FECHAR
FECHAR
21 de julho de 2020
Voltar

RESULTADOS

Desempenho da mineração aumenta expectativa de retomada da economia

Receita advinda da produção mineral brasileira no 1º semestre de 2020 foi 1% superior à do 1º semestre de 2019
Fonte: Assessoria de Imprensa

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirma o bom desempenho da indústria da mineração brasileira, mesmo diante dos efeitos nefastos da pandemia do novo Coronavírus.

Segundo ele, a receita advinda da produção mineral brasileira no 1º semestre de 2020 foi 1% superior à do 1º semestre de 2019, e o saldo da balança comercial mineral no 1º trimestre, já com a crise da Covid-19 instalada nos países da Ásia e Europa, foi de US$ 5,2 bilhões.

Ele mencionou estas informações ao participar da solenidade de encerramento do e-mineração: Evento Virtual de Negócios realizado na semana passada.

Durante o evento, Albuquerque afirmou que previsões pessimistas não se confirmaram. Ele lembrou que na fase inicial da pandemia avaliações eram sombrias quanto ao desempenho da economia brasileira.

“As primeiras avaliações para o desempenho da economia não eram nada otimistas e apresentavam encolhimento da ordem de 8% do PIB. No setor mineral, o Banco Mundial estimou diminuição dos preços das commodities em 4,7%. Estimativas recentes apontavam a queda de 17% nos investimentos na mineração nos próximos 4 anos. Nos primeiros meses da pandemia as previsões mais otimistas projetavam recuperação da ec...


O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirma o bom desempenho da indústria da mineração brasileira, mesmo diante dos efeitos nefastos da pandemia do novo Coronavírus.

Segundo ele, a receita advinda da produção mineral brasileira no 1º semestre de 2020 foi 1% superior à do 1º semestre de 2019, e o saldo da balança comercial mineral no 1º trimestre, já com a crise da Covid-19 instalada nos países da Ásia e Europa, foi de US$ 5,2 bilhões.

Ele mencionou estas informações ao participar da solenidade de encerramento do e-mineração: Evento Virtual de Negócios realizado na semana passada.

Durante o evento, Albuquerque afirmou que previsões pessimistas não se confirmaram. Ele lembrou que na fase inicial da pandemia avaliações eram sombrias quanto ao desempenho da economia brasileira.

“As primeiras avaliações para o desempenho da economia não eram nada otimistas e apresentavam encolhimento da ordem de 8% do PIB. No setor mineral, o Banco Mundial estimou diminuição dos preços das commodities em 4,7%. Estimativas recentes apontavam a queda de 17% nos investimentos na mineração nos próximos 4 anos. Nos primeiros meses da pandemia as previsões mais otimistas projetavam recuperação da economia apenas no 1º trimestre de 2021. Felizmente não estamos vendo nada disso acontecer”, disse.

Bento Albuquerque se disse “muito otimista com o futuro do pais. É expressão de um sentimento resultante de fatos e de evidências”. Quanto a mineração, disse, “vamos superar este momento difícil e retornar ao projeto de fazer a mineração maior e melhor com foco no crescimento do país”.

Para isso, ele mencionou as iniciativas de governo em prol da mineração. “O Programa Mineração e Desenvolvimento que contempla ações, como a oferta de mais áreas para a mineração; a minimização de barreiras e discussão da mineração em áreas restritas; a ampliação das modalidades de financiamento público e privado dos empreendimentos; a utilização dos títulos minerários como garantia de financiamento; o acompanhamento dos principais projetos, como forma de garantir celeridade e presteza das ações públicas; a ampliação dos esforços para a desburocratização do processo minerário; e um elevado compromisso com a sustentabilidade”.

O presidente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Wilson Brumer, o diretor-presidente do Instituto, Flávio Penido, e o secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Alexandre Vidigal de Oliveira, também participaram da solenidade.