ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
13 de outubro de 2021
Voltar
Implementos Rodoviários

Alta demanda a reboque

Puxados pelo agronegócio e pela construção civil, resultados surpreendem a indústria de implementos com índices inéditos de vendas de semirreboques leves e pesados no país
Por Antonio Santomauro

O desempenho da indústria brasileira de implementos rodoviários tem tudo para tornar-se histórico em 2021, com volumes de comercialização ainda inéditos no segmento dos semirreboques.

Em escala menor, os representantes dessa indústria visualizam um cenário favorável também para o próximo ano, embora apontem algumas nuvens capazes de turvar esse horizonte promissor. Isso inclui uma eventual continuidade da acentuada elevação dos preços de matérias-primas, insumos e, consequentemente, de seus próprios produtos.

Como não poderia ser diferente, o agronegócio manteve-se entre as alavancas responsáveis pela expansão das vendas no decorrer deste ano, com relevante auxílio da construção civil. A Anfir (Associação Nacional de Fabricantes de Implementos Rodoviários) estima que, juntos, esses mercados responderam por 70% do total de emplacamentos de implementos registrados de janeiro a agosto, quando o setor colocou no mercado uma quantidade de produtos quase 45,5% superior à registrada no mesmo período de 2020.

Somando as linhas leve e pesada, a indústria nacional de implementos rodoviários deve movimentar cerca de 156 mil unidades em 2021, como prevê José Carlos Sprícigo, presidente da Anfir e CEO da Librelato. No comparativo com 2020, isso representa um aumento próximo a 30%. “Já se esperava uma retomada dos negócios, até pelo envelhecimento da frota depois de anos sem investimento”, analisa Sprícigo, que projeta uma expansão de cerca de 40% nas vendas para o segmento dos implementos pesados. “Mas, de fato, esse é um desempenho até surpreendente.”

Produtos como baús para carga geral e basculantes destacam-se nas vendas. Os primeiros, justifica Sprícigo, têm sido favorecidos pela expansão da movimentação de produtos como alimentos e medicamentos – bem como do e-commerce – após o início da pandemia. Já os basculantes são demandados não apenas pela construção, mas também pela agropecuária. “O menor crescimento das ve


O desempenho da indústria brasileira de implementos rodoviários tem tudo para tornar-se histórico em 2021, com volumes de comercialização ainda inéditos no segmento dos semirreboques.

Em escala menor, os representantes dessa indústria visualizam um cenário favorável também para o próximo ano, embora apontem algumas nuvens capazes de turvar esse horizonte promissor. Isso inclui uma eventual continuidade da acentuada elevação dos preços de matérias-primas, insumos e, consequentemente, de seus próprios produtos.

Como não poderia ser diferente, o agronegócio manteve-se entre as alavancas responsáveis pela expansão das vendas no decorrer deste ano, com relevante auxílio da construção civil. A Anfir (Associação Nacional de Fabricantes de Implementos Rodoviários) estima que, juntos, esses mercados responderam por 70% do total de emplacamentos de implementos registrados de janeiro a agosto, quando o setor colocou no mercado uma quantidade de produtos quase 45,5% superior à registrada no mesmo período de 2020.

Somando as linhas leve e pesada, a indústria nacional de implementos rodoviários deve movimentar cerca de 156 mil unidades em 2021, como prevê José Carlos Sprícigo, presidente da Anfir e CEO da Librelato. No comparativo com 2020, isso representa um aumento próximo a 30%. “Já se esperava uma retomada dos negócios, até pelo envelhecimento da frota depois de anos sem investimento”, analisa Sprícigo, que projeta uma expansão de cerca de 40% nas vendas para o segmento dos implementos pesados. “Mas, de fato, esse é um desempenho até surpreendente.”

