FECHAR
FECHAR
11 de janeiro de 2019
Voltar
M&T Expo 2018

Farol da tecnologia

Nova edição evidenciou a vocação da feira em reunir o que de mais atual, tecnológico e avançado existe na indústria global de máquinas, equipamentos, componentes, sistemas e serviços

Mais uma vez em sua já longa trajetória de sucesso – ao todo, são 10 edições em 24 anos –, a M&T Expo cumpre seu papel de principal farol de tecnologias para construção e mineração na América Latina. Realizada pela primeira vez no novo espaço do São Paulo Expo completamente reformado, a feira evidenciou sua vocação inata de reunir o que de mais atual, tecnológico e avançado existe na indústria global de máquinas, equipamentos, componentes, sistemas e serviços.

Ao todo, mais de 800 marcas de classe mundial levaram suas soluções ao pavilhão de exposições em São Paulo, que pôde assistir em um único espaço ao maior show latino-americano de inovação para o setor apresentado em 2018. Nesta edição, que ocupou uma área interna de 70 mil m2, além de uma área externa, o evento foi dividido em quatro macrossetores: equipamentos para construção e mineração, que ocuparam a maior parte da feira, concreto e asfalto, elevação de carga e componentes e serviços. Nesta edição, que superou todas as expectativas, a feira recebeu mais de 45 mil visitantes de diversos países, que puderam conferir de perto as novidades de expositores nacionais e internacionais, além de palestras técnicas, demonstração de equipamentos, implementos e acessórios e outras atrações apresentadas no evento.

Nas próximas páginas, confira uma seleção feita pela Revista M&T – que continuará na próxima edição – com o que de melhor foi apresentado durante os quatro dias desta bem-sucedida exposição tecnológica, que já deixa saudades e volta a ser realizada em 2021.

EQUIPAMENTOS

CONCRETO & ASFALTO

COMPONENTES & SERVIÇOS

ELEVAÇÃO DE CARGA

AMMANN

Com capacidades de 140 t/h e 180 t/h, as usinas gravimétricas ABC 140 Solid Batch e ABC 180 Solid Batch foram os principais destaques da empresa nesta edição da feira. Prometendo maior precisão dos materiais peneirados e classificados, o equipamento traz peneira vibratória de quatro malhas, com a possibilidade de agregar até seis malhas. O portfólio de produtos da marca é com


Mais uma vez em sua já longa trajetória de sucesso – ao todo, são 10 edições em 24 anos –, a M&T Expo cumpre seu papel de principal farol de tecnologias para construção e mineração na América Latina. Realizada pela primeira vez no novo espaço do São Paulo Expo completamente reformado, a feira evidenciou sua vocação inata de reunir o que de mais atual, tecnológico e avançado existe na indústria global de máquinas, equipamentos, componentes, sistemas e serviços.

Ao todo, mais de 800 marcas de classe mundial levaram suas soluções ao pavilhão de exposições em São Paulo, que pôde assistir em um único espaço ao maior show latino-americano de inovação para o setor apresentado em 2018. Nesta edição, que ocupou uma área interna de 70 mil m2, além de uma área externa, o evento foi dividido em quatro macrossetores: equipamentos para construção e mineração, que ocuparam a maior parte da feira, concreto e asfalto, elevação de carga e componentes e serviços. Nesta edição, que superou todas as expectativas, a feira recebeu mais de 45 mil visitantes de diversos países, que puderam conferir de perto as novidades de expositores nacionais e internacionais, além de palestras técnicas, demonstração de equipamentos, implementos e acessórios e outras atrações apresentadas no evento.

Nas próximas páginas, confira uma seleção feita pela Revista M&T – que continuará na próxima edição – com o que de melhor foi apresentado durante os quatro dias desta bem-sucedida exposição tecnológica, que já deixa saudades e volta a ser realizada em 2021.

EQUIPAMENTOS

CONCRETO & ASFALTO

COMPONENTES & SERVIÇOS

ELEVAÇÃO DE CARGA

AMMANN

A Ammann apostou na linha Solid Batch de usinas gravimétricas de maior precisão

Com capacidades de 140 t/h e 180 t/h, as usinas gravimétricas ABC 140 Solid Batch e ABC 180 Solid Batch foram os principais destaques da empresa nesta edição da feira. Prometendo maior precisão dos materiais peneirados e classificados, o equipamento traz peneira vibratória de quatro malhas, com a possibilidade de agregar até seis malhas. O portfólio de produtos da marca é complementado com uma linha de pavimentadoras de asfalto, em uma gama de 17 modelos com capacidades de produção de 35 a 1.100 t/h e largura de pavimentação de 800 mm a 14 metros. Na linha de compactação, o portfólio da empresa se inicia com compactadores de percussão de 30 kg, passa por rolos de trincheira acionados por controle remoto infravermelho, rolos tandem de 1,5 a 11 toneladas (nas versões de cilindro duplo e combinado, cilindro e pneus) e compactadores de solos mono-cilíndricos de 4 a 22 toneladas, até a linha de compactação com rolos pneumáticos com capacidade de compactação de até 28 toneladas e controle de pressão de ar diretamente na cabina de operação.

De acordo com Marcelo Prado Ritter, coordenador de vendas e marketing da empresa no Brasil, os investimentos em mobilidade urbana estarão dentre as prioridades do novo governo, incrementando os setores de construção, britagem e pavimentação asfáltica. “No entanto, ainda é preciso aguardar o ‘humor’ do mercado”, comentou.

ASTEC

Fabricada no Brasil, a peneira de alta frequência Vari Vibe foi a estrela do estande da Astec

O principal destaque apresentado foi a peneira de alta frequência Vari Vibe, fabricada no Brasil. Segundo a empresa, um dos grandes diferenciais do equipamento está no peneiramento a seco, mas também oferece soluções para separação de finos e ultrafinos, permitindo a recuperação de uma parte do material antes descartado. “Um dos efeitos positivos da nacionalização do produto é a oferta das peças de reposição e o aumento de sua confiabilidade”, explicou André Oliveira, engenheiro de aplicação da marca.

Também ganharam destaque o britador cônico SBS/SBX, fabricado com a mesma tecnologia dos equipamentos Telsmith, e o Shuttle Buggy, veículo de transferência de material asfáltico que atua entre o caminhão de transporte e a vibroacabadora, além da ampliação da linha de peças de reposição. Com tal portfólio, a empresa pretende não somente aumentar o market share no mercado brasileiro, como ainda ampliar a exportação de produtos para a América Latina, o que vem acontecendo. De acordo com Alessandra Ribeiro, especialista de marketing da empresa no Brasil, “a participação na M&T Expo reforça a estratégia de expansão de mercado da empresa, que oferece redução de custos operacionais e de consumo dos recursos naturais”.

BMC/HYUNDAI

Na área externa, a BMC/Hyundai enfocou a expansão dos seus serviços pós-venda

A empresa aproveitou o evento para reforçar sua estratégia de atendimento ao cliente, com a expansão gradual dos serviços pós-venda por meio do Sistema RAP, que já conta com 60 revendedores de peças e 90 pontos de venda de peças autorizadas em todo o país. Como explicou Daniel Cocchiaro Rodrigues, gerente nacional de vendas e marketing, essa expansão garante maior disponibilidade de peças e transmite maior confiabilidade ao mercado. Além disso, a empresa afirma manter o programa de expansão da rede de assistência técnica, que já conta com mais de 270 prestadores terceirizados em todo o país, homologados após seleção e treinamentos. “Os técnicos de campo contam com a assistência da Engenharia de Suporte, sediada em São Paulo”, disse. ele “Com isso, a empresa manteve o seu corpo técnico mais experiente para suporte a atendimentos mais complexos, acelerando ainda mais o tempo de solução para os equipamentos em campo.”

Outro destaque da empresa no evento foi a escavadeira R180, de 18 toneladas. Segundo Rodrigues, por suas especificações técnicas – “nem grande e nem pequena demais” – o equipamento oferece maior versatilidade, sendo adequada para atividades na área florestal e no agronegócio. De acordo com o gerente, a empresa já sente uma recuperação do mercado desde o segundo semestre de 2018. “Aguardamos um crescimento em 2019 e um mercado mais consistente em 2020”, afirmou.

BOMAG

A Bomag Marini exibiu um novo conceito com o modelo contêinerizado Carbon T-Box 160

Ao lado de uma pavimentadora, dois rolos compactadores de asfalto da linha leve e pesada e rolos de compactação de solos, a empresa do Grupo Fayat lançou na M&T Expo uma usina de asfalto tipo contêiner configurada em três módulos. Produzido em Cachoeirinha (RS), o modelo Carbon T-Box 160 entrega uma capacidade de 160 toneladas e prevê a instalação do sistema filtragem em cima do módulo de secagem, minimizando a necessidade de área útil. “É um produto que foge completamente do design tradicional do segmento de usinas”, afirmou o presidente para a América Latina, Walter Rauen. “Após muito tempo de mercado, chegamos à conclusão que a mobilidade não traz proveito ao cliente.” Isso porque, segundo ele, as soluções móveis forçam o cliente a adquirir várias coisas que ele não necessita para produzir a massa asfáltica, como chassi, rodas e freios. “Ou seja, um monte de itens adicionais que não contribuem em nada para a produção de uma mistura e, além disso, ainda precisa ser revisado antes de voltar a operar, trazendo custo adicional.”

Sem depender de regulamentações para transporte e instalação, a nova solução incorpora em sua estrutura quatro silos, filtro e secador, prometendo entregar o maior tempo de mistura do mercado, com número superior de batidas. “Ela trabalha com um tempo total de operação de 1 minuto, em 15 segundos de mistura seca e 45 segundos de mistura úmida”, disse o executivo. “Nenhuma usina oferece isso.”

O produto também agrega conceitos da Indústria 4.0, incluindo sensores para automatizar o processo, filtro inteligente que age de acordo com a pressão e conectividade, ligando a usina ao caminhão e à pavimentadora. “Não é só um produto, mas uma nova forma de ver a produção de asfalto”, arrematou Rauen.

