ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
05 de fevereiro de 2014
Voltar
Suplemento Especial - Compactos & Ferramentas

Eficácia para golpeamento em superfícies

Manuais ou acopladas a marteletes, as talhadeiras são amplamente utilizadas na construção civil para corte de materiais e abertura de sulcos em paredes
Por Melina Fogaça

As talhadeiras são equipamentos de corte constituídos por um corpo de aço e cabeça chanfrada e temperada, de modo a evitar a formação de rebarbas ou quebras. Amplamente aplicadas no segmento da construção civil, essas ferramentas são recomendadas para aplicações em, por exemplo, abertura de sulcos em paredes, quebra de tijolos e concreto, corte de materiais sem tratamento térmico, retirada de excesso de material e outras.

Empregadas também em conjunto com martelo ou marteletes, as talhadeiras são disponibilizadas comercialmente no mercado nacional em diversos tamanhos e formas, com variação dimensional normalmente entre 150 mm e 180 mm. No entanto, de acordo com a Tramontina, que fabrica as ferramentas, o perfil do corpo da ferramenta não influencia na funcionalidade da peça, adaptando-se segundo a preferência do operador por um ou outro modelo.

PORTFÓLIO

Quanto aos modelos, aliás, as talhadeiras podem apresentar secção circular, retangular, hexagonal ou octogonal. No Brasil, a empresa Gedore, por exemplo, oferece uma linha de talhadeiras que inclui os modelos plano e octogonal, ambas equipados com empunhaduras em PVC, que garantem maior segurança ao usuário (leia mais sobre segurança na utilização de talhadeiras no Box da pág. 70).

Dependendo do uso, também é importante determinar a constituição da ferramenta. Para operações na indústria metalmecânica, a Gedore indica o uso das talhadeiras em liga de aço, que são tratadas termicamente segundo especificação técnica da norma DIN 7255 sobre ferramentas para golpes de operação manual.

A Tramontina oferece em seu portfólio de produtos a linha Máster, com três diferentes modelos de talhadeiras e ponteiros: chato, sextavado e redondo. Segundo a empresa, alguns detalhes das talhadeiras – como pintura eletrostática ou camada de fosfato, além da deposição de óleo aplicado na superfície das peças – garantem maior proteção contra a corrosão prematura das ferramentas. As talhadeiras e ponteiros da marca possuem têmpera apenas nas duas faces de impacto, enquanto o corpo é dúctil para absorver o impacto gerado durante a aplicação.

Já as talhadeiras da empresa Famastil são disponibilizadas em dois modelos, um com aço redondo e outro sextavado. Segundo Bernardo Tiso


As talhadeiras são equipamentos de corte constituídos por um corpo de aço e cabeça chanfrada e temperada, de modo a evitar a formação de rebarbas ou quebras. Amplamente aplicadas no segmento da construção civil, essas ferramentas são recomendadas para aplicações em, por exemplo, abertura de sulcos em paredes, quebra de tijolos e concreto, corte de materiais sem tratamento térmico, retirada de excesso de material e outras.

Empregadas também em conjunto com martelo ou marteletes, as talhadeiras são disponibilizadas comercialmente no mercado nacional em diversos tamanhos e formas, com variação dimensional normalmente entre 150 mm e 180 mm. No entanto, de acordo com a Tramontina, que fabrica as ferramentas, o perfil do corpo da ferramenta não influencia na funcionalidade da peça, adaptando-se segundo a preferência do operador por um ou outro modelo.

PORTFÓLIO

Quanto aos modelos, aliás, as talhadeiras podem apresentar secção circular, retangular, hexagonal ou octogonal. No Brasil, a empresa Gedore, por exemplo, oferece uma linha de talhadeiras que inclui os modelos plano e octogonal, ambas equipados com empunhaduras em PVC, que garantem maior segurança ao usuário (leia mais sobre segurança na utilização de talhadeiras no Box da pág. 70).

Dependendo do uso, também é importante determinar a constituição da ferramenta. Para operações na indústria metalmecânica, a Gedore indica o uso das talhadeiras em liga de aço, que são tratadas termicamente segundo especificação técnica da norma DIN 7255 sobre ferramentas para golpes de operação manual.

A Tramontina oferece em seu portfólio de produtos a linha Máster, com três diferentes modelos de talhadeiras e ponteiros: chato, sextavado e redondo. Segundo a empresa, alguns detalhes das talhadeiras – como pintura eletrostática ou camada de fosfato, além da deposição de óleo aplicado na superfície das peças – garantem maior proteção contra a corrosão prematura das ferramentas. As talhadeiras e ponteiros da marca possuem têmpera apenas nas duas faces de impacto, enquanto o corpo é dúctil para absorver o impacto gerado durante a aplicação.

Já as talhadeiras da empresa Famastil são disponibilizadas em dois modelos, um com aço redondo e outro sextavado. Segundo Bernardo Tisott, encarregado do departamento de produtos da Famastil, ambos apresentam corpo plastificado, de aço forjado e temperado em ambas as pontas. “Mas o modelo com aço sextavado é mais resistente”, diz ele.

APLICAÇÕES

Além da utilização manual, algumas talhadeiras podem ser acopladas a ferramentas elétricas como martelos (perfuradores e demolidores) e rompedores (leves e pesados).