Produtos como baús para carga geral e basculantes destacam-se nas vendas. Os primeiros, justifica Sprícigo, têm sido favorecidos pela expansão da movimentação de produtos como alimentos e medicamentos – bem como do e-commerce – após o início da pandemia. Já os basculantes são demandados não apenas pela construção, mas também pela agropecuária. “O menor crescimento das vendas de graneleiros tem a ver com a expansão do uso de basculantes no mercado agro”, pondera Sprícigo, aludindo a um tipo de implemento mais tradicional no transporte de cargas agrícolas.

A expansão do uso dos basculantes no agronegócio é confirmada por Sandro Trentin, diretor da Randon Implementos. O implemento graneleiro, ele observa, é mais versátil que o basculante, pois além dos granéis pode transportar big bags e caixas, entre outros tipos de carga. Porém, a operação do basculante é mais simples, tanto para levar a produção agrícola ao destino como para transportar insumos (como fertilizantes e calcário) no retorno. “Novos materiais e melhorias no design também vêm aumentando a capacidade de carga dos basculantes”, ressalta Trentin.

Agronegócio e construção civil responderam por 70% do total de emplacamentos de implementos registrados de janeiro a agosto

O executivo avalia que o bom desempenho da indústria deve prolongar-se pelo restante do ano. “Podemos chegar ao final do ano com algo entre 85 e 90 mil unidades, o que seria um recorde histórico”, diz Trentin, referindo-se especificamente aos equipamentos pesados (reboques e semirreboques).

APRIMORAMENTO

Também a Rossetti vem colhendo bons frutos. Em seu portfólio, predominam os implementos alçados à condição de destaque no setor: os basculantes. De acordo com o superintendente Daniel Rossetti, “a demanda por basculantes cresceu muito nos três segmentos: construção, mineração, agronegócio”.

Com unidades produtivas nas cidades de Guarulhos (SP) e Betim (MG), a Rossetti produz mensalmente cerca de 250 basculantes sobre chassis – demandados principalmente pela mineração e construção – e outros 130 semirreboques basculantes, mais usuais no transporte de minério, agregados e mercado agro – e, no momento, essa capacidade está quase toda ocupada. “Temos buscado ampliar nossa capacidade, mas há limitações”, destaca o especialista, citando as dificuldades na obtenção de componentes. “No caso dos basculantes sobre chassis, a demanda também depende da disponibilidade de veículos, sendo que a maioria das montadoras já vendeu a produção deste ano.”

Segundo ele, a Rossetti vem desenvolvendo alguns projetos de basculantes sobre chassis com aços especiais. “No próximo ano, nossa linha de semirreboques terá uma caixa mais leve e moderna”, adianta o executivo. A Randon, por sua vez, tem trabalhado no aprimoramento do design de seus furgões tipo sider. Em 2022, a empresa incluirá no portfólio uma série especial de graneleiros, que entre outros itens traz implementos com painéis laterais mais leves e resistentes. “Também reduzimos em cerca de 1.000 kg a tara de nosso rodotrem”, destaca Trentin.

Mercado já esperava uma retomada, mas se surpreendeu com o desempenho do setor

Com uma ampla gama de implementos, a Randon também investe em componentes produzidos com compósitos – plásticos reforçados com fibras –, com os quais é possível reduzir em até 60% o peso da peça (comparativamente ao metal). “Já usamos compósitos em para-lamas, varões de fixação e laterais”, detalha.

Já na Librelato um dos focos atuais de desenvolvimento abrange a conectividade dos implementos, de forma a permitir o monitoramento não apenas da localização e identificação do veículo (com e sem carga), mas também performance e condições técnicas, incluindo temperatura e pressão de pneus e freios, entre outras. “Os caminhões mais modernos já proporcionam essas informações, mas frequentemente desatrelam o implemento no local de logística. Assim, justifica-se a importância de conexão também no implemento”, destaca Sprícigo, acrescentando que a evolução dessa tecnologia gerou o conceito da ‘Carreta Inteligente’, que disponibiliza as informações em tempo real para transportadores e embarcadores por meio da plataforma Librelato Connect.