CASE

A retroescavadeira 580N Accessibility foi apresentada pela Case CE como uma solução inédita de inclusão

Em um total de 10 máquinas, a fabricante destacou a retroescavadeira 580N, as pás carregadeiras W20F e 621E, o trator de esteiras 2050M, a motoniveladora 865B, as escavadeiras hidráulicas CX220C Long Reach e CX240C e a minicarregadeira SR200, além de soluções de serviços, incluindo dispositivos de realidade virtual e realidade aumentada.

Um dos destaques foi a retroescavadeira conceito 580N Accessibility – apresentada como uma solução inédita que permite a inclusão de pessoas com mobilidade reduzida – e a 580N Wireless – que pode ser acionada e comandada a distância. Com engenharia 100% brasileira, o modelo Accessibility traz uma plataforma de elevação externa à cabina, com todos os comandos transferidos para as mãos. “Fruto da sinergia do grupo, o projeto de acessibilidade começou com a van da Iveco, que facilita a entrada de pessoas com mobilidade reduzida”, explicou o gerente de marketing para a América Latina, Maurício Moraes. Com o conceito, a empresa quer abrir um novo mercado, em um país que conta com 46 milhões de pessoas com limitações. “Esse não é um produto, mas uma oportunidade de inclusão social e será adotado em outras famílias de máquinas.”, acrescentou o vice-presidente para a América Latina, Roque Reis, destacando a expectativa da companhia com o evento. “A feira ocorre em um momento em que o mercado começa a mostrar mais otimismo, pois se fosse em junho, ainda estaríamos chorando um pouquinho, mas hoje já se nota uma tendência positiva”, disse. “Talvez esteja sendo um pouco conservador, mas o mercado pode chegar a 30 mil unidades em 2019, quem sabe mais.”

Na Case IH, que se exibiu no mesmo espaço, o destaque ficou com o trator de pneus Command de 230 cv, exposto no estande. “O agribusiness foi um grande pilar que acabou sustentando a economia nesses últimos anos”, disse o diretor de marketing de produto, Silvio Campos.

CATERPILLAR

A Nova Geração de escavadeiras hidráulicas foi a estrela do estande, com destaque para o lançamento na América do Sul do modelo 336, de 36 toneladas. “A empresa não parou nas 20 toneladas”, disse a diretora comercial para a América Latina, Bernadette Manso. “Além disso, trata-se da primeira grande mudança no design após 25 anos, feita a partir do papel em branco, ouvindo clientes e operadores.”

A Caterpillar promoveu o lançamento na América do Sul da escavadeira 336, de 36 toneladas

De acordo com o consultor do mercado de escavadeiras para a América Latina, Miguel Gomes, o lançamento é voltado para escavação massiva em mineração, principalmente locação, oferecendo três modos de operação: econômico, de potência e inteligente. “Com sistema eletrohidráulico e novo Motor 9.3B, esse modelo tem todos os recursos eletrônicos das demais escavadeiras lançadas no meio do ano, incluindo sistema de nivelamento e de giro, balança integrada e cercas virtuais”, descreveu. Também estiveram em exposição os recém-lançados modelos 320, 320GC e 323 (todos da classe de 20 toneladas), o trator de esteiras D6N, a motoniveladora 140K, a retroescavadeira 420 Série F2, as pás carregadeiras de rodas das Séries K e L, a minicarregadeira 236, a fresadora PM620 e os grupos geradores C15 e DE56. “Chegamos aos 65 anos de Brasil prontos para o crescimento”, afirmou Odair Renosto, presidente da operação no Brasil. “E a expectativa para 2019 é de otimismo, pois sabemos que há um amplo mercado represado a se trabalhar.”

CDE

A CDE divulgou na feira o Combo X70 para lavagem e classificação de areia

A fabricante divulgou a planta modular e integrada Combo X70 para lavagem e classificação de areia natural e artificial. Contando com reciclagem de água em um único chassi, o produto traz como principal diferencial sua capacidade de processar até 100 t/h e recuperar até 90% da água utilizada no processo de lavagem. Totalmente automatizado, o sistema evita a perda de finos que ocorre com os processos tradicionais, gerando maior rentabilidade e contribuindo para a preservação do meio ambiente. O sistema é ideal para os produtores de areia ciosos por melhorar a eficiência de seus processos e também pedreiras que desejam diversificar seus produtos, lavando a bica corrida para gerar areia artificial. “O fornecimento desse tipo de planta, que é produzida sob encomenda, vem atraindo clientes dos segmentos de obras industriais, um setor em franca ascensão no país”, disse o especialista da área de desenvolvimento de negócios, Gustavo Brasil. “A empresa está pronta para a retomada do mercado, uma tendência que já vem sentindo após as eleições presidenciais.”

No ano passado, a empresa recebeu o Prêmio Top Engenharia. “Fomos reconhecidos como a melhor empresa de engenharia de equipamentos para processamento de material úmido no setor minerário do Brasil”, destacou o executivo, referindo-se ao prêmio conferido pelo Centro de Memórias da Engenharia e da Associação dos Ex-alunos da Escola de Engenharia da UFMG (AEAEE/UFMG).

COMERCIAL RODRIGUES

As soluções TyrFil, Tyre Solutions e Maxam foram as apostas da Comercial Rodrigues

A companhia levou para a feira seu amplo portfólio de soluções voltadas para todos os tipos de atividades com pneus, incluindo operações fora de estrada, industriais, agrícolas e florestais. No estande, o visitante pôde conferir blindagens, escudos, esteiras e correntes, além da linha de preenchimento. Dentre os principais destaques, a empresa divulgou a solução TyrFil para preenchimento de pneus, as blindagens da Tyre Solutions e as soluções Maxam para pneus radiais de veículos pesados. “Lançada em 2018, a solução em preenchimento vem obtendo bastante aceitação em obras de todos os tipos e, até mesmo, junto a órgãos de segurança pública”, comentou Renata Medeiros, consultora de marketing e relações com o cliente da empresa.

Segundo ela, os produtos para operações em mineração também atraíram interesse do visitante, fazendo com que a participação da empresa na M&T Expo fosse bem positiva, tendo em vista o número de contatos, a realização de negócios durante o evento e, principalmente, o potencial comercial pós-feira. “Realmente, a feira é muito bem-vista pelo mercado e isso repercutiu muito nos estandes, com um público qualificado ávido por novidades”, afirmou. “A recuperação mais efetiva só deve ocorrer após o 1º trimestre, mas sem dúvida este foi um momento de sondagem, estudo e pesquisa por parte dos clientes e, para alguns, de aquisições e preparação para a próxima fase de aquecimento do mercado.”

DOOSAN

A fabricante coreana apresentou na M&T Expo a escavadeira DX530LC-5B, que traz o inédito sistema de controle de consumo SPC (Smart Power Control). Segundo a empresa, a tecnologia otimiza o consumo de combustível por meio de gestão eletrônica de fluxo e potência, facilitando a operação por parte do operador. Ao permitir o controle da rotação, torque e força de acordo com a necessidade da máquina, o sistema permite a redução do consumo e potência dispensada, ajudando o operador a controlar e monitorar o consumo de combustível.

Junto a outras máquinas, a escavadeira DX530LC-5B ganhou os holofotes no estande da Doosan

Com 51 toneladas de peso, a DX530LC é impulsionada por motor Scania DC13 de 6 cilindros e 345 hp de potência, além de trazer reforços estruturais no chassi, braço, lança e caçamba, que tem capacidade coroada de 2.9 m3 a 3.6 m3, prometendo ainda uma resistência 50% superior ao modelo anterior.

Durante o evento, além das soluções da Bobcat, a empresa também apresentou o TMS 2.0 (Terminal de Serviços Telemáticos), uma solução em conectividade que segue a tendência cada vez mais atual de inserir “inteligência” às máquinas. “Entre suas principais funções estão a demarcação virtual de área geográfica, geração de relatórios de consumo, relatório de modo de operação, alarmes de manutenção preventiva por ciclo de substituição de peças e alerta de falha, entre outros”, disse o presidente da empresa para a América do Sul, Mauro José Costenaro.

FPT INDUSTRIAL

A FPT Industrial aproveitou a feira para divulgar suas soluções completas em geração de energia

A empresa expôs o motor N45 e um gerador de energia cabinado de 140 kVA, que marca a estreia da empresa no segmento. “Com o produto próprio final agora disponível, oferecemos a tecnologia e o produto, de modo que os clientes ficarão mais satisfeitos com uma solução completa”, comentou o presidente para a América Latina da marca, Marco Aurélio Rangel. Com pintura eletrostática e bandeja coletora de fluidos, as soluções na faixa de 30 a 700 kVA têm aplicação para demanda ininterrupta de energia em bancos, hospitais, condomínios, data centers e no agronegócio, assim como em canteiro de obras de construção, tanto urbanos como rurais. “Os geradores oferecem monitoramento e controle inteligentes, trazendo painel de controle com interface mais simples e amigável”, explicou o especialista de marketing de produto para a América Latina, André Faria,

Além de divulgar as opções de financiamento do CNHi, a empresa também trouxe mais uma novidade com o anúncio da opção de consórcio para o segmento de geração de energia. “Isso permitirá ao cliente uma compra planejada, com cotas diluídas em 50 meses”, disse a gerente de comunicação e marketing, Isabela Costa. “Já as vendas serão feitas pelas distribuidoras, Primo Rosssi e Conseg.”

GOLDHOFER

Um amplo portfólio de equipamentos para transporte extrapesado foi o destaque da Goldhofer

Player importante do setor de reboques modulares de cargas e módulos transportadores autopropelidos, a empresa alemã aproveitou a feira para mostrar seu portfólio de equipamentos para serviços de transporte extrapesado. Sem representante do país, a empresa propõe-se a desenvolver soluções individuais para seus clientes, cujas atividades envolvam o transporte de cargas de 50 a mais de 10 mil toneladas. “Desenvolvemos sistemas modulares que podem ser expostos às mais exigentes condições climáticas, de 50oC no deserto a -40oC na Sibéria”, garantiu o diretor regional de vendas para a América Latina, Michael Feneberg. “Nossos equipamentos também podem ser usados em ambientes úmidos e enfrentar mudanças climáticas frequentes dos países tropicais.”

