FECHAR
FECHAR
30 de janeiro de 2019
Voltar

SUSTENTABILIDADE

Mineiros tentam se afastar de combustíveis fósseis

Um relatório de pesquisa de Wood Mackenzie afirma que a eletrificação e a automação serão uma prioridade-chave para as empresas globais de mineração, à medida que tentam se afastar dos combustíveis fósseis
Fonte: O Petróleo

O documento Tendências Globais: o que procurar em 2019, afirma que, para alcançar tal objetivo, as grandes empresas estão empregando dados analíticos que lhes permitem melhorar a produtividade e a eficiência a baixo custo.

“Construir um negócio de mineração de baixo custo de classe mundial parece ser o mantra. Grandes players, como BHP, Rio Tinto e Vale, estão aumentando a participação de eletricidade e automação nas operações de mineração. O objetivo é não apenas reduzir as emissões do escopo 1 (de suas próprias atividades) e a poluição do ar, mas também reduzir o envolvimento humano e as despesas operacionais ”, diz o relatório. Grandes players, como BHP, Rio Tinto e Vale, estão aumentando a participação de eletricidade e automação nas operações de mineração.

O documento da WoodMac traz de volta o caso da mineradora número 1 do mundo, a BHP (ASX: BHP), cuja equipe de liderança definiu uma meta de longo prazo para atingir as emissões de escopo 1 e 2 da rede zero na segunda metade deste século.

Também destaca o caso da Rio Tinto (ASX, LON: RIO), que anunciou a implantação bem-sucedida da AutoHaul em 2018, estabelecendo o maior robô do mundo e a primeira rede ferroviária automatizada de longa distância de longa distância na região de Pilbara, na Austrália Ocidental.

“A questão-chave será se outros grandes mineradores seguirão essa tendência em 2019”, afirma Prakash Sharma, diretor de pesquisa da Wood Mackenzie, Prakash Sharma.

O relatório também destaca as estratégias que estão sendo empregadas por mineradoras como Rio Tinto, Wesfarmers e Consol, entre outras, cuja administração decidiu apoiar uma transição completa para longe de negócios pesados com fósseis, descarbonização e capitalização.

“A BHP, South32, Mitsubishi, JERA e Banpu tomaram medidas para reduzir a pegada de carbono de seus negócios herdados. Isso incorporou o desinvestimento do negócio de carvão térmico para se concentrar no carvão metalúrgico ou mudar para áreas relacionadas, como renováveis e matérias-primas de bateria. Além disso, a BHP vendeu seus ativos de xisto dos EUA em 2018 para a BP por US $ 10,5 bilhões contra os US $ 15,1 bilhões originalmente pagos para adquiri-los da Petrohawk”, relata Wood Mackenzie.

Segundo Sharma, o aumento das pressões dos investidores, reguladores e consumidores continuará a empurrar as empresas para a descarbonização de suas carteiras.