Nessa linha, a Bosch apresenta em seu portfólio produtos recém-lançados para utilização em ferramentas elétricas, como o novo cinzel plano SDS-max RTec Sharp e o novo ponteiro SDS-max RTec Speed da série Long Life.

Indicadas para trabalhos de adaptação em asfalto, alvenaria e concreto, as talhadeiras da linha realizam – segundo a empresa – cortes longos e autofiáveis, proporcionando melhor demolição em menor tempo, sem necessidade de reafiação em trabalhos longos.

Segundo Thiago Chagas, chefe de trade marketing da divisão de ferramentas elétricas da Bosch, o ganho dos lançamentos é significativo em vida útil e produtividade. “As talhadeiras Long Life são os principais diferenciais dos acessórios da empresa, com vida útil 30% maior que as convencionais e capacidade de demolição 15% maior”, explica.

CUIDADOS

Segundo os fabricantes, alguns cuidados são essenciais para assegurar trabalhos de qualidade com as talhadeiras. O operador deve, por exemplo, descartar a peça assim que verificar a presença de rebarbas na extremidade em que é golpeada. Outra evidência que sinaliza a necessidade de troca é o aparecimento de trincas no produto.

Ao utilizar talhadeiras também é imprescindível tomar o cuidado de não golpear superfícies com dureza superior à da face de corte do produto, pois isso pode deformá-la. Também é importante não deixar as peças próximas a fontes de calor excessivo, pois podem perder o tratamento térmico e, consequentemente, o rendimento. Segundo a empresa Gedore, é necessário ainda manter o controle no golpe, além de utilizar a empunhadura para proteção das mãos.

Em relação à manutenção da ferramenta, a recuperação do fio deve ser realizada sempre que a ponta da talhadeira estiver chata ou arredondada, ocasionando a perda da eficácia. Durante a reafiação, como explica a Gedore, deve ser evitado o aquecimento, que também pode alterar o tratamento térmico dos produtos.

Confira dicas de utilização de talhadeiras acopladas a ferramentas elétricas:

Antes de encaixar o ponteiro, é preciso lubrificar moderadamente as ranhuras de encaixe;

Durante o cinzelamento, aplica-se uma pressão de 10 kg sobre a ferramenta;

Uma pressão excessiva aumenta a força do impacto e pode danificar a cabeça do ponteiro ou cinzel. Por isso, a dica é fazer uma pressão moderada sem deixar ocorrer uma mudança no barulho do motor do martelo, que indica sobrecarga de trabalho;

A velocidade do martelo influencia a durabilidade da broca. Para rochas duras, recomenda-se velocidade média, enquanto para rochas macias ou médias é recomendada velocidade alta;

Evite fazer alavanca com o acessório. A fricção nas laterais e espirais da broca pode fazer com que ela se quebre;

Durante a perfuração, recomenda-se não soltar o martelo, pois isso pode fazer o acessório dobrar-se e quebrar. Também pode causar uma fricção excessiva na broca, diminuindo sua vida útil;

Para retirar a broca do orifício na pedra, mantenha o martelo funcionando em baixa velocidade até que a broca saia por completo.

Cintas para elevação de cargas têm alta resistência

Fabricada pela Polifitema, a cinta para elevação de carga Sling 7:1 é produzida com material de alta resistência, garantindo – segundo a empresa – um fator de segurança sete vezes maior que a capacidade de uso. Com até quatro camadas, a cinta plana possui olhais nas extremidades e identificação de capacidade de acordo com a cor.

www.polifitema.com.br

Serra de sabre possui controle de velocidade

A serra de sabre elétrica REMS Tiger ANC SR é indicada para cortes, especialmente de tubos de aço inoxidável. Equipada com regulação de velocidade, a ferramenta pesa 3,1 kg e conta com motor de 230 V (50-60 Hz), 1.400 W e arranque suave de 700 – 2.400 min-1.

www.remsbrasil.com.br

Calibrador realiza medições com precisão

Produzido pela Fluke Calibration, o Calibrador Multifunção 5730A é projetado para profissionais que necessitam realizar medições DC/LF precisas. A nova tela touchscreen traz todas as configurações do calibrador em um único local, possibilitando que a operação esteja acessível com um apenas um toque de dedo.

www.fluke.com

Medidor também nivela inclinações

Ao combinar-se com a régua de medição R 60 Professional, o medidor laser de distâncias GLM 80 da Bosch transforma-se em um nível digital profissional, capaz de nivelar e medir inclinações precisas com o mesmo aparelho, com a possibilidade de armazenar os últimos 20 resultados na memória.

www.boschferramentas.com.br

Cortadora de fio diamantado oferece versatilidade

Produzida pela Husqvarna, a cortadora de fio diamantado CS2512 tem capacidade para operações de grande envergadura, mas também é compacta e móvel, indicada para trabalhos de menores dimensões. Devido à concepção, com a roldana motora instalada no lado de saída, o fio de corte dificilmente fica frouxo, mesmo se a força de avanço for baixa.

www.husqvarna.com/br

Lixadeira garante melhor acabamento

Lixadeira orbital com 1/4 de lixa fabricada pela Black&Decker, a SS200 proporciona resultado de lixamento e acabamento preciso em madeiras, paredes e materiais sintéticos. Equipada com motor de 200 W e design ergonômico, a ferramenta apresenta sistema de encaixe de lixa que garante melhor desempenho no lixamento de cantos.

www.blackanddecker.com.br