FECHAR
FECHAR
21 de dezembro de 2017
Voltar
Compactos & Ferramentas

Cortes rápidos e precisos

A serra sabre é uma ferramenta que realiza cortes em diferentes tipos de materiais, mas que requer escolha criteriosa da lâmina para atender a cada tipo de operação

Direcionada para aplicações diversas, à primeira vista a serra sabre assemelha-se a uma furadeira, mas na verdade realiza cortes de forma semelhante a uma serra tico-tico, sendo indicada para cortes em inúmeras atividades voltadas para a indústria, serviços de encanamento, oficinas mecânicas e funilaria, dentre outras.

De fato, a versatilidade define essas ferramentas. Segundo Danielle Chiarello, responsável pela área de marketing das marcas de ferramentas elétricas Bosch e Skil no Brasil, a serras sabre também são indicadas para poda de galhos de árvores, cortes em madeiras, estruturas metálicas para acabamento, tubos de cobre, plásticos, PVC e chapas de aço. “Na indústria da construção, outra aplicação usual para a serra sabre é no corte de gesso acartonado (drywall), cada vez mais presente na construção de paredes e divisórias, substituindo a alvenaria”, diz ela. “A serra sabre é o equipamento mais indicado para remodelação destas placas.”

Como a serra sabre pode ser utilizada para a realização de cortes em diferentes tipos de materiais, é importante escolher os acessórios mais apropriados para cada material. A escolha da lâmina certa, por exemplo, é decisiva para obter um bom resultado no corte com a serra sabre. “Assim, é necessário saber qual o material a ser cortado, sua espessura e, ainda, qual é a qualidade e acabamento desejados para o corte”, explica Rodrigo Carvalho da Silva, do departamento de marketing da Dewalt.

Desse modo, acabamentos finos ou materiais mais delicados exigem maior quantidade de dentes. Já os materiais brutos ou mesmo trabalhos que não precisam de um bom acabamento podem ter lâminas com menor número de dentes, para propiciar cortes mais rápidos e rústicos. “Dentes maiores e em menor número na lâmina são indicados para cortes em madeira”, detalha Silva. “Já os dentes pequenos, em grande número na lâmina, são mais usados para corte de metais.”

Para facilitar essa escolha, a Bosch organiza o portfólio de lâminas de serra sabre segundo critérios de utilização, com as aplicações identificadas por cores e nomes de produtos, enquanto os símbolos informam as propriedades especiais de cada lâmina. “As variações no número de dentes da lâmina determinam para qual aplicação o acessório é mais indicado”, conta Danielle Chiarello. “Por este motivo, a Bosch identifica a melhor aplicação e o espaçamento dos dentes nas pr


Direcionada para aplicações diversas, à primeira vista a serra sabre assemelha-se a uma furadeira, mas na verdade realiza cortes de forma semelhante a uma serra tico-tico, sendo indicada para cortes em inúmeras atividades voltadas para a indústria, serviços de encanamento, oficinas mecânicas e funilaria, dentre outras.

De fato, a versatilidade define essas ferramentas. Segundo Danielle Chiarello, responsável pela área de marketing das marcas de ferramentas elétricas Bosch e Skil no Brasil, a serras sabre também são indicadas para poda de galhos de árvores, cortes em madeiras, estruturas metálicas para acabamento, tubos de cobre, plásticos, PVC e chapas de aço. “Na indústria da construção, outra aplicação usual para a serra sabre é no corte de gesso acartonado (drywall), cada vez mais presente na construção de paredes e divisórias, substituindo a alvenaria”, diz ela. “A serra sabre é o equipamento mais indicado para remodelação destas placas.”

Como a serra sabre pode ser utilizada para a realização de cortes em diferentes tipos de materiais, é importante escolher os acessórios mais apropriados para cada material. A escolha da lâmina certa, por exemplo, é decisiva para obter um bom resultado no corte com a serra sabre. “Assim, é necessário saber qual o material a ser cortado, sua espessura e, ainda, qual é a qualidade e acabamento desejados para o corte”, explica Rodrigo Carvalho da Silva, do departamento de marketing da Dewalt.

Desse modo, acabamentos finos ou materiais mais delicados exigem maior quantidade de dentes. Já os materiais brutos ou mesmo trabalhos que não precisam de um bom acabamento podem ter lâminas com menor número de dentes, para propiciar cortes mais rápidos e rústicos. “Dentes maiores e em menor número na lâmina são indicados para cortes em madeira”, detalha Silva. “Já os dentes pequenos, em grande número na lâmina, são mais usados para corte de metais.”

Para facilitar essa escolha, a Bosch organiza o portfólio de lâminas de serra sabre segundo critérios de utilização, com as aplicações identificadas por cores e nomes de produtos, enquanto os símbolos informam as propriedades especiais de cada lâmina. “As variações no número de dentes da lâmina determinam para qual aplicação o acessório é mais indicado”, conta Danielle Chiarello. “Por este motivo, a Bosch identifica a melhor aplicação e o espaçamento dos dentes nas próprias embalagens dos seus produtos.”

