FECHAR
FECHAR
31 de outubro de 2012
Voltar
Demolição

Equipamentos High Tech

Robôs operados remotamente eliminam riscos de acidentes em processos de demolição, mas ainda são pouco aplicados no Brasil

Pense em ambientes de alto risco onde o silêncio é condição prioritária. Hospitais? Sim, é um bom exemplo. Agora nos situemos em uma obra de reforma nesses locais, onde será preciso demolir paredes, escadas e outras estruturas.

Definitivamente, esse cenário revela que a operação de um martelo hidráulico, seja ele manual ou operado por máquina portadora, não é a solução mais confortável para os ouvidos dos pacientes. É para esse tipo de operação, ficando em um exemplo clássico, que os equipamentos de demolição controlados remotamente ou simplesmente robôs de demolição são destinados.

Mas esse ainda é um tipo de equipamento pouco utilizado no Brasil, apesar de alguns fabricantes internacionais, como é o caso da Husqvarna, apostarem na sua popularização para os próximos anos.

Para se ter uma ideia de como a tecnologia ainda é incipiente, até o momento a empresa comercializou apenas quatro unidades de robôs de demolição em todo o país. “Mas eles têm aplicações diversas, indo desde obras de porte maior, como de infraestrutura, até demolições em ambientes confinados”, diz Robson Lima, consultor comercial da empresa.

Duas dessas máquinas foram compradas pela Furacon, empresa executora de obras de cortes, perfurações e demolições. “A princípio, pensamos em investir em alguma tecnologia que tivesse relação com preceitos ecológicos”, diz o diretor-presidente da Furacon, Alberto Libanio, que inicialmente pensou em adquirir uma máquina de reciclagem que mói concreto armado, separando o aço do concreto e transformando-o em entulho de diversas espessuras para aplicações variadas na construção civil. “Todavia, depois de várias avaliações com fornecedores, não conseguimos dimensionar a atividade ecológica dessas máquinas, o que nos levou a buscar alternativas, até encontrar os robôs de demolição”, lembra o executivo sobre o processo realizado em 2008.

Inteirado da operação da máquina, a Furacon encomendou a primeira unidade que, aliás, foi também a primeira vendida pela Husqvarna na América Latina e desde então vem aplicando-a em demolições controladas, onde é necessário retirar pedaços da estrutura de concreto armado sem danificar a parte que irá permanecer no empreendimento. “É possível demolir escadas, por exemplo, sem trincar as paredes onde elas estavam engastadas”, sintetiza Libanio.

Mesmo com alguns casos de sucesso desde então, o executivo admite que a


Pense em ambientes de alto risco onde o silêncio é condição prioritária. Hospitais? Sim, é um bom exemplo. Agora nos situemos em uma obra de reforma nesses locais, onde será preciso demolir paredes, escadas e outras estruturas.

Definitivamente, esse cenário revela que a operação de um martelo hidráulico, seja ele manual ou operado por máquina portadora, não é a solução mais confortável para os ouvidos dos pacientes. É para esse tipo de operação, ficando em um exemplo clássico, que os equipamentos de demolição controlados remotamente ou simplesmente robôs de demolição são destinados.

Mas esse ainda é um tipo de equipamento pouco utilizado no Brasil, apesar de alguns fabricantes internacionais, como é o caso da Husqvarna, apostarem na sua popularização para os próximos anos.

Para se ter uma ideia de como a tecnologia ainda é incipiente, até o momento a empresa comercializou apenas quatro unidades de robôs de demolição em todo o país. “Mas eles têm aplicações diversas, indo desde obras de porte maior, como de infraestrutura, até demolições em ambientes confinados”, diz Robson Lima, consultor comercial da empresa.

Duas dessas máquinas foram compradas pela Furacon, empresa executora de obras de cortes, perfurações e demolições. “A princípio, pensamos em investir em alguma tecnologia que tivesse relação com preceitos ecológicos”, diz o diretor-presidente da Furacon, Alberto Libanio, que inicialmente pensou em adquirir uma máquina de reciclagem que mói concreto armado, separando o aço do concreto e transformando-o em entulho de diversas espessuras para aplicações variadas na construção civil. “Todavia, depois de várias avaliações com fornecedores, não conseguimos dimensionar a atividade ecológica dessas máquinas, o que nos levou a buscar alternativas, até encontrar os robôs de demolição”, lembra o executivo sobre o processo realizado em 2008.

