FECHAR
29 de abril de 2010
Voltar
Sustentabilidade

Conciliando progresso e qualidade de vida

As preocupações com sustentabilidade não se limitaram aos debates e lançamentos apresentados pelos expositores da M&T Expo 2009. Elas nortearam toda a realização da feira

a hora de planejar uma obra, não basta mais se fixar apenas nas questões relacionadas à eficiência do projeto ou da execução. As preocupações com a sustentabilidade do empreendimento se consolidaram definitivamente no setor e já não se restringem apenas ao mero cumprimento da legislação ambiental, algo a que todos os projetos de engenharia estão sujeitos, mas ao real comprometimento com o mínimo impacto no espaço e nas comunidades em torno da construção.

Essas preocupações, de tão candentes no setor, marcaram a realização da M&T Expo 2009 por meio dos muitos debates relacionados ao assunto durante o Elacom 2009 (2º Encontro Latino-Americano da Construção e Mineração). Além disso, os visitantes da feira travaram contato com tecnologias voltadas à sustentabilidade, como equipamentos para a reciclagem de entulho no canteiro e motores adequados às etapas futuras das normas internacionais de controle de emissão de poluentes. “Esse conceito deve nortear a obra desde o projeto, sob pena de ela apresentar custo e prazo de execução maiores”, afirma Roberto Kochen, diretor técnico da Geocompany.

Os especialistas ressaltam que ações voltadas à sustentabilidade não representam custo quando integradas ao projeto e planejamento da obra. Obviamente, os programas para mitigar o impacto de um empreendimento implicam gastos antes não contemplados numa obra, mas também agregam valor a ela. “Os edifícios ambientalmente corretos, os green building, que coletam água da chuva e usam energia solar, já são uma realidade, mas as construtoras precisam avançar no conceito do mínimo impacto durante a obra, seja no consumo de energia ou na emissões de gases poluentes”, diz Kochen.

Reciclagem de entulho

Ele cita diversas obras já adequadas a esse princípio, como a construção do trecho sul do Rodoanel Mário Covas, das usinas hidrelétricas do rio Madeira e da segunda pista da rodovia dos Imigrantes. Esta última, segundo o especialista, provocou um impacto ambiental 40 vezes menor que o da pista antiga, construída na década de 1970. Além das adequações do projeto e da adoção de procedimentos específicos, uma obra sustentável se caracteriza pelo uso de equipamentos modernos, que são mais eficientes em termos de energia e produzem baixa emissão de poluentes.

Entre as ações envolvidas se incluem os cuidados com vazamentos e contaminação do solo durante a lubrificação das máquinas, assim como a coleta seletiva de lixo, especialmente no caso de componentes como filtros e óleos, que são recolhidos para o fornecedor. “Em obras de túneis e de terraplenagem, é preciso até mesmo instalar sistemas de coleta de efluentes para o seu tratamento antes de lançá-los nos cursos d’água naturais.”