FECHAR
FECHAR
20 de junho de 2018
Voltar

Infraestrutura

Sobe interesse de investidores no mercado brasileiro

Entre os principais motivos que levaram à ascensão da visão positiva para o país incluem a extensão territorial do Brasil, facilitando projetos em grande escala e a repercussão do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI)
Fonte: Valor Econômico

A melhoria do cenário econômico brasileiro, principalmente no fim de 2017, elevou o otimismo de empresários e investidores em relação a oportunidades em infraestrutura.

Segundo pesquisa da GRI Club, associação global que reúne líderes dos setores imobiliário e de infraestrutura, 55,9% dos entrevistados pela entidade têm uma visão positiva sobre o Brasil, colocando o país na liderança do interesse de investimentos em infraestrutura na América Latina.

O levantamento, que analisa a visão para o setor em diversos países da região, entrevistou além de associados da entidade outras pessoas do setor ligadas a bancos, fundos e concessionárias.

No ano passado, o otimismo com o Brasil envolvia 44,9% dos entrevistados. Segundo Pedro Nicolau, diretor global de infraestrutura do GRI, quatro motivos levaram à ascensão da visão positiva para o país.

A primeira razão é a extensão territorial do país, que facilita projetos em grande escala. Além disso, há a repercussão do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

A terceira razão é a piora de outras importantes economias latinas, como o Peru, que também sofre com os efeitos políticos da Operação Lava Jato, e o México, que tem eleições marcadas para julho.

“Por fim, está sendo percebido pelos investidores que há um esforço para o combate à corrupção no Brasil”, explica Nicolau.

O segundo em otimismo é a Colômbia, que subiu de 46,5% para 50%. Na sequência vem México com 42,65% (queda de 4,55 pontos percentuais), Peru com 36,76% (-3,44 p.p.), Argentina com 30,88% (-5,32 p.p.) e Chile com 16,18% (-11,42 p.p.). Também foram citados, com porcentagem inferior, Cuba, Equador, Panamá e Uruguai.

Por setor, a visão é mais positiva para geração e transmissão de energia, com 58,82%.

Em seguida vem as rodovias, com 52,94%. O maior recuo foi o do otimismo com relação aos aeroportos, que caiu de 48,4% para 32,35%.

“No ano passado, quando fizemos a pesquisa, o setor vinha de um leilão bem sucedido de quatro aeroportos – Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre e Salvador”, aponta Nicolau.

“Nos últimos 12 meses ocorreram alguns acontecimentos negativos no setor, como o pedido de devolução de Viracopos e Congonhas fora do próximo leilão. Além disso, sobraram aeroportos menores para as concessões.”

Se as diferenças de visão sobre os países e setores são consideráveis, o mesmo não acontece sobre qual o maior empecilho para os negócios na região. Para 82,35% dos entrevistados, as questões ligadas ao poder público são o principal risco para operações na América Latina.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral