculos autênticos na implementação de novos projetos. “A ideia é mostrar que a conectividade rural aumenta a produtividade no campo, mesmo em uma fazenda já com alta produção”, diz ele.

Segundo ele, o cenário escolhido para o projeto é ideal. O Vale do Araguaia, onde está localizada a fazenda, é um celeiro da soja brasileira, com excelentes níveis de produtividade. No município de Água Boa, que conta com 198 mil hectares plantados, foram produzidas 160 mil toneladas de soja na última safra, com produtividade média de mais de 58 sacas de soja por hectare.

“Neste projeto, a produtividade já é alta, mas queremos mostrar que pode ser ainda melhor com um ciclo digital perfeito”, comenta. Para ele, há ainda espaço para o aumento de eficiência na média brasileira, especialmente na região Centro-Oeste. “A agricultura digital é o caminho para esse crescimento, buscando entender, no detalhe, como plantar de forma mais eficiente, com uma visão de gestão completa baseada em três pilares: agronômico, operacional e financeiro”, completa Penha.

Segundo o executivo, a “Fazenda Conectada” é um projeto de longo prazo de, no mínimo, três anos, abrangendo do pré-plantio à colheita, safra a safra. “Isso permitirá que a empresa faça medições de indicadores específicos sobre a fazenda, além de agregar novos serviços e soluções de conectividade durante o processo”, comenta.

Para viabilizar o projeto, a Case fechou uma parceria com a TIM, que instalou duas antenas 4G LTE em frequência de 700 MHz, uma na fazenda e a outra no centro de Água Boa, visando atender às necessidades do campo e do seu entorno. “A conectividade tem a capacidade de digitalizar não só a agricultura, mas também toda a comunidade da cidade, facilitando o dia a dia e proporcionando inúmeros benefícios à população”, acresce Penha.

SOLUÇÕES

De acordo com Rodrigo Alandia, gerente de marketing de produto da Case IH para a América Latina, a “Fazenda Conectada” tem o diferencial de compor um ecossistema complexo em uma fazenda real, com toda a tecnologia e serviços da fabricante e seus parceiros funcionando de forma simultânea e efetiva.

Diferentes produtos do portfólio da Case IH atuam nos três mil hectares da “Fazenda Conectada”

Diversos produtos do portfólio da marca atuam nos três mil hectares da fazenda, como tratores, plantadeiras, pulverizadores e colheitadeiras, cada um com diferenciais técnicos e atributos específicos que os conectam ao sistema e ajudam na execução do ciclo da agricultura digital.

A frota inclui máquinas como os novos tratores Magnum e Steiger AFS Connect, que já nasceram conectados. “Além do sistema AFS Connect embarcado de fábrica, os tratores são equipados com novo monitor, arquitetura eletrônica, sistema operacional, receptor e hardware totalmente redesenhados, permitindo a visualização, diagnóstico e atualização remota”, afirma Alandia.

Outro produto utilizado no projeto é a nova colheitadeira Axial-Flow Série 250 Automation. Lançado em 2020, o equipamento conta com automação nas regulagens, prometendo um aumento de 15% na produtividade.

“Nossa solução de agricultura digital começa na conectividade da fazenda e das máquinas, possibilitando a gestão completa”, aponta o gerente. “Isso inclui o monitoramento da frota, com acessos aos dados em tempo real, a gestão agronômica dos talhões e das áreas da fazenda, com controle detalhado e histórico de produtividade, e o gerenciamento dos dados, gerados em todos os ciclos da operação.”

Todo o processo, destaca o profissional, é acompanhado de perto pelo novo centro de monitoramento da marca, instalado na fábrica de Sorocaba (SP), assim como pelas concessionárias da Rede Case IH. “Os produtores, engenheiros agrônomos e gestores da fazenda também podem acompanhar tudo de perto, em tempo real, pelo portal AFS Connect”, diz Alandia. “No portal, é possível inclusive visualizar a frota de equipamentos e gerenciar as operações.”

CNH Industrial lança plataforma de soluções para agricultura digital

Em um projeto colaborativo, a empresa reuniu soluções tecnológicas de diferentes empresas e startups para compor a plataforma de soluções AGXTEND. Além da própria CNH Industrial, o portfólio inicial da plataforma reúne soluções da Zasso, Raven, Bosch, Agrosystem, Cropmam e BemAgro, incluindo aplicativos, componentes e serviços.

A plataforma possibilita adquirir soluções em formato de serviço, como é o caso da solução XPOWER, da Zasso, empresa brasileira na qual a CNH Industrial tem participação minoritária. O equipamento remove ervas daninhas por meio de choque elétrico, sem fazer uso de defensivos agrícolas.

Além da inovadora capina elétrica, a plataforma inclui ainda soluções de monitoramento e gestão baseados em imagens de drone (OPERE+ e DRONEXPLORER), diagnóstico de solo (SOILXPLORER), controle automatizado de profundidade (DEPTHXCONTROL e DEPTHXMONITOR), plantio inteligente (XACTPLANTING), pulverização (XACTSPRAYER), monitoramento meteorológico (FARMXTEND) e transmissão de sinal (RTK+), nas quais o cliente paga pelo serviço prestado e não pelo equipamento.

“Em todos esses casos, o produtor não precisa adquirir o equipamento, pois pode aderir ao serviço por hora ou hectare de utilização”, destaca o diretor de tecnologias digitais da CNH Industrial para a América Latina, Gregory Riordan. “Este também é um fator de acessibilidade, na medida em que soluções altamente tecnológicas se tornam viáveis para todos os portes de produtores via modalidade serviço.”

A nova oferta de produtos e serviços digitais complementa o portfólio das marcas agrícolas Case IH e New Holland Agriculture, mas também pode ser utilizada em equipamentos de outras marcas, informa a empresa. (MJ)

Saiba mais:
Case IH: www.caseih.com
CNHi: www.cnhindustrial.com