ABRIR
FECHAR
ABRIR
FECHAR
28 de setembro de 2021
Voltar

Estudo projeta US$1,9 bilhão em negócios com exportação de máquinas agrícolas para a Austrália

Atualmente, o mercado australiano de máquinas agrícolas tem se tornado cada vez mais dinâmico e atrativo para o Brasil
Fonte: Comex do Brasil

A Austrália é um mercado atrativo para empresas brasileiras do ramo de máquinas e equipamentos agrícolas, segundo revelaestudoda Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

De acordo com a pesquisa, em 2020, o tamanho de mercado desse setor foi avaliado em US$1,9 bilhão. Em relação à produção agrícola, por sua vez, a meta do país é atingir US$ 69 bilhões até 2030 e, para alcançá-la, estima um aumento significativo em investimentos dos setores privado e público.

Com o objetivo de modernizar e aumentar a capacidade de fabricação alimentícia, o governo australiano planeja investir US$1,1 bilhão nos próximos 10 anos em seis áreas de fabricação, incluindo alimentos e bebidas.

O sucesso dessa iniciativa levará à novas fabricantes dessa categoria e, com isso, ao crescimento nas cadeias de suprimento da indústria, incluindo a demanda por máquinas pós-colheita.

As taxas de juros baixas e contínuas do país são os principais impulsionadores da expansão das vendas de máquinas agrícolas. Em 2021, a Austrália atingiu os índices mais baixos de todos os tempos (0,1%), o que torna o financiamento de máquinas e...


A Austrália é um mercado atrativo para empresas brasileiras do ramo de máquinas e equipamentos agrícolas, segundo revelaestudoda Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

De acordo com a pesquisa, em 2020, o tamanho de mercado desse setor foi avaliado em US$1,9 bilhão. Em relação à produção agrícola, por sua vez, a meta do país é atingir US$ 69 bilhões até 2030 e, para alcançá-la, estima um aumento significativo em investimentos dos setores privado e público.

Com o objetivo de modernizar e aumentar a capacidade de fabricação alimentícia, o governo australiano planeja investir US$1,1 bilhão nos próximos 10 anos em seis áreas de fabricação, incluindo alimentos e bebidas.

O sucesso dessa iniciativa levará à novas fabricantes dessa categoria e, com isso, ao crescimento nas cadeias de suprimento da indústria, incluindo a demanda por máquinas pós-colheita.

As taxas de juros baixas e contínuas do país são os principais impulsionadores da expansão das vendas de máquinas agrícolas. Em 2021, a Austrália atingiu os índices mais baixos de todos os tempos (0,1%), o que torna o financiamento de máquinas e equipamentos mais baratos.

Na avaliação do analista de inteligência de mercado da Apex-Brasil, Rodrigo Vianna, a crescente demanda global por produtos agrícolas e as necessidades de adaptação às mudanças climáticas impulsionam o crescimento da indústria.

“As exportações australianas do setor agrícola, como um todo, devem aumentar sua produção em um cenário de expansão da demanda global.
Os australianos se deparam com a necessidade de utilizar recursos de forma eficiente devido às mudanças climáticas. O investimento de capital no setor agrícola irá crescer cada vez mais. Com isso, o Brasil possui uma excelente oportunidade em expandir seu mercado com o país”, explica Vianna.

A alta demanda por máquinas e equipamentos agrícolas se dá pela soma da robusta economia australiana e pelo investimento agrícola do país, resultando em uma grande safra em 2021. Este cenário se alia a novos hábitos de saúde da população, abrindo oportunidades de mercado significativas para produtores brasileiros.

A economia australiana é uma das mais estáveis do mundo, com mais de duas décadas de crescimento ininterrupto.

Precursoras

Já existem empresas brasileiras atuando no mercado australiano. O país negocia, ativamente, acordos de livre comércio desde os anos 2000. Atualmente, o mercado de máquinas agrícolas tem se tornado cada vez mais dinâmico e atrativo para o Brasil.

Esses acordos promoveram exportações de produtos agrícolas pela Austrália e importações de máquinas agrícolas do exterior, estas últimas totalizando o equivalente a US$1,5 bilhão em 2020. Os Estados Unidos foram o principal fornecedor, tendo vendido 25,2% do total importado pela Austrália no último ano.

O Brasil teve uma participação relativamente pequena na pauta de importação da Austrália, tendo vendido o equivalente a US$ 8 milhões de máquinas agrícolas em 2020, ou 0,6% do total importado pelo país. As exportações brasileiras foram 14,2% menores que o registrado em 2017, quando foram exportados US$ 9,3 milhões.