Segundo Silva, da Dewalt, a forma de instalar a lâmina de corte também é um passo importante. Primeiro, o operador deve puxar a alavanca na lateral da máquina para abrir o mandril, de modo que os dentes fiquem voltados para cima ou para baixo, dependendo do local no qual a ferramenta será utilizada. Como a velocidade da máquina é variável, isso permite que o corte seja iniciado com maior segurança e precisão. “Em geral, utilizamos velocidade mais baixa para cortes em metais e materiais mais duros e velocidade maior para cortes em madeiras e outros materiais mais moles”, destaca o especialista.

OPÇÕES

No catálogo da Bosch, os modelos de serra sabre disponíveis para o mercado brasileiro incluem opções como a GSA 1100E, uma ferramenta elétrica com 1.100 W de potência e que conta com sistema de troca-rápida de lâminas, garantindo maior agilidade na execução do trabalho.

A fabricante também disponibiliza modelos a bateria, como a GSA 12V-LI e a GSA 18 V-LI, que proporcionam ao usuário uma maior mobilidade e praticidade no momento da aplicação, até por não contarem com fios. “A GSA 12V-LI permite cortes em madeira com a profundidade de até 65 mm, enquanto obtém 50 mm para corte em metal e tubos”, diz a executiva. “Já a GSA 18 V-LI pode realizar cortes com maior profundidade, de até 200 mm em madeira e 100 mm para corte em metais.”

Da marca Skil, que integra a linha de ferramentas do Grupo Bosch, destaca-se o modelo 4900, com 1.050 W de potência e que pode executar de 800 a 2.700 golpes por minuto (gpm), permitindo a realização de cortes de até 28 mm de profundidade.

Já a Dewalt disponibiliza em seu portfólio dois modelos elétricos: a serra sabre DW304PK, com potência de 1.000 W e até 2.900 golpes por minuto, e a DW311K, com 1.200 W e 2.700 gpm. “Temos ainda a DCS380, uma opção com bateria de lítio, com 20 V e 2.950 gpm para cortes em madeira, metal e acrílicos”, destaca Silva.

MANUTENÇÃO

Dentre os cuidados básicos com as serras sabre está a sua limpeza, que deve ser realizada logo após cada uso. Segundo Silva, durante a operação é extremamente importante utilizar os EPIs (equipamentos de proteção individual) adequados. “Alguns cuidados também são fundamentais no momento da troca da lâmina”, diz ele. “Se o equipamento for elétrico, é necessário desligá-lo da energia. Se for a bateria, é importante travar o gatilho para evitar acionamento espontâneo.”

Ainda durante a operação do equipamento, como explica Danielle Chiarello, deve-se ter cuidado para que a lâmina não seja movimentada lateralmente, evitando forçar as engrenagens internas da máquina. “Também no momento da utilização, a base da serra deve estar apoiada para que não ocorra efeito de contragolpe da máquina”, finaliza a executiva.

Disco abrasivo traz borda em diamante

Indicada para trabalhos com diversos tipos de metais, a linha de discos abrasivos MetalMax da Irwin concentra alta quantidade de diamantes na banda de corte, permitindo que um único disco realize mais de mil cortes em certas aplicações. A banda de corte praticamente não se desgasta, mantendo o diâmetro do disco, diz a empresa.

www.irwin.com.br

Novas parafusadeiras/furadeiras sem fio chegam ao mercado

Desenvolvidas pela Stanley, as novas parafusadeiras/furadeiras sem fio SCD12S2K100 e SCH12S1K contam com 1 2V de potência, gatilho eletrônico de dois dedos (com velocidade reversível e variável), mandril de 3/8” e empunhadura emborrachada. Segundo a fabricante, a solução oferece de tempo de carga rápida de 70 minutos.

www.stanleyferramentas.com.br

Ferramenta de teste otimiza o trabalho em campo

O novo ProcessMeter 787B da Fluke integra em uma única ferramenta a potência de um multímetro digital com classificação de segurança e um calibrador de loop mA. Compacta, a ferramenta é compatível com o aplicativo Fluke Connect, permitindo monitoramento, registro e compartilhamento de dados pelas equipes sem o uso de fios.

www.fluke.com.br

Soluções são específicas para o segmento metalmecânico

A Black+Decker introduz novas soluções voltadas para o segmento, como a esmerilhadeira angular G650, indicada para utilização em trabalhos de corte e desbaste de materiais feitos em metal, aço, aço inox e alumínio. O modelo possui diâmetro de 115 mm, com 650 W de potência e velocidade de 12.000 rpm, informa a empresa.

www.blackanddecker.com.br

Novo sistema de bateria permite uso de ferramentas sem fio

Com o lançamento do XR FlexVolt, a Dewalt introduz no mercado um novo sistema de bateria que livra o operador da inconveniência do fio. Outro diferencial é a bateria com capacidade de troca automática da voltagem, de 54 V/60 V para 18 V/20 V. A solução está disponível para esmerilhadeira e serras de mesa, esquadria, circular e sabre.

www.dewalt.com.br

Furadeira de coluna tem aplicação em materiais ferrosos

Indicada para uso industrial na execução de furos em materiais ferrosos, a furadeira de coluna FCI-19 da Ferrari vem com protetor de cavacos ajustável e transparente, sistema de iluminação, motor de 12 velocidades, avanço da mesa com cremalheira e manivela e interruptor com chave de emergência de desligamento rápido, destaca a fabricante.

www.ferrarinet.com.br