Em termos comerciais, todavia, em 2018 os negócios da empresa no Brasil ficaram praticamente parados, com poucos projetos em desenvolvimento para os quais seus equipamentos fossem necessários. “Com a mudança de governo, nossos cientes têm dito que será um ano para avaliar possibilidades e necessidades de projetos, de modo que deveremos fazer vendas a partir de 2020.” Segundo ele, para seu segmento o ano foi melhor na Argentina e em outros países da região. “Na área de mineração, o Chile e o Peru se destacaram, beneficiados pelo preço das commodities”, disse. “Mas também houve negócios na Colômbia e no México.”

HERRENKNECHT

A Herrenknecht divulgou o conceito de TBMs de Densidade Variável para escavação em diferentes substratos

Por meio de fotos, a fabricante germânica apresentou imagens de suas tuneladoras de grande porte, mais conhecidas como TBMs ou “tatuzões”, que estão em constante desenvolvimento e evolução para atender às dificuldades cada vez maiores de execução de túneis mundo afora. Isso porque, segundo o engenheiro sênior da empresa no país, Edson Peev, os túneis estão cada vez maiores em diâmetro e mais longos e profundos, assim como com variações mais acentuadas de geologia e pressão. “Temos de aprimorar as tecnologias continuamente para possibilitar que essas obras sejam executadas”, explicou. “Hoje, a máquina com maior diâmetro que fabricamos possui 17,6 m, mas já temos projeto para uma máquina de 19 m.”

Peev disse ainda que a grande novidade mundial no segmento são as TBMs de Densidade Variável, que resolvem o problema de escavar substratos muito distintos, como areia, rocha ou argila, sem que se tenha de parar o serviço para converter o equipamento. Nos negócios, a empresa também foi afetada pela crise econômica e instabilidade política do Brasil, que paralisou os projetos nos quais suas máquinas são mais necessárias, como obras de metrô e infraestrutura. “Nos últimos dois anos não vendemos quase nada, apenas algumas máquinas pequenas para a área de saneamento”, revelou. “Estamos contando com uma retomada em 2019, com mais expectativas para 2020.”

HYDRAFORCE

A Hydraforce divulgou a produção de válvulas de cartuchos hidráulicos de alto desempenho

Desde que finalizou a aquisição da Hydraulic Designers, sediada em Taboão da Serra, a empresa norte-americana mudou de nome no país, tornando-se HydraForce Hydraulics. E a estratégia fortaleceu a posição da empresa no mercado de produção de válvulas de cartuchos hidráulicos de alto desempenho, além de dedicar-se à fabricação de manifolds customizados e controles eletro-hidráulicos para indústrias off-road, englobando agricultura, construção, marinha, manuseio de materiais, mineração e florestal.

Atualmente, a operação global conta mais de 1.000 funcionários e inclui plantas na América do Norte, Europa, Ásia e Brasil, com uma rede de mais de 120 distribuidores que fornecem suporte local em todo o mundo. Até por isso, a empresa também reforçou na feira sua capacidade de atendimento ao mercado. Segundo o gerente de marketing para a América do Sul, Adriano Monaco, a realização do evento ocorreu em momento propício, com a empresa em franca ascensão no segmento do agronegócio, que já representa 50% das suas vendas totais, ao lado do setor da construção, que ainda domina os demais 50% do mercado. “O nosso diferencial está no desenvolvimento de soluções customizadas, que atendem integralmente às necessidades dos clientes”, completou.

INDECO

O lançamento de tesouras e rompedores foi uma das atrações da Indeco no evento

A empresa italiana apresentou uma linha de produtos para demolição e reciclagem, tendo à frente o lançamento do rompedor HP2750 FS. Apresentado como um martelo médio, o equipamento é indicado para aplicações como demolições de edifícios, escavação em áreas urbanas e demolição em pedreiras. “O rompedor pode ser utilizado em escavadeiras com esteiras com peso do martelo em condições de trabalho de 1.690 kg e 3.700 joules de energia”, especificou Luiz C. Ginefra Toni, diretor da empresa no Brasil. A marca também exibiu tesouras hidráulicas, pulverizadores de concreto, placas compactadoras, garras selecionadoras e braços posicionadores, além de um equipamento multifunção voltado para o segmento de demolição e reciclagem. “Esses produtos são frutos de pesquisa e desenvolvimento, resultando em materiais mais leves e resistentes.”

Sobre as perspectivas de mercado, Toni lembrou que o país acaba de vivenciar cinco anos seguidos de crise, de modo que “a expectativa para os próximos anos é de uma estabilidade lenta, [com retomada] mais gradual”.

JCB

Na JCB, a escavadeira JS130LC ganhou destaque com reforços adicionais na estrutura

A fabricante britânica promoveu três lançamentos e anunciou novos investimentos no Brasil. Da classe de 20 toneladas, a escavadeira JCB JS130LC puxou a fila ao trazer reforços adicionais em sua estrutura superior, além de opcionais como assento com suspensão pneumática e uma segunda câmera para visibilidade total. Equipado com motor Dieselmax de 100 hp, o lançamento também oferece novos sistemas hidráulico e de controle. “A categoria de 20 toneladas responde por 20% do mercado de escavadeiras, mantendo-se assim como uma tendência hegemônica no segmento”, comentou o gerente de produtos para a linha pesada, Etelson Hauck. A empresa também ampliou o portfólio nacional com a minicarregadeira SSL 250 e a miniescavadeira 55Z, além de apresentar conceitos como a Hydradig, uma escavadeira de rodas projetada para ambientes urbanos congestionados, e a Piling Master, um equipamento sobre retroescavadeira voltado para atividades de perfuração, em especial em obras civis que demandam grande mobilidade.

Em relação ao ciclo de investimentos no Brasil, que no triênio 2015/2018 incluiu R$ 70 milhões, foi renovado até 2021 com a injeção de mais de R$ 40 milhões nas operações locais. “Desde 2012 o investimento na fábrica foi de 450 milhões de reais, um dos maiores da história da empresa”, disse José Luiz Gonçalves, presidente para o mercado brasileiro e América Latina. “Isso representa um claro sinal da importância do mercado brasileiro, que ainda enfrenta desafios, mas já vive um grande momento de crescimento.”

JOHN DEERE

Com base no conceito de construção de precisão, a John Deere apresentou uma Central de Monitoramento

Com base no conceito de construção de precisão, a fabricante apresentou na M&T Expo 2018 sua Central de Monitoramento, além de ferramentas que permitem a conexão e a interação de dados. Para que a análise e interpretação de dados emitidos dos equipamentos aconteçam, é necessária a integração do software da empresa, o JDLink – que permite o gerenciamento das operações da máquina de qualquer lugar – com a ferramenta Service Advisor Remote, que permite a realização remota de diagnóstico e a análise de dados de desempenho do equipamento. “A combinação dessas soluções permite fazer uma interação em tempo real com o equipamento, captando informações para tomar decisões”, comentou o diretor de vendas da divisão de construção para Brasil e América Latina, Roberto Marques. “Ou seja, temos aqui uma ferramenta de conexão e interação em tempo real.”

Outros lançamentos realizados na feira incluíram as escavadeiras 210G LC ME e 350G LC ME, preparadas para trabalhos em ambientes de alta demanda, especialmente em aplicações severas. “Os equipamentos têm todo o material rodante reforçado, a parte da lança e do braço também é heavy duty, além de apresentar alta velocidade e torque de giro”, detalhou Marques. Durante o evento, a fabricante também anunciou o início da nacionalização das motoniveladoras 620 G (novidade da marca), 670 G e 770 G, que a partir de 2021 passam a ser produzidas na fábrica de Indaiatuba (SP), completando assim o portfólio de produtos fabricados localmente.

KOBELCO

Além de compactos, a Kobelco destacou a nova escavadeira SK210LC-10, da Geração 10

A fabricante japonesa destacou na feira a escavadeira SK210LC-10, que integra a Geração 10 e promete uma redução de 19% no consumo de combustível. “O novo sistema de fluxo interno do braço controla com mais eficiência a vazão do fluído hidráulico, com significativa diminuição na resistência direta e queda de pressão, melhorando a eficiência de combustível”, explicou o vice-presidente da divisão de escavadeiras, Katsuhiko Morita. “Já o motor de duto comum com controle eletrônico possui injeção de combustível e injeção múltipla de alta pressão, com precisão aprimorada.”

Além da redução no consumo de combustível, a linha promete maior facilidade de manutenção, além de contar com o sistema de monitoramento remoto Kobelco Monitoring Excavation System (KOMEXS), que utiliza comunicação por satélite e pela internet para retransmissão de dados, podendo ser utilizado em áreas onde outras formas de comunicação sejam difíceis ou inviáveis. “Quando uma escavadeira estiver equipada com este sistema, os dados de operação da máquina, como horas de operação, localização, consumo de combustível e estado de manutenção, podem ser obtidos de maneira remota”, disse o gerente de negócios para a América Latina, João Luís Oliveira, destacando que a empresa tem como objetivo aumentar a rede de distribuição local. “Pretendemos criar uma rede de suporte ao produto, com a disponibilização principalmente de peças de reposição em diversas regiões brasileiras”, acrescentou.

KOMATSU

A fabricante japonesa deu destaque ao lançamento da marca neste ano no Brasil, a motoniveladora GD535-5, além de mostrar atrações como o trator de esteiras D61EX-23M0 (preparado para aterro sanitário), a pá carregadeira de rodas WA320-6 (preparada para aplicação em fertilizante), a escavadeira PC200-8M0 (em conjunto de opcionais como o cabeçote Harvester 370E e o rompedor hidráulico Montabert V1800) e a escavadeira PC350LC-8 (com caçamba HPX).

A Komatsu deu destaque à motoniveladora GD535-5, lançamento da marca neste ano no Brasil

Com peso operacional de 15 toneladas, o lançamento destaca-se pelo motor SAA6D107E-1 com potência líquida de 151 hp e lâmina de 3,71 m. A motoniveladora também traz transmissão powershift 8F-4R de modo duplo, acionamento direto e conversor de torque com mudança automática de marchas e função de prevenção de estol do motor.

Além dos equipamentos de construção, a empresa divulgou seu portfólio de mineração, ainda mais robusto após a aquisição da Joy Global e seus produtos para operações subterrâneas. “Já temos mais de 400 equipamentos operando no Brasil”, destacou o diretor da divisão, Guilherme Santos. “E a tendência é de um crescimento muito forte, com uma maior estabilização dos preços das commodities e um mercado mais estável.”