Inteirado da operação da máquina, a Furacon encomendou a primeira unidade que, aliás, foi também a primeira vendida pela Husqvarna na América Latina e desde então vem aplicando-a em demolições controladas, onde é necessário retirar pedaços da estrutura de concreto armado sem danificar a parte que irá permanecer no empreendimento. “É possível demolir escadas, por exemplo, sem trincar as paredes onde elas estavam engastadas”, sintetiza Libanio.

Mesmo com alguns casos de sucesso desde então, o executivo admite que a aplicação desses equipamentos ainda permanece embrionária no Brasil, pois demanda alto custo inicial de aquisição quando comparada com a demolição manual ou com retroescavadeiras dotadas de rompedores hidráulicos, por exemplo. “Porém, quando se avalia a eficiência desse equipamento, essa visão cai por terra”, pondera o executivo.

Custo X Benefício

Robson Lima, da Husqvarna, dá números à colocação do especialista da Furacon, ao revelar que um robô de demolição da marca tem custo de aquisição entre R$ 400 mil e R$ 460 mil. Esses valores representariam mais de quatro vezes o aplicado na aquisição de uma retroescavadeira dotada de martelo hidráulico. “Porém, temos casos de obras que demandariam entre oito e 10 funcionários, mas que foram realizadas apenas com o robô e dois funcionários”, ele compara, demonstrando que o custo operacional da tecnologia pode compensar o alto custo de aquisição.

Marcos Schmidt, gerente de produto da Atlas Copco, avaliza as colocações de Libanio e Lima. A multinacional representa a fabricante Brokk, também de origem sueca. “Os custos diretos decorrentes do próprio equipamento, ou seja, aquisição e custo de propriedade, são realmente maiores quando comparados às máquinas e métodos convencionais de demolição”, diz. “Todavia, os custos indiretos e operacionais são menores e cito como exemplo o menor custo funcional decorrente da redução de mão de obra aplicada, o menor custo operacional devido à maior eficiência e rapidez na execução da demolição, a redução de risco de acidentes com impacto no prêmio de seguro etc.”

Funcionamento

Schmidt detalha que, para se compreender melhor o funcionamento do robô de demolição, é possível fazer uma analogia com as miniescavadeiras, pois ambos têm o mesmo conceito de braço articulado, motorização, castelo giratório e esteiras de locomoção. “Com a diferença, obviamente, de que os robôs de demolição são acionados via joystick, por sinal de rádio ou cabo, permitindo que o operador mantenha distância segura das áreas de demolição”, diz.

Os equipamentos da Brokk, conforme detalha Schmidt, são dotados de um motor diesel ou elétrico responsável por acionar uma bomba de fluxo variável. A bomba envia o fluxo de óleo hidráulico para um conjunto de válvulas proporcionais que, por sua vez, distribuirá o óleo pelos elementos ativos do equipamento, como pistões, motores de tração, motor de giro etc. “Uma parte desse fluido é destinada ao implemento que será montado no braço do robô de demolição”, explica ele, salientando que o implemento pode ser rompedor hidráulico, tesoura, fresadora, garra de seleção, perfuratriz ou qualquer outro com acionamento hidráulico.

O especialista da Atlas Copco explica que, nos equipamentos da Brokk, o controle das válvulas proporcionais é realizado por solenóides elétricos que, por seu turno, são comandados por um painel eletrônico lógico montado no equipamento.

Diferentemente de escavadeiras ou retroescavadeiras, contudo, os robôs de demolição possuem braço articulado de três segmentos e giram 360 graus, aumentando as áreas de alcance do implemento na demolição. “Os nossos equipamentos possuem ainda recursos que permitem operar em inclinações de até 30%, aumentando a área de aplicabilidade da tecnologia”, pontua Schmidt.

Já a Husqvarna disponibiliza três modelos de robôs de demolição para o mercado brasileiro, sendo o maior com peso operacional de 2 t e capacidade de acoplar rompedor de até 200 kg. “De série, as nossas máquinas já são fornecidas com o rompedor, tesoura e concha, ficando o cliente com a opção de adquirir os implementos, como pinça, pulverizador, discos de corte e outros”, diz Robson Lima.

Os equipamentos da empresa também são acionados remotamente, mas a comunicação entre o controle manual e a máquina é feita via Bluetooth, a uma distância de até 100 m. “Os comandos, todavia, são acionados por meio de um painel de LCD que informa ao operador, em tempo real, tudo o que está sendo realizado pelo equipamento na frente de serviço”, informa o especialista, salientando que os robôs de demolição da Husqvarna também possuem giro de braço de 360 graus e são acionados por motor elétrico trifásico.