PERSPECTIVAS

As projeções indicam 2022 como mais um ano favorável para a indústria de implementos. Como lembra Sprícigo, as perspectivas também são boas para as vendas de caminhões, que movimentam os implementos.

Para ele, a continuidade da expansão deve abranger os tanques, um tipo de implemento cuja demanda ainda está contida e que tem nos combustíveis seu principal mercado. “Com a expansão da venda de caminhões novos, a tendência é que também cresça o uso de diesel S10, que precisa ser movimentado”, justifica.

Segmento de pesados deve fechar o ano com recorde de 85 a 90 mil unidades

Porém, alguns pontos trazem interrogações, como a elevação dos preços dos produtos, que vêm acompanhando o aumento dos custos de suas matérias-primas. As estimativas mostram que os implementos estão quase 100% mais caros que há um ano. Para Sprícigo, todavia, já se atingiu um patamar de relativa estabilidade. “Ainda temos dificuldade de obtenção de alguns materiais, como semicondutores, que talvez só tenham sua oferta normalizada no primeiro trimestre de 2022”, revela. “E os pneus constituem outro grande gargalo para o setor, está muito difícil conseguir.”

Já Rossetti avalia que os preços elevados – não apenas dos implementos, mas também dos caminhões – têm forçado algumas empresas a repensar seus investimentos, inclusive em implementos, cujas vendas devem, segundo ele, manter-se nos patamares registrados este ano, sem apresentar crescimento em 2022. “Mas até o final deste ano nossa produção já está quase toda vendida”, ressalta.

A opinião é compartilhada por Trentin, da Randon, que vê “um limite” para os preços dos implementos, além do qual torna-se difícil para alguns clientes efetivar suas compras. O executivo não crê que os preços seguirão subindo de maneira significativa. Mesmo assim, considera difícil manter os níveis de expansão da demanda registrados no decorrer deste ano. “Mas um leve crescimento, ou mesmo a manutenção dos níveis atuais, já seria um resultado excelente”, comenta.

RESSURGIMENTO

Os bons ventos que sopram no mercado de implementos também impulsionam o ressurgimento de marcas tradicionais, como é a Guerra, fora do mercado desde 2017 e que agora retorna como integrante do grupo paranaense I-Riedi.

Em 2018, o grupo I-Riedi já havia adquirido a fabricante de implementos Rodofort. Com a Guerra, a estratégia se expande em duas vertentes: diversificação e volume. Enquanto a Rodofort dedica-se aos implementos dos tipos graneleiro, sider, furgão e porta contêineres, a Guerra fabricará basculantes e tanques. A fábrica da Guerra, em Caxias do Sul (RS), tem capacidade cinco vezes superior à da Rodofort, em Sumaré (SP), atualmente capaz de produzir cerca de 200 unidades/mês.

Após quatro anos, a Guerra retorna ao mercado de implementos rodoviários

A Guerra reiniciou a produção em setembro, informa Alves Pereira, que acumula o cargo de diretor das duas marcas. “Este ano, deveremos produzir 2.000 unidades com a Rodofort e outras 500 com a Guerra”, diz. “Mas pretendemos chegar ao final de 2022 produzindo algo entre 800 e 1.000 unidades por mês.”

Segundo ele, a marca Guerra será mantida, pois é forte no Brasil e nos demais países do Mercosul. Além de basculantes e tanques, a fábrica também produzirá graneleiros, permitindo aumentar a produção dos demais itens em Sumaré.

Para Pereira, em 2022 o mercado brasileiro de implementos rodoviários pode ao menos manter o volume de vendas registrado no decorrer de 2021, o que – mais uma vez – já significará um bom desempenho. “Hoje, um patamar mínimo para essa indústria seria de cerca de 55 mil unidades”, pondera Alves. “Mas chegando a 70 mil unidades, já estaria razoável.”