Outro ponto de destaque da fabricante foi a divulgação da divisão Forest, uma linha com oito modelos que inclui harvesters, forwarders e cabeçotes, além da atuação do Banco da marca. “A exportação já foi mais significativa, sendo que hoje temos 20% da demanda direcionada para o Cone Sul, com o resto do mundo atendido diretamente do Japão”, frisou o presidente do Banco, Carlos Eduardo Ribeiro.

KUBOTA

Os motores a diesel compactos foram o centro das atenções no estande da Kubota

Uma das principais fabricantes mundiais de motores a diesel compactos, a empresa japonesa participou da M&T Expo 2018 com quatro modelos que oferece no Brasil por meio de seus dois representantes, Center Bob e Nilcap, ambos localizados em São Paulo. Segundo a empresa, os propulsores podem equipar máquinas agrícolas, de construção e industriais, além de geradores de energia, torres de iluminação, soldadoras e equipamentos para jardinagem. A empresa, disse a gerente de marketing Carolina Pham, é reconhecida por ser a primeira fabricante a cumprir os regulamentos internacionais sobre emissões para motores com menos de 25 hp. Além disso, para satisfazer às necessidades de uma variedade de setores industriais, a companhia criou uma gama com potências de até 86,4 kW com diversos combustíveis, como diesel, gasolina e gás natural na mesma plataforma. “A maior vantagem dos motores da marca é a tecnologia para responder às necessidades ambientais e a engenharia de aplicação”, disse ela.

Dentre os motores disponíveis no Brasil destacam-se o D722 E4B Super Mini, com 3.600 rpm, e o D1105-E4B, com 3.000 rpm. Ambos possuem três cilindros, sistema de combustão IDI e de admissão aspirado. Sobre o mercado, a gerente afirmou não ter informações atualizadas sobre a venda dos motores Kubota no país.

LAGUNA PNEUS

A Laguna Pneus divulgou a marca Gripmaster de pneus radiais para o segmento OTR

Com mais de 12 anos no mercado de pneus OTR para maquinários pesados, a empresa juntou-se à marca Gripmaster para apresentar a linha radial ao segmento fora de estrada. “A Gripmaster é uma das únicas marcas do mundo a ter pneus radiais para o segmento OTR, além de esteiras de borracha”, afirmou a coordenadora de marketing, Thayanne Fiorin. Como representante oficial da marca Gripmaster, a companhia mantém um portfólio amplo para que atender a diversos segmentos OTR, incluindo equipamentos como empilhadeiras, tratores agrícolas, caminhões de mineração e minicarregadeiras.

Especialmente para o evento, foi apresentada a solução 3S, uma tecnologia norte-americana de preenchimento para todos os tipos de pneus fora de estrada, desenvolvida para operações pesadas e resistente a corte e perfurações. “Com essa solução, os pneus podem transitar sobre vidrões, pregos, pedras e metais”, assegurou Thayanne Fiorin. “A 3S Solution transforma qualquer tipo de pneu fora de estrada pneumático em sólido, ou seja, essa solução faz com que esses pneus não furem, trazendo maior durabilidade, além de reduzir os custos com manutenção.”

LIEBHERR

Na M&T Expo 2018, a Liebherr buscou destacar alguns produtos que já estão consolidados no mercado brasileiro. A escavadeira R954 C SME foi um exemplo disso. Integrando a classe intermediária de 60 toneladas, o modelo “Super Mass Excavation” traz carro inferior mais robusto e utiliza contrapeso maior que o modelo convencional, o que permite a utilização de uma caçamba maior sem perda da estabilidade da máquina. “Esse equipamento obtém uma produção maior com menor consumo de combustível”, disse a coordenadora de marketing, Tatiana Bielefeld, destacando o mercado-alvo do produto. “Essa escavadeira tem atuação de destaque em um nicho específico, com ótimos resultados, por exemplo, na exploração de agregados de grandes pedreiras em São Paulo”, afirmou.

Além de escavadeiras e guindastes, a Liebherr divulgou sua linha nacional de betoneiras de 5 m³ a 12 m³

Na área externa, a empresa expôs ainda o guindaste móvel LTM 1250-5.1, adquirido pela Guindastes Tatuapé. Segundo Tatiana Bielefeld, o guindaste possui chassi All-Terrain, indicado para o uso combinado on e off-road. Para fechar a participação, a fabricante também deu destaque especial aos 30 anos de produção de betoneiras no Brasil, levando ao o evento uma máquina comemorativa da conquista. “Ao longo desse período, já fabricamos em torno de 12 mil betoneiras”, ressaltou a coordenadora. Com uma linha nacional de betoneiras de 5 m³ a 12 m³, a empresa lançou em 2017 o sistema EMC-BR, “que permite uma redução no desgaste do tambor, programando a rotação por minuto, o que ademais possibilita uma redução significativa do consumo de combustível”.

LINK-BELT

A Link-Belt ressaltou modelos de 18 e de 21 t da série X3E de escavadeiras

A presença da letra E no nome da nova série de escavadeiras da empresa indica “evolução”. Pois a série X3E, apresentada na M&T Expo, se propõe justamente a isso. “Em relação à anterior, essa nova série traz várias frentes de evolução”, afirmou o gerente de suporte de produto e ao cliente, Guilherme Borghi. Entre as vertentes de desenvolvimento dos novos equipamentos, ele citou o aumento da produtividade e da eficácia – decorrentes de características como “inteligência hidráulica” e controle proporcional de fluxo –, além da redução simultânea do consumo, propiciada por mecanismos de redução da rotação do motor e marcha-lenta automatizada. “Com elementos como cabine ROPS/FOPS, câmera de ré e lança HD (heavy duty), também obtivemos mais segurança e maior durabilidade”, complementou o executivo, destacando ainda que a empresa já comercializa no Brasil os modelos de 18 e de 21 t da nova série. “No primeiro quadrimestre de 2019 chegará o modelo de 36 toneladas”, garantiu.

Recentemente, a fabricante atingiu a marca de 500 unidades vendidas no mercado brasileiro, onde seus equipamentos são utilizados principalmente na construção civil, terraplanagem, mineração de menor porte e agronegócio. Em 2018, a empresa atingiu um volume de negócios no Brasil similar ao do ano anterior. “Acreditamos que 2019 será um ano de crescimento, com mais obras de infraestrutura, implementadas principalmente através de PPPs”, projetou Borghi.

LIUGONG

Destaque na feira, a escavadeira 922E está entre os produtos mais demandados do portfólio da LiuGong

Em vez de anunciar um novo produto, a empresa chinesa priorizou a divulgação da fabricação local de dois equipamentos que estão entre os mais demandados em seu portfólio: a pá carregadeira 835H e a escavadeira 922E. Produzidos desde o final do ano passado na fábrica de Mogi Guaçu (SP), essas duas máquinas agora podem ser adquiridas com a opção de financiamento do Finame. “Ambas as máquinas se adaptam muito bem à realidade brasileira”, observou Hebert Francisco, gerente de produto da empresa.

Com peso operacional padrão de 22 t, a escavadeira 922E traz motor Cummins e tecnologia IPC (Inteligent Power Control), que monitora a rotação do motor e outros parâmetros para corrigir esforços não percebidos pelos operadores. Já a pá 835H, cuja caçamba pode variar entre 1,7 m3 e 2,3 m3, vem ganhando espaço na agropecuária nacional, mas – de acordo com Francisco –, a maior penetração ainda se dá na construção civil, com um significativo volume de vendas em licitações realizadas por prefeituras. Em 2018, a operação brasileira da companhia elevou suas receitas em cerca de 80%, relativamente ao ano anterior. Parte importante dessa expansão deve ser creditada à reformulação da rede comercial, agora composta por nove distribuidores capazes de atender todo o país. E, agora, a empresa tem mais novidades para o mercado. “Para 2019, começaremos a trazer ao Brasil nossos equipamentos compactos – como minicarregadeiras e miniescavadeiras –, além de retroescavadeiras”, antecipou o profissional.

MANITOU

Sem rodeios, o diretor da fabricante para o Brasil e América Latina, Marcelo Bracco, define o manipulador telescópico MT 420 como “o menor manipulador do mercado”. Lançado durante o evento, o novo equipamento possui altura máxima de 4,30 m e capacidade de carga de 2 t, trazendo tração nas quatro rodas e sendo capaz de realizar giros com raios inferiores a 3 m. “Esse conjunto de características potencializa seu uso em diversas atividades de manipulação de cargas em áreas confinadas”, acrescentou o executivo, destacando que, proporcionalmente, o Brasil ainda é o mercado latino-americano com o uso menos intenso de manipuladores. “É uma questão cultural, que hoje buscamos mudar”, ressaltou. “Até aqui, estamos tendo mais sucesso nessa tarefa no agro que na construção.”

Apresentado como o menor do mercado, o manipulador telescópico MT 420 foi destaque da Manitou

Mesmo assim, a operação brasileira da empresa dobrou seu faturamento a partir da inauguração, em 2016, de uma fábrica em Vinhedo (SP), a partir da qual exporta produtos para diversos países latino-americanos. Por enquanto, a fábrica produz apenas um modelo de 18 m de altura, com índices de nacionalização superiores a 70%, tanto em peso quanto em valor (e, portanto, capaz de atender aos critérios de aquisição por meio do Finame). O equipamento produzido no Brasil é destinado à construção, mas já existem análises – ainda embrionárias – para a produção local de um manipulador voltado para a mineração. “Nos demais países da América Latina a mineração é o setor que mais demanda manipuladores telescópicos”, justificou Bracco.

MANITOWOC

A empresa destacou sua nova linha de guindastes todo terreno de cinco eixos da marca Grove, uma das quatro que a empresa controla – as outras três são Manitowoc, National Cranes e Potain. “Uma grande vantagem dessa linha é que vários componentes – como guincho auxiliar e contrapesos – são intercambiáveis, sendo possível colocar o componente de um guindaste maior em outro menor e vice-versa”, destacou Renê Porto, diretor de vendas da empresa no Brasil.

