ABRIR
FECHAR
31 de agosto de 2021
Voltar

Como a alta tecnologia faz a diferença nas propriedades brasileiras?

Segundo especialista, o homem do campo, mais tecnológico e conectado, passou a atuar dentro de previsibilidades e não simplesmente diante de achismos e suposições, como acontecia até um passado recente
Fonte: Assessoria de Imprensa

Por José Galli*

É fato que a aplicação da tecnologia no campo tem sido cada vez mais fundamental para os resultados excepcionais apresentados pelo agronegócio. Em julho, estimativa do IBGE por meio do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) aponta que a safra brasileira para 2021 deve alcançar o nível recorde de 256,1 milhões de toneladas. O dado robusto, em grande parte, pode ser atribuído ao uso intensificado da tecnologia, que vem transformando o agronegócio em sinônimo de modernidade e rentabilidade.

Consciente do desafio de alimentar um mundo com 10 bilhões de habitantes até 2050, segundo projeções da ONU, e de responder às demandas da sociedade por uma produção mais sustentável, o agricultor tem buscado soluções inovadoras que os auxilie no dia a dia do campo. Nesse sentido, o uso da tecnologia tem funções muito amplas que vão desde garantir que a lavoura não seja danificada por pragas até a ampliação da produção sem haver a necessidade de aumentar a área plantada.

O aparato tecnológico também permite aos agricultores manterem o monitoramento da produção e otimizarem a gestão e os processos que envolvem plantio, colheita, estocagem e ...


Por José Galli*

É fato que a aplicação da tecnologia no campo tem sido cada vez mais fundamental para os resultados excepcionais apresentados pelo agronegócio. Em julho, estimativa do IBGE por meio do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) aponta que a safra brasileira para 2021 deve alcançar o nível recorde de 256,1 milhões de toneladas. O dado robusto, em grande parte, pode ser atribuído ao uso intensificado da tecnologia, que vem transformando o agronegócio em sinônimo de modernidade e rentabilidade.

Consciente do desafio de alimentar um mundo com 10 bilhões de habitantes até 2050, segundo projeções da ONU, e de responder às demandas da sociedade por uma produção mais sustentável, o agricultor tem buscado soluções inovadoras que os auxilie no dia a dia do campo. Nesse sentido, o uso da tecnologia tem funções muito amplas que vão desde garantir que a lavoura não seja danificada por pragas até a ampliação da produção sem haver a necessidade de aumentar a área plantada.

O aparato tecnológico também permite aos agricultores manterem o monitoramento da produção e otimizarem a gestão e os processos que envolvem plantio, colheita, estocagem e logística. A esse sistema - que utiliza soluções integradas e tecnológicas para aumentar a produtividade no campo, reduzir custos, imprevistos, e otimizar operações - chamamos de agricultura de precisão.

Mais capitalizado em razão dos sucessivos ganhos que o segmento registra ano após ano, o produtor rural tem investido em produtos, serviços e máquinas agrícolas que potencializem seus resultados. Essa tendência é confirmada pelo Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro), medido pela Fiesp em parceria com a Croplife e que avalia a percepção das indústrias de insumos e transformação ligadas ao setor, além das cooperativas e produtores, em relação a uma série de indicadores econômicos. No primeiro trimestre deste ano, o índice atingiu 117,4 pontos. De acordo com a metodologia do estudo, resultados superiores a 100 pontos revelam otimismo do mercado.

É para este cenário, marcado pela sofisticação do trabalho no campo, que as empresas do setor devem estar preparadas para serem parceiras do agricultor, oferecendo soluções inovadoras e tecnológicas que permitam uma produtividade de excelência e com o maior número de benefícios possível.

A Fendt é uma delas. De origem alemã, oferece alta tecnologia para clientes com grandes exigências e necessidades por qualidade de máquinas agrícolas e serviços no campo, apoiada em seu profundo conhecimento da agricultura global e no investimento em tecnologia inovadora, principal competência da marca. No ciclo 2020/21, a área de Pesquisa & Desenvolvimento está investindo em sua sede 93 milhões de euros, desse total 22 milhões de euros são destinados ao desenvolvimento de produtos digitais.

A marca oferece máquinas inteligentes como a plantadeira Fendt Momentum que permite ao agricultor maior produtividade de plantios em áreas planas e irregulares, garantindo a semente na mesma profundidade. Tudo isso graças ao Fendt Smart Frame, sistema que faz a leitura de todas as linhas que estão em contato com o solo, e o DeltaForce, que aplica a pressão correta para cada uma das linhas e corrige emergências, explorando todo potencial produtivo da semente.

Outro grande diferencial da plantadeira, um produto totalmente alinhado ao atual momento de sofisticação no campo, é o 20|20 SeedSense, que possibilita o monitoramento de seu trabalho e a tomada de decisões em tempo real de dentro do trator, para aumentar a qualidade do plantio e atingir níveis de produtividade ainda superiores. O equipamento traz ainda a Precision Planting, tecnologia que permite até 99% de singulação e economia de R$ 64/ha com seu controle linha a linha.

Além da Momentum, a empresa também tem em seu portfólio soluções em tratores aperfeiçoadas que ajudam no grande cultivo das propriedades rurais brasileiras, como a série Fendt Vario, com potência de 385cv a 517cv. A linha entrega aderência, versatilidade, segurança, conforto e inteligência em uma só operação, com mais de 25% de rendimento operacional (ganho de até 1 semana de plantio) e economia de combustível de até 20%. A suspensão independente e autonivelante, a transmissão CVT Vario Drive e pneus IF de fábrica, completam o maior trator monobloco do mundo.

Outro produto é a colheitadeira Fendt Ideal. Graças ao design e ao avanço tecnológico contido em suas peças, o que inclui o sistema IDEALbalance, uma bandeja de grãos dupla que garante que somente a colheita limpa seja coletada, oferece maior potência, rendimento e conforto. A máquina garante até 15% a mais de eficiência operacional, permitindo que a colheita termine com uma semana de antecedência; 20% de economia no consumo de combustível; aumento de 25% na qualidade dos grãos; e até 30% de redução de perdas.

Em suma, a tecnologia assumiu um papel de protagonismo em toda cadeia do agronegócio. É imperativo que o produtor esteja em sintonia com a revolução tecnológica no campo para garantir produtividade e qualidade naquilo que faz e, com isso, rentabilizar seu negócio. O homem do campo, mais tecnológico e conectado, passou a atuar dentro de previsibilidades e não simplesmente diante de achismos e suposições, como acontecia até um passado recente. Para isso, é fundamental que ele tenha apoio de empresas que invistam e promovam inovações.

José Galli, diretor de Fendt América do Sul*