Truckvan anuncia linha de semirreboques e rodotrens basculantes

Segundo a empresa, foram investidos 2 milhões de reais em equipamentos e dispositivos para disponibilizar os novos semirreboques basculantes de três eixos, com capacidade de 20, 25 e 30 m3 para areia, brita e minério, além do rodotrem basculante 2+2+2 eixos, com capacidade de 31 e 35 m3 para o transporte de grãos e açúcar. “O resultado revelou um produto leve, resistente e com design arrojado e moderno, utilizando materiais nobres de alta resistência, baixa tara e elevada capacidade de carga”, comenta o diretor comercial da empresa, Luiz Carlos Cunha Junior.

A previsão da Truckvan é encerrar 2021 com a entrega de 100 unidades, gerando um incremento de 70 milhões de reais no faturamento anual. “No ano passado, adotamos essa estratégia com sucesso para a linha graneleira, com o intuito de dividirmos nossa produção em implementos para o transporte de produtos industrializados, agrícola e construção civil”, afirma Junior, destacando que o portfólio da marca passa a atender a 80% das demandas do mercado nacional.

Com lançamentos, portfólio da marca passa a atender a 80% das demandas do mercado

Librelato investe em TI para acelerar a transformação digital

Com investimentos de 2,7 milhões de reais nos últimos dois anos, a empresa vem reforçando a infraestrutura e a segurança das plataformas para acelerar sua jornada de transformação digital. No rol de atualização foi adquirido um Data Center (modalidade On Premises) e implementada uma nova estrutura de rede com fibra óptica (GPON). O objetivo é suportar o crescimento previsto para os próximos cinco anos, além de viabilizar a conectividade de novos equipamentos da linha de produção. “É fundamental que estes dados se traduzam em informações estratégicas para otimizar as operações, aumentando a produtividade e reduzindo riscos e custos”, destaca André Bertei, gerente de TI da Librelato.

Na área comercial, recentemente a empresa inaugurou mais duas lojas de autoatendimento de peças Libreparts, dessa vez em Pernambuco e São Paulo. Até o final do ano, a meta é contar com o modelo de atendimento em 35 das 44 concessionárias da marca. “Estamos transformando o mercado de peças de reposição, que em outros locais tem um balcão que separa o cliente das peças que precisa”, ressalta o gerente Daniel Zílio.

Novo modelo de atendimento integra as estratégias da empresa

Randon Implementos amplia unidade de Araraquara

A fabricante deu início a um ciclo de expansões da capacidade produtiva de suas unidades no país. O principal projeto é a ampliação da unidade industrial de Araraquara (SP), onde são produzidas linhas de semirreboques como basculante, sider e canavieiro, além de vagões ferroviários.

A unidade recebeu cerca de R$ 36 milhões em investimentos para ampliar a área construída, de 29 mil para 42 mil m2, além de promover melhorias na infraestrutura. Em outra frente, a empresa investiu na redistribuição de linhas nas unidades de Chapecó (SC) e Erechim (RS), assim como nas unidades dedicadas à linha de produtos sobre chassi, em Porto Real (RJ) e Messias (AL). A expectativa é que os investimentos permitam alcançar uma produção média de 150 unidades/dia, com ocupação de cerca de 90% da capacidade instalada. “Nossa expectativa é apresentar esse importante investimento da unidade paulista no decorrer do segundo semestre”, projeta o diretor da Randon Implementos, Sandro Trentin.

Unidade de Araraquara (SP) recebeu investimento de R$ 40 milhões em melhorias, incluindo Ramal Ferroviário próprio

Saiba mais:
Anfir: www.anfir.org.br
Librelato: www.librelato.com.br
Randon Implementos: www.randonimplementos.com.br
Rodobens: www.rodobens.com.br
Rodofort: www.ab-rodofort.com.br
Rossetti: https://rossetti.com.br
Truckvan: https://truckvan.com.br