 

A Manitowoc destacou sua nova linha de guindastes AT de cinco eixos da marca Grove

Com capacidades entre 150 e 250 t, os novos guindastes têm suspensão independente e curso maior – graças a uma tecnologia patenteada denominada Megatrak –, garantindo melhor movimentação em terrenos mais acidentados. “Antes, a linha já contava com equipamentos de cinco eixos, mas esses novos produtos trazem evoluções expressivas, pois têm apenas um motor ao invés de dois, tornando o projeto mais eficiente e melhorando a capacidade de carga”, ressaltou Porto.

Os equipamentos também apresentam uma nova funcionalidade do sistema de controle CCS, ademais, presente em diversas máquinas da marca. Denominada Maxbase, a solução calcula automaticamente as aberturas das patolas, de forma assimétrica, em ambientes em que não é possível abri-las totalmente. Como outros profissionais, Porto acredita que 2019 ainda será um ano de ajustes na economia brasileira, mas também pode marcar um início de recuperação mais acentuada dos mercados no qual a fabricante atua. “A mineração já começou a se recuperar e o próximo setor a retomar deve ser o petróleo”, projetou.

MÁQUINA SOLO

Martelos vibratórios da Ice e britadores de impacto da Rubber integraram a participação da Máquina Solo

Com foco em três de seus principais mercados, a distribuidora sediada na Grande São Paulo levou novidades para a M&T Expo para os segmentos de fundações e geotecnia, mineração e meio ambiente. Para o primeiro, a empresa apresentou novos martelos vibratórios para cravação e extração de estacas metálicas da marca holandesa Ice. Para a mineração, por sua vez, o destaque foi para os britadores de impacto da Rubber Master. “São britadores móveis e compactos, para alta produção de agregados, que trabalham com um conceito focado na simplicidade integral do uso, da operação à manutenção”, ressaltou Maycon Pereira, diretor da empresa. Já para o mercado do meio ambiente Pereira qualifica o produto exibido como “uma grande inovação”. No caso, as usinas compactas para reciclagem de resíduos de construção civil e demolição da marca Komplet Latina. “No mercado, há apenas usinas grandes e essas são compactas, ideais para prefeituras de municípios menores”, comentou. “Inclusive, já vendemos para cinco prefeituras.”

Essa solução compacta para reciclagem de resíduos de construção é um dos fatores que leva Pereira a projetar um ano de expansão nos negócios em 2019. “Aposto bastante nesse equipamento, pois a reciclagem é uma necessidade”, argumentou. “Também a mineração deve crescer, pois é um dos pilares atuais da economia brasileira. E mesmo a construção civil deve começar a reaquecer-se em 2019, porém mais intensamente em 2020.”

METSO

A Metso apresentou a série de britadores cônicos MX, que trabalha com dois princípios de ajustes

A fabricante apresentou a série de britadores cônicos MX, que – relativamente a seus produtos anteriores para o segmento – traz o marcante diferencial de trabalhar com dois princípios de ajustes: pelo bojo e por pistões hidráulicos. “Nossa série anterior de britadores cônicos só permitia o ajuste pelo bojo, não havia a possibilidade do autojuste durante o processo, que decorre do ajuste pelo pistão hidráulico no eixo principal”, detalhou Hugo Athayde, coordenador de vendas de equipamentos e peças para agregados da empresa. Contando com equipamentos totalmente automatizados, até agora a série MX trazia apenas o modelo MX4 (equipado com motor de 400 hp), mas acaba de ser complementada com o modelo MX3, acionado por um motor de 300 hp. “A tecnologia dessa nova série provou plenamente seu potencial técnico e está sendo muito bem-aceita”, sublinhou.

Ingressando em um novo mercado, a Moba mostrou soluções de automação para gestão de resíduos sólidos

A companhia finlandesa também exibiu uma peneira de alta frequência, indicada para uso com telas com aberturas inferiores a 1 mm para peneiramento de materiais finos e secos, como areia de brita e finos para remineralização de solos. “Também trouxemos o britador de rolo HRC8, uma tecnologia comumente usada na mineração, mas que tem apresentado excelente performance também nos agregados”, complementou Athayde. Em 2018, ele calcula um volume de negócios similar ao obtido no ano anterior, talvez com leve crescimento. Mas, para 2019, as projeções são bem mais otimistas para o mercado brasileiro de agregados. “Creio em um cenário com mais negócios, pois há um grande represamento de obras de infraestrutura no Brasil”, completou.

MOBA

Já presente em setores como a construção, a multinacional alemã de automação marcou seu ingresso também no mercado nacional dos resíduos sólidos, levando soluções como pesagem embarcada para caminhões, sensores de enchimento de contêineres e RFID para leitura de tags. No Brasil, aliás, o mercado de automação da gestão de resíduos ainda é incipiente. “Mas há perspectivas de crescimento, não só pelas exigências da legislação, mas também porque as empresas de coleta que atendem a comércio, indústria e hospitais interessam-se cada vez mais em identificar os geradores, cobrar por peso e otimizar as rotas”, comentou Patrícia Herrera, gerente da operação brasileira. “E possuímos muitas soluções para agilizar esses processos.”

No Brasil, prossegue a executiva, também há um grande potencial de geração de negócios em outros setores. “Existem muitas oportunidades na construção, um mercado para o qual estamos trazendo soluções simples e mais baratas, como a Moba-Matic, para controle do nível de pavimentação”, exemplificou. “Temos ainda uma solução que suaviza as irregularidades do asfalto, evitando que se aplique erroneamente o asfalto.” Para ela, se 2018 foi um ano “fraco” em termos de geração de negócios – apesar da demanda satisfatória nos primeiros seis meses –, o ano de 2019 traz melhores perspectivas. “Até já fechamos alguns projetos depois da eleição”, revelou.

NEW HOLLAND

Junto a vários outros equipamentos, a marca mostrou uma versão conceito da retroescavadeira B95B, abrindo um novo mercado de trabalho até então inatingível para operadores com mobilidade reduzida.

A New Holland divulgou a versão conceito da retroescavadeira B95B adaptada para operadores com mobilidade reduzida

Desenvolvido na planta de Contagem (MG) em parceria com a empresa B95, o modelo Acessível conta com uma plataforma de elevação para acesso à cabine e um joystick, que comanda os movimentos necessários para realizar o embarque/desembarque. Além disso, os suportes de mão e dispositivos internos foram reposicionados, enquanto os de aceleração e freio foram transferidos dos pedais para as mãos. “Foram anos desafiadores em que ficamos avaliando o que fazer quando o mercado voltasse”, afirmou Nicola D’Arpino, diretor executivo e vice-presidente de vendas e marketing na américa Latina. “Desse modo, começamos então a pensar nessas soluções e inovações que apresentamos na M&T Expo.”

A empresa também mostrou tecnologias wireless, de conexão sem fio para máquinas de construção, e de biometria e acessibilidade, que permite acessar a cabine e ligar o motor da pá carregadeira W190B sem precisar de chave, além da ferramenta On Board Diagnostics (OBD), uma ferramenta de diagnóstico que acessa diversas informações de funcionamento da máquina, como motor, transmissão e variações de temperatura, exibindo-as no smartphone. Outro destaque apresentado foi o Termovisor, um recurso conceito capaz de enxergar o comportamento térmico de cada componente, permitindo detectar de forma preditiva pontos de falha sem a necessidade de desmontar o equipamento. Compartilhando o estande, a New Holland Agriculture divulgou seu trator agrícola T7, com sistema de agricultura de precisão de fábrica. “Os mesmos valores de marca da construção são adotados, no sentido de disponibilidade e aumento da produtividade, são compartilhados por nós”, disse Eduardo Kerbauy, especialista em desenvolvimento de produto para o segmento agrícola da fabricante.

RITCHIE BROS.

Uma das maiores leiloeiras de equipamentos pesados e caminhões do mundo, a empresa também marcou presença na M&T Expo 2018. Com operações em 12 países e mais 40 sites de leilões, a empresa faturou US$ 4,5 bilhões em equipamentos pesados em 2017, tendo realizado mais de 400 leilões públicos não reservados. Segundo Joaquim Leal, representante da empresa no Brasil, em 2018 a leiloeira decidiu ter uma presença mais ativa no país. “Agora, a novidade é a possibilidade de realizar grandes eventos aqui, como o Feirão de Seminovos, em parceria com a Sotreq e a Pesa, concessionárias da Caterpillar, que ocorreu em 25 de agosto”, disse.

Leiloeira de equipamentos pesados e caminhões, a Ritchie Bros. anunciou a realização de eventos no país

Na ocasião, descreveu executivo, mais de 360 equipamentos foram oferecidos, dos quais 100 foram comprados, metade deles no Brasil, por meio da solução de vendas on-line Marketplace-E, que oferece aos revendedores um maior controle sobre o preço e o processo de comercialização. “O evento atraiu licitantes de 23 países”, ressaltou. Segundo ele, a expectativa para 2019 é de aumentar consideravelmente a penetração no mercado brasileiro. “Isso vai se refletir no aumento de nossa estrutura no país, com a contratação de uma pessoa de nacionalidade brasileira para colaborar comigo”, adiantou o executivo português. “O objetivo é dar mais suporte e ter maior proximidade com as empresas brasileiras, que procuram estruturar frotas ou soluções para equilibrar seus parques de equipamentos.”

ROMANELLI

Além de um secador de solos, a Romanelli ressaltou a linha E-Flow, com o espargidor EHR-700 e a usina UHR-900

Um dos principais lançamentos da marca na feira foi um secador de solos, utilizado para retirada da umidade em obras de terraplenagem e infraestrutura. O equipamento apresenta uma enxada rotativa de alta performance, para desagregar e carregar a câmara de secagem de produto. “Dessa forma, proporciona boa velocidade de trabalho e produtividade”, garantiu Douglas Bussadori, especialista em pós-venda da empresa. De acordo com ele, a máquina possui um sistema de captação do material que reduz a umidade com o calor. “O sistema de secagem se dá através de ar quente forçado e por serpentina de óleo térmico aquecido, em contato direto com o material”, explicou.

O ar saturado de umidade é então desviado por uma chaminé de exaustão distinta da descarga de produto, evitando assim a contaminação do ar úmido com o solo já seco. Segundo a empresa, o secador de solos também pode ser utilizado para secagem de resíduos de leitos de secagem em tratamento de esgoto, assim como no combate a fungos de solo em áreas de plantio de diversas culturas, como áreas de reflorestamentos.

A fabricante também apresentou na feira a linha E-Flow, composta pelo espargidor EHR-700 e a usina de micro revestimento UHR-900 – de 18 m³. “Toda a linha tem redução de material betuminoso, controles de rotação e sistemas via GPS”, informou Bussadori. Em relação ao mercado, o executivo acredita que as perspectivas de vendas para os próximos meses são boas. “O volume de negócios melhorou consideravelmente nos 60 dias que antecederam a realização da M&T Expo”, posicionou. “E isso, é claro, deixa-nos otimistas em relação a 2019.”

ROSSETTI

A Rossetti apresentou na feira seus semirreboques de três eixos para mineração, com 54 e 70 t de carga

Em mais uma participação, a empresa apresentou na feira seus semirreboques de três eixos, com 54 e 70 t de carga e voltados para o mercado de mineração. Segundo a fabricante, os equipamentos possuem uma série de características vantajosas, como a caixa de carga, por exemplo, que é constituída por aço resistente a abrasão, porta embutida, rampa de descarga e trinco pneumático. “Além disso, a suspensão autodirecional dos semirreboques conta com sistema de rolamentos com duas carreiras de esferas, quatro amortecedores e suspensão pneumática, enquanto a suspensão mecânica possui eixos de parede tubular e molas semielípticas com capacidade de 13 t, sapatas de mola fundida e soldada diretamente ao eixo”, descreveu o diretor Daniel Rossetti.

Já o inclinômetro digital de série impede o basculamento em ângulos críticos e, segundo Rossetti, torna a operação mais segura, reduzindo riscos de tombamento. “A lanterna traseira em LED tem boa luminosidade, compatível com todos os modelos de veículos tratores”, acrescentou o executivo, para quem as vendas de caçambas para os setores de mineração e transporte rodoviário tiveram resultados melhores em 2018 que no ano anterior.

A Sandvik divulgou tecnologias para britagem e perfuração, além de peças, serviços e aftermaket

“As mineradoras e transportadoras já começaram a renovar as frotas de caminhões”, argumentou Rossetti. “No setor de construção, no entanto, os números ainda não reagiram. Mas se houver uma retomada em obras de infraestrutura no 1º semestre, a perspectiva é que tenhamos um salto de 50% nas vendas.”

SANDVIK

A Sandvik participou da M&T Expo para consolidar sua presença nos mercados latino-americanos de mineração e construção, setores para os quais apresenta diferentes soluções. A empresa mostrou na feira tecnologias para a área de britagem, equipamentos de perfuração, soluções de automação e digitalização, além de peças, serviços e aftermaket. “Essas tecnologias são focadas na redução de custo das empresas usuárias”, comentou Adler Pigozzo, gerente de ferramentas de perfuração para o Brasil. “Quanto mais retilíneo for executado um furo, mais econômico será para a empresa que o realiza.”

Os top center bits estão entre as principais novidades em brocas de perfuração apresentadas pela marca, que afirma ter reinventado o design da face do bit para entregar melhorias em durabilidade, segurança e produtividade, especialmente na aplicação em rochas abrasivas. O produto está disponível em 43, 45 e 48 mm, com uma nova classe de carbeto – o GC80 –, projetado para permitir o aumento da resistência exterior a desgastes, enquanto garante a dureza com um núcleo macio. “Dessa maneira, torna-se uma ferramenta ideal para rochas abrasivas”, disse Pigozzo. Segundo ele, o elevado desempenho da solução também está relacionado à elevação dos botões dianteiros alguns milímetros acima dos botões do medidor, localizados na periferia da broca. “A dianteira elevada dá lugar para mais insertos, o que protege o medidor contra o desgaste, aumentando a vida útil da broca”, afirmou. “Além disso, o equipamento possui furos de limpeza maiores e ranhuras reforçadas.”

SANY

As escavadeiras SY500H e SY750H para mineração ganharam destaque no estande da Sany

O marasmo causado pela crise nas vendas de equipamentos para construção no Brasil fez a fabricante chinesa repensar sua estratégia e redirecionar seu foco para o mercado de mineração. Nessa linha, a empresa levou à M&T Expo as escavadeiras SY500H e SY750H, nas faixas de 50 e 75 t, respectivamente, para trabalhar com minério. Segundo Alex Chiao, vice-presidente da empresa no Brasil, o minerador brasileiro tem confiança na marca. “Algumas minerações já trabalham com 20 equipamentos da marca na frota”, ressaltou, elencando itens como produtividade e custo x benefício como diferenciais dos produtos, além de manutenção facilitada devido ao rápido acesso aos componentes. “No estado de Minas Gerais há mineradoras com máquinas que já completaram 12 e 13 mil horas trabalhadas sem apresentar qualquer tipo de problema, além das manutenções e desgastes previstos”, citou. “Além disso, são máquinas que possibilitam ganho adicional de 15% em produtividade e 10% em redução de consumo.”

Além das escavadeiras de mineração, a empresa levou à feira uma escavadeira na faixa de 15 t – a SY155H, pela primeira vez exportada pela China. Aliás, se a mineração tem impulsionado os negócios da empresa no país, o setor de construção também já mostra sinais de recuperação. “Em 2018 houve certa reação nas vendas, com muitas consultas tanto para construção como para mineração”, disse Chiao. “Assim, a previsão é de aumento de 10% nas vendas em relação a 2017.”

SDLG

Com os modelos L938 e L958F, a SDLG lançou pás carregadeiras com freios em banho de óleo

Com um pós-venda consolidado, a marca lançou na M&T Expo dois modelos de pás carregadeiras com freios em banho de óleo: a L938 e a L958F. Segundo a empresa, as carregadeiras L938 têm motor diesel turbo alimentado, prometendo curva elevada de torque e baixo consumo de combustível, enquanto a transmissão traz conversor de torque hidráulico para melhor aproveitamento da potência e força de tração. Segundo Gilson Capato, diretor comercial da Volvo CE Latin America, que controla a marca, são equipamentos aperfeiçoados e que proporcionam bons índices de produtividade, atrelados à fácil manutenção. “O modelo L938 possui transmissão com conversor de torque hidráulico, que garante melhor aproveitamento de potência e maior força de tração”, disse o executivo. “A máquina tem motor diesel turbo alimentado, oferecendo uma considerável curva de torque hidráulico e baixo consumo.”

Já o modelo L958F, de 5 toneladas de carga operacional na caçamba, possui cabina 20% maior que a do modelo anterior, além de trazer um novo trem de força com transmissão PowerShift, gerando eficiência de combustível até 8% maior que sua antecessora. Ainda de acordo com Capato, os serviços oferecidos pela marca também estão em evolução. “Isso tem contribuído decisivamente para aumentar a disponibilidade dos equipamentos e melhorar a rentabilidade no canteiro de obras”, afirmou. “A rede de distribuição já possui unidades de atendimento em todos os estados brasileiros e na América Latina, com oferta de suporte técnico e peças originais.”

A SEM destacou a motoniveladora 919, um modelo de entrada para aplicações de suporte

SEM

Durante a M&T Expo 2018, a marca chinesa promoveu o lançamento para a América Latina da motoniveladora 919, um modelo de entrada mais simples, equipado com alavanca e que promete maior facilidade na manutenção. Com peso operacional de 15 t e potência bruta de 140 kW, o equipamento oferece profundidade máxima de corte de 715 mm, levantamento acima do solo de 475 mm e tombamento máximo da lâmina de 40º e 50, para frente a para trás, respectivamente.

Equipado com motor Perkins, o produto é indicado para aplicações de suporte, com foco em segmentos de entrada que a Caterpillar – controladora da marca – não atuava antes. “Dentro de uma estratégia multimarca, a proposta de valor desse equipamento é diferente, voltado para clientes diferentes”, comentou o gerente comercial Cristiano Trevizam. “Além disso, conta com o suporte da Sematech, que integra a Sotreq e está preparada para atender o mercado latino-americano.”

SKYJACK

Além de modelos a diesel e tesouras, a Skyjack mostrou a plataforma articulada SJ85AJ 4x4

Na linha de mastros e tesouras elétricas, a fabricante canadense levou à M&T Expo equipamentos com alcance de

8, 10, 12 e 14 m, além de plataformas de trabalho aéreo a diesel. Com 85 pés, o modelo SJ85AJ 4x4 foi uma das novidades da empresa no evento, além de opções com 46, 63 e 85 pés, articuladas e a diesel. “Tentamos produzir modelos de equipamentos com simplicidade, que possam ser facilmente assimiláveis, sempre pensando no mercado de locação”, explicou José Sommariva, diretor da empresa para a América Latina. De acordo com ele, equipamentos como esse perfil são os mais procurados em empresas de rental. “Além disso, eles possuem preço mais competitivo, baixo custo operacional e bom valor de revenda”, complementou.

Vale destacar que vários modelos de equipamentos da marca utilizam os mesmos componentes, de forma a reduzir o número de peças de reposição necessárias para a manutenção. Na perspectiva da fabricante, a utilização de peças de prateleira – em oposição às peças customizadas – faz com que a substituição e a reparação dos componentes se tornem mais fáceis e baratas. Produzidas no Canadá, as plataformas da marca possuem dois anos de garantia total e cinco de garantia estrutural. No Brasil, a fabricante fornece diretamente para empresas locadoras especializadas nesse segmento. “Estamos otimistas com o Brasil, que está se reestabelecendo de uma grave crise e ainda tem muito a investir em infraestrutura”, comentou o executivo. “Em comparação ao anterior, o ano de 2018 foi melhor para as vendas, mas acreditamos que uma melhora ainda maior ocorrerá em 2019.”

SSAB

Para atender ao mercado de equipamentos da Linha Amarela, a siderúrgica sueca SSAB apresentou-se na M&T Expo 2018 com suas chapas de aço especiais voltadas para esse segmento. Na linha de aço estrutural, a empresa mostrou novidades como o Strenx 1100 Plus, um aço de alta resistência mecânica para utilização na fabricação de guindastes. “Para essa linha, desenvolvemos um novo conceito com menor adição de elementos de liga e carbono, fazendo com que esse aço tenha uma manufatura mais simples”, explicou o gerente de contas Lisandro Peliciolli.

A SSAB mostrou suas chapas de aço especiais voltadas para a Linha Amarela

De acordo com ele, o processo de corte, dobra e solda do produto é mais fácil. “Os avanços na resistência aprimorada da solda para tiras de aço contribuem para equipamentos mais leves, porém mais resistentes, com maior desempenho nos setores de elevação e transporte”, acrescentou. Já na linha de aços de resistência, a siderúrgica levou o Hardox 500 Tuf, que integra a nova geração de chapas antidesgaste para caminhões basculantes, caçambas de escavadeiras e contêineres. Mesmo com uma dureza elevada, é possível aplicá-lo na maior parte das famílias de máquinas e equipamentos, tornando-os mais resistentes ao desgaste. “Por ter uma dureza mais elevada, essa linha consegue dar uma vida útil maior às peças feitas com esse novo material, além de ter espessura reduzida, deixando o produto mais leve”, descreveu Peliciolli.

TADANO

Equipado com o sistema Lift Adjuster, o guindaste ATF 100G-4 foi a vedete da Tadano na área externa

Destaque da empresa na M&T Expo, o guindaste ATF 100G-4 é equipado com o sistema Lift Adjuster, que faz a compensação automática da flexão da lança ao elevar a carga do solo. Segundo a fabricante, essa compensação permite que a carga se afaste do solo sem balançar, garantindo maior estabilidade e suavidade no içamento, além de segurança das pessoas envolvidas na operação. O novo guindaste possui dois motores Mercedes-Benz, de 6 e 4 cilindros, com potência nominal de, respectivamente, 435 hp e 173 hp. Já a transmissão ZF-AS-Tronic 12 AS 2531 possui retarder integrado e câmbio automático, com 12 marchas dianteiras e duas traseiras. “Integrando a classe de 100 t, esse equipamento caracteriza-se pela dimensão compacta, versatilidade e tecnologia embarcada”, disse Anilton Leite, gerente de vendas da empresa.

De acordo com ele, os estabilizadores hidráulicos de quatro pontos também podem ser acionados da cabinA e nos dos dois lados do chassi. Com extensão de 11,1 a 51,2 m, a lança telescópica de seis seções conta com circuito hidráulico que permite a telescopagem com carga. Além disso, para oferecer maior segurança os modelos ATF vêm equipados com Limitador de Momento de Carga (LMD), limitação da área de trabalho, válvulas de segurança e de sustentação, interruptor de final de curso do moitão, interruptor limitador do tambor do guincho, dispositivo corta-chamas do escapamento e luzes de sinalização. Por tudo isso, Leite afirmou ter obtido feedbacks positivos dos clientes, indicando ao aumento de cotações em projetos para engenharia no último trimestre. “Percebemos uma alta quatro vezes maior que antes”, estimou. “São projetos relacionados à iniciativa privada, realizados por empresas que estão confiantes no novo governo.”

TECPOLIMER

A Tecpolimer exibiu elastômeros de alto desempenho, incluindo resinas e selantes Tecflex e revestimentos Softgel

Fabricante de material rodante com elastômeros de alto desempenho, a empresa expôs três produtos na M&T Expo 2018: o elastômero Tecflex, uma resina para preenchimento de pneus que substitui o ar, o selante Tecflex, uma resina que forma uma película líquida interna e veda furos de até 12 mm na banda de rodagem e no talão, e os revestimentos de rodas Softgel, indicados para plataformas tesoura, minicarregadeiras e roda dianteira de retroescavadeiras. Segundo o diretor da empresa, Ciro Nogueira, o elastômero Tecflex é uma “borracha” muito macia, que ocupa toda a cavidade de um pneu, pressurizando-o e substituindo totalmente o ar. “Ele não vaza por furos e rasgos, evitando paradas, além de dispensar calibragem e eliminar o risco de explosão”, garantiu. “O selante, por sua vez, é a solução mais barata para furos pequenos.”

No caso do Softgel, trata-se de um semipneu macio a prova de cortes. “É uma roda de aço com revestimento de elastômero ultrarresistente à abrasão, com furos para aumentar a maciez, em desenhos lameiros ou lisos, para diferentes tipos de pisos”, explicou Nogueira. “Chegam a durar até sete vezes mais que um pneu comum, sendo a prova de rasgos.” Quanto aos negócios, Nogueira diz que o mercado começou a reagir no 2º semestre de 2018, mas de maneira ainda tímida. “Crescemos 20% em relação ao primeiro semestre”, contou. “Mas estamos bastante otimista em relação a 2019, que deverá ser um ano bom. Assim, esperamos crescer pelo menos uns 30%.”

TEREX

A exposição da fabricante norte-americana teve foco centrado nos equipamentos de trabalho aéreo da marca Genie, além da divulgação de um guindaste de 250 ton, o AC250, e das máquinas da Fuchs. Segundo o presidente da empresa para a América Latina, Gustavo Faria, o novo S85XC (Xtra Capacity) foi o principal destaque para o mercado brasileiro e sul-americano. “A engenharia dessas máquinas está se movendo em direção a uma maior capacidade no cesto”, explicou, destacando que o modelo traz sensores aperfeiçoados, o que permite um melhor mapeamento do envelope de trabalho da máquina. “E essa máquina é uma das pioneiras nesse conceito, que será levado para outros modelos, pois as obras já estão pedindo um pouco mais de carga.”

Ao lado de outros modelos, a plataforma híbrida de trabalho aéreo Z60/34FE ganhou destaque na Terex

Exibida pela primeira vez no Brasil, a plataforma híbrida de trabalho aéreo Z60/34FE traz um sistema mais robusto, que faz automaticamente a conversão de combustão para bateria, além de oferecer opção de pneu branco e motores de tração elétricos. “Antes, os motores a diesel embarcados serviam para recarregar a bateria, pois a máquina era elétrica”, disse Faria. “Essa não, ela é híbrida mesmo, contendo um gerador que liga a bateria, mas toca a bomba hidráulica também. A qualquer momento ela é funcional.”

Sobre o mercado, o executivo mostrou confiança na recuperação. “De 2016, o pior ano da crise, para cá o mercado já melhorou bem”, avaliou. “De repente, o preço de locação de máquinas caiu, pois havia muita oferta, enquanto em outros setores – como indústria, manutenção urbana, instalações etc. – houve uma abertura de mercado que não existia antes. Esse é o mercado que está absorvendo mais da metade da frota brasileira hoje.”

No segmento de guindastes, a situação é diferente. “O cenário ainda é difícil para guindastes, vemos uma pequena movimentação em mineração, com a Vale se destacando”, posicionou o gerente de suporte ao cliente, Ricardo Beilk, revelando que em fevereiro a empresa lançará um app brasileiro que vem sendo adotado em outros países pela fabricante. “Trata-se do primeiro aplicativo de suporte técnico da My Terex com atendimento via chat, que ajudará a buscar o distribuidor mais próximo, em qualquer local do mundo”, finalizou.

THYSSENKRUPP

No estande da thyssenkrupp, a Berco exibiu soluções para melhorar o desempenho de material rodante

A Berco, que integra o grupo, destacou no evento a Nova Geração de Retentores de Esteiras que, associada ao Sistema de Retenção Positiva de Pinos, promete melhorar o desempenho do material rodante e, assim, assegurar uma vida útil maior. Segundo a empresa, essa melhoria é possível graças ao novo design do retentor e à substituição do lubrificante, o que garante que o sistema de material rodante opere em faixas extremas de temperatura de serviço, entre -40oC a +80oC. “Com esse novo conceito conseguimos ampliar a vida útil da esteira em 60% em relação ao projeto que aplicávamos anteriormente”, destacou o gerente de vendas para o Brasil, Rissaldo Laurenti Jr. “Isso contribui para reduzir significativamente o custo por hora das operações.”

Fundada na Itália há quase um século, a empresa foi adquirida em 1999 e consolidou-se no fornecimento de material rodante para maquinário pesado. Recentemente, a companhia anunciou a integração entre as unidades de negócio da Undercarriages da thyssenkrupp, que engloba as operações da Berco, e a Forging & Machining, dando vida à thyssenkrupp Forged Technologies, com receita de 1 bilhão de euros.

E foi a primeira aparição na feira com essa nova estrutura. Segundo o gerente, a M&T Expo indicou claramente uma recuperação dos investimentos, sobretudo em mineração, com uma realização efetiva de negócios. “Levaríamos dois anos para alcançar o número de clientes que conseguimos atingir durante a feira”, comemorou Laurenti Jr.

TRIMBLE

A nova plataforma Trimble Earthworks foi uma das novidades anunciadas pela empresa de tecnologia na feira

A Trimble aproveitou a M&T Expo 2018 para apresentar no Brasil o novo Trimble Earthworks, uma das sete novidades anunciadas pela empresa na feira. Segundo a empresa, trata-se do primeiro sistema automático de controle de nivelamento 3D incorporado às escavadeiras, possibilitando que os operadores criem superfícies suaves, planas ou inclinadas com mais facilidade. De acordo com Fátima Gonçalves, diretora de novos negócios no Brasil, a empresa foi pioneira no controle de máquinas. “Agora, com o Trimble Earthworks, saltamos para o próximo nível”, disse ela. “Nossa plataforma reinventa a tecnologia de controle de máquinas, facilitando o uso e o aprendizado, além de ser mais acessível para diferentes perfis de empreiteiros.”

Em relação ao mercado, a diretora lembra que “não é segredo para ninguém” que o mercado entrou em crise no final de 2013 e foi “ladeira abaixo”. “Depois disso, notamos que em 2016 ele mostrou querer ressuscitar, sendo que 2017 já foi mais favorável e 2018 bem melhor que o anterior”, descreveu. Apesar de não citar números, uma vez que as ações da companhia são negociadas em bolsa, Fátima Gonçalves revela que as vendas de uma das soluções da empresa duplicaram em 2018 em relação ao ano anterior. “Acreditamos que em 2020 vamos retomar aos níveis anteriores”, conjecturou. “O mercado está mais ativo, temos notado mais solicitações de propostas e muitas empresas novas surgindo. E a área de pedidos de softwares para projetos que antecedem as obras também cresceu bastante.”

VOLVO

Junto a outros equipamentos, a Volvo mostrou na feira seu novo caminhão rígido fora de estrada R100E

Com 16 equipamentos no estande, sendo 14 lançamentos, a fabricante sueca mostrou na feira seu novo caminhão rígido fora de estrada de 95 toneladas métricas de capacidade, o R100E, que marca o ingresso no segmento após a aquisição da Terex Trucks. Também mereceram destaque a nova linha de escavadeiras de 20 e de 22 toneladas, com os modelos EC210DL e EC210D, a nova carregadeira L260H, a vibroacabadora sobre esteiras P4820D ABG, as escavadeiras compactas ECR35D e EC55D e o caminhão articulado A60, apresentado como o maior do mundo na categoria, com 55 toneladas de carga. “Definitivamente, a tecnologia está conduzindo a mudança do setor”, disse Luiz Marcelo Daniel, presidente da marca para a América Latina.

No estande compartilhado, também foram destacados os segmentos vocacionais de caminhões rodoviários, para construção e mineração, com os modelos VM 8x2, 8x4, 6x4 e 6x2 e FMX 8x4 e 6x4. “A marca lançará modelos puramente elétricos na Europa em 2019”, adiantou Bernardo Fedalto, diretor comercial da Volvo Trucks, em sua última participação pública pela empresa. Outro ponto ressaltado do portfólio foram as soluções industriais e náuticas da divisão Penta, que conta com uma variada linha para geração de energia (de 97 a 800 kVA) e soluções off-road (na faixa de 143 a 768 kVA). Na feira, a empresa exibiu o motor TAD1344GE, de 13 l. “Em geral, são motores de 5 a 16 litros, com rotação contínua, voltados para a geração de energia, e também os chamados motores versáteis, com rotação variável, dirigidos para equipamentos e máquinas de diferentes segmentos da economia”, reforçou o vice-presidente para a América do Sul, Gabriel Barsalini. “Fabricado no Brasil, o modelo D13 é um exemplo da plataforma de desenvolvimento compartilhado de produtos, incluindo nesse rol caminhões, equipamentos da Linha Amarela e motores.”

WIRTGEN

O lançamento da nova linha de usinas de asfalto Ciber iNova foi uma das atrações do estande da Wirtgen

Com suas diversas marcas, o grupo expôs um total de 15 equipamentos no evento. Desses, sete eram novidades para o mercado brasileiro e boa parte também para o latino-americano. Os lançamentos apresentados ao público incluíram equipamentos para os segmentos de reciclagem, pavimentação, compactação, britagem de agregados e fresagem, como o modelo W 100. No entanto, um dos principais destaques foi o lançamento oficial da nova linha de usinas de asfalto iNova, representada pelos modelos 1502 e 1000. Ao todo, foram lançados quatro diferentes modelos, de 100, 120, 150 e 200 t/h. Fabricada no Brasil, a linha é exportada para toda a América Latina, além de África, Oceania e Sudeste Asiático. “A nova linha entrega a todos os nossos clientes um portfólio de usinas repleto de tecnologias únicas no mercado”, assegurou o presidente da empresa no Brasil, Luiz Marcelo Tegon.

Os equipamentos produzem de 50 t/h a 200 t/h, em uma ou duas mobilidades, além de possuírem controle automático do tempo de mistura, misturador com zona de mistura a seco e tambor secador com isolamento térmico. “As novas usinas são indicadas para diferentes tipos de projetos, pois contam com alta capacidade de produção”, comentou o especialista de produto, Marcelo Zubaran. Segundo Tegon, o ano de 2018 foi bem melhor do que o anterior em termos de negócios, com um crescimento de 50% no segmento em que a empresa atua. “Mas, em quatro anos, o setor teve uma queda de 90%”, disse. “Então, apesar de estar crescendo nesse índice, a base é ainda muito baixa. Mas para 2019 esperamos um crescimento de 50% ou mais.”

XCMG

Além de outros equipamentos de grande porte, a XCMG exibiu ao público a perfuratriz XZ280BR

Presente desde 2004 no mercado brasileiro, a fabricante chinesa de máquinas para construção e mineração mostrou na M&T Expo 2018 vários itens de sua linha de produtos, como, por exemplo, retroescavadeiras, pás carregadeiras, guindastes, rolos compactadores e perfuratrizes. Segundo Amanda Machado, especialista de novos negócios e marketing da companhia no Brasil, entre as principais novidades apresentadas na feira estão alguns equipamentos de içamento, como os guindastes de 220 t de alta tecnologia e a perfuratriz XZ280BR, para aplicação em sistemas de MND (Metodologia Não Destrutiva). “Também trouxemos a pá carregadeira MW500, lançada em 2018 e que teve muito boa aceitação no mercado”, relatou.

Em relação ao desempenho da empresa no mercado brasileiro, a supervisora afirmou que os resultados foram muito bons. “Mesmo com a crise político-econômica do país, a marca se destacou nas licitações nacionais e estaduais em todo país e mostrou que preço competitivo também está ligado à qualidade”, disse. “Apesar da situação, os resultados foram os esperados pela empresa, com o crescimento almejado.” Para 2019, disse ela, a empresa mantém a confiança no mercado, agora com novo governo. “Acreditamos na retomada da economia nacional e em um crescimento de, pelo menos, 8% em relação a 2018, que já havia sido muito melhor do que 2017.”

YANMAR

Presente em mais de 20 países dos cinco continentes, a empresa japonesa oferece múltiplas soluções para os mercados de construção, agricultura, indústria, marítimo e energia. Nesse foco, a fabricante levou à feira duas minicarregadeiras, a ViO12, de 1.200 kg, e a ViO27, de 2.700 kg. De acordo com Anderson Oliveira, supervisor de vendas para a América do Sul, ambas se destacaram no mercado brasileiro e colaboraram para que as vendas evoluíssem em 2018. Segundo ele, o modelo ViO12 chegou ao Brasil com o conceito de uma miniescavadeira eficiente para acesso a lugares restritos e com alta tecnologia englobada. “Antes do seu lançamento, não tínhamos uma máquina para esse nicho de mercado”, disse o executivo. Por sua vez, a ViO27 traz como novidade a tecnologia SA-R System (monitoramento via GPS), já inclusa como item original de fábrica, além de painel LCD. “É um equipamento com excelente custo x benefício e ótimo desempenho no tocante a consumo de combustível”, disse Oliveira.

A Yanmar levou à feira as minicarregadeiras ViO12 (de 1.200 kg) a ViO27 (de 2.700 kg)

Em termo de negócios, a empresa chegou à M&T Expo 2018 com o lastro de um ano muito bom, relatando resultados expressivos nas vendas. “Não acreditávamos que teríamos um ano bom em 2018, mas fomos surpreendidos e, no segundo semestre, tivemos um crescimento inesperado das vendas”, afirmou. “Consequentemente, fomos obrigados a fazer alguns ajustes em caráter de emergência no tocante ao estoque de máquinas.”

Para 2019, Oliveira afirmou que a empresa já tem planos de crescimento definidos e nutre boas perspectivas quanto ao mercado brasileiro, uma vez que “a economia já dá sinais de melhoria” para o ano. “Com isso, vamos ampliar nossa rede de concessionárias, fortalecendo nossas parcerias e sempre buscando soluções e inovações tecnológicas com base nas sugestões e opiniões de nossos clientes”, declarou.

 

ZF

A ZF divulgou seu novo “Pacote de Eficiência” para harmonização entre transmissões e eixos da marca

Além de seus tradicionais eixos traseiros e dianteiros, um novo “Pacote de Eficiência” que promete aumentar significativamente a produtividade foi o destaque da marca alemã na feira. Segundo o gerente da unidade de negócios para tecnologia industrial na América do Sul, Paulo Vecchia, a nova versão de seu “Pacote de Eficiência” é de fato um sistema inovador, que possibilita a perfeita harmonização técnica entre as transmissões e os eixos da marca. “Ele alia um melhor funcionamento do equipamento com alto conforto na condução, contribuindo assim para um aumento significativo da produtividade”, declarou. Desse modo, o executivo garantiu que o novo “Pacote de Eficiência” reduz o consumo de combustível de 15% a 20%, além de minimizar em 15% os custos de manutenção. “Trata-se de um produto que proporciona um aumento de 40% na produtividade do equipamento e de 60% na eficiência de combustível, tomando-se como parâmetro a quantidade de material que a máquina pode mover por litro de combustível”, destacou.

Quanto ao mercado, Vecchia disse que a empresa começou 2018 sem saber qual o caminho a seguir, mas que, no final, o ano até que se mostrou bom. “Fomos felizes nos planejamentos”, avaliou, destacando ainda que o mercado brasileiro finalmente reagiu, mostrando um aumento de confiança. “Agora, estamos trabalhando para que 2019 seja um ano ainda melhor, com novos projetos”, argumentou. “No geral, o mercado deve crescer de 8 a 10% na área de construção.

ARENA DE DEMONSTRAÇÃO ATRAI A ATENÇÃO

Novidade da edição, a Arena de Demonstração foi uma das atrações para o público

Situada na parte externa em uma área de 1.200 m², a Arena de Demonstração – uma das novidades da M&T Expo 2018 – contou com apresentações de equipamentos, implementos e acessórios lançados na feira. “Somente observando o equipamento em atividade é possível perceber o quão preciso ele é na execução das tarefas”, comentou o engenheiro Humberto Aparecido de Paula Jr.

Durante os quatro dias, a Arena recebeu soluções como pás carregadeiras, escavadeiras, motoniveladoras, rolos compactadores, retroescavadeiras, compactadores de percussão, plataformas de trabalho aéreo, compressores portáteis, placas vibratórias, caçambas, rompedores, geradores e elevadores. Cada fabricante teve quinze minutos para apresentar seus produtos. “É muito instrutivo ver os próprios fabricantes demonstrando os equipamentos”, avaliou o corretor Alberto Garufi, cuja atividade na área de seguros de obras requer o conhecimento que somente uma demonstração desse tipo pode proporcionar.

Saiba mais:

M&T Expo: www.mtexpo.com.br

 

Mais materias sobre esse tema