FECHAR
FECHAR
02 de agosto de 2012
Voltar
Centrais de Concreto

Em busca do traço perfeito

Falhas na pesagem da usina dosadora ou na operação dos caminhões betoneira podem levar ao superdimensionamento do fator água/cimento, elevando o custo do concreto produzido

A produção de concreto em centrais tanto dosadoras quanto misturadoras permite que se obtenha a melhor relação água/cimento no material produzido, alcançando o fator de abatimento (slump) ideal para o traço estabelecido. Essa relação é determinante para a qualidade do concreto estrutural, que também está relacionada a outras etapas do processo, como o transporte, lançamento, adensamento e cura do concreto. No que tange à mistura, todavia, a atuação das usinas de concreto, bem como do caminhão betoneira (no caso das centrais dosadoras), é fundamental para a obtenção do traço programado sem a necessidade de superdimensionar o uso de cimento.

Elton Antonello, gerente de engenharia da Terex, explica que o concreto estrutural deve ser preparado com o mínimo de água possível, mantendo as condições de trabalhabilidade recomendadas para sua aplicação. “A vasta bibliografia existente sobre o tema aponta que quanto mais água é adicionada na fase de mistura, menor será a resistência mecânica do concreto”, diz ele.

Segundo o especialista, isto se deve à segregação dos materiais que compõem a mistura, potencializada quando a quantidade de água presente no concreto é maior durante o seu estado plástico. Isso significa que a segregação ocorre principalmente na fase posterior à mistura, ou seja, quando o concreto é retirado da betoneira. Mas ela também ocorre durante o transporte, lançamento, adensamento e até instantes antes do fim do processo de pega. “Esse fenômeno acontece porque os materiais mais pesados, ou seja, a areia e a brita, tendem a se acomodar no fundo da mistura, enquanto os mais leves, como a água e finos, tendem a migrar para a parte superior do concreto”, ele explica.

Esse deslocamento de materiais torna o concreto poroso, diminuindo sua resistência mecânica. “Por isso, é intuitivo dizer que, quanto mais água existir no concreto, maior será a sua porosidade”, salienta Antonello. Diante dessa avaliação, ele ressalta que o fator água/cimento/porosidade é, indiscutivelmente, o mais importante para o concreto, pois influencia a qualidade tanto da matriz da pasta de cimento quanto da zona de transição entre essa matriz e os agregados graúdos.

Cuidados com a betoneira

Marcelo Antonelli Silva, diretor de equipamentos para concreto da BMC, que distribui a linha da Zoomlion, destaca o impacto desse fenômeno no cotidiano dos profissionais do


A produção de concreto em centrais tanto dosadoras quanto misturadoras permite que se obtenha a melhor relação água/cimento no material produzido, alcançando o fator de abatimento (slump) ideal para o traço estabelecido. Essa relação é determinante para a qualidade do concreto estrutural, que também está relacionada a outras etapas do processo, como o transporte, lançamento, adensamento e cura do concreto. No que tange à mistura, todavia, a atuação das usinas de concreto, bem como do caminhão betoneira (no caso das centrais dosadoras), é fundamental para a obtenção do traço programado sem a necessidade de superdimensionar o uso de cimento.

Elton Antonello, gerente de engenharia da Terex, explica que o concreto estrutural deve ser preparado com o mínimo de água possível, mantendo as condições de trabalhabilidade recomendadas para sua aplicação. “A vasta bibliografia existente sobre o tema aponta que quanto mais água é adicionada na fase de mistura, menor será a resistência mecânica do concreto”, diz ele.

Segundo o especialista, isto se deve à segregação dos materiais que compõem a mistura, potencializada quando a quantidade de água presente no concreto é maior durante o seu estado plástico. Isso significa que a segregação ocorre principalmente na fase posterior à mistura, ou seja, quando o concreto é retirado da betoneira. Mas ela também ocorre durante o transporte, lançamento, adensamento e até instantes antes do fim do processo de pega. “Esse fenômeno acontece porque os materiais mais pesados, ou seja, a areia e a brita, tendem a se acomodar no fundo da mistura, enquanto os mais leves, como a água e finos, tendem a migrar para a parte superior do concreto”, ele explica.

Esse deslocamento de materiais torna o concreto poroso, diminuindo sua resistência mecânica. “Por isso, é intuitivo dizer que, quanto mais água existir no concreto, maior será a sua porosidade”, salienta Antonello. Diante dessa avaliação, ele ressalta que o fator água/cimento/porosidade é, indiscutivelmente, o mais importante para o concreto, pois influencia a qualidade tanto da matriz da pasta de cimento quanto da zona de transição entre essa matriz e os agregados graúdos.

Cuidados com a betoneira

Marcelo Antonelli Silva, diretor de equipamentos para concreto da BMC, que distribui a linha da Zoomlion, destaca o impacto desse fenômeno no cotidiano dos profissionais do setor. Ele é enfático ao afirmar que “quem quer controle rígido do traço” precisa ficar atento à retirada da água adicionada ao balão da betoneira após sua utilização. “Sempre que o caminhão retorna à usina, o motorista precisa lavar o balão da betoneira para sua limpeza e parte da água de lastro resultante desse processo permanece no equipamento, prejudicando o traço do concreto que será depositado ali posteriormente”, explica ele.

Quando o assunto são os fatores prejudiciais à qualidade do traço do concreto, aliás, Antonelli cita uma lista que ultrapassa uma centena de itens. No topo do ranking, entretanto, estão as falhas ligadas à eficiência da autobetoneira, a começar pela qualidade das facas de mistura. “Pensando nisso, a Zoomlion desenvolveu a faca dos misturadores de suas betoneiras em formato de T, de modo que o concreto seja sempre puxado para o fundo do balão, potencializando a mistura”, diz ele.

Nos outros modelos disponíveis no mercado, o executivo ressalta que a faca possui revestimentos de vergalhão. “Com o tempo de uso, esse material de desgaste vai se deteriorando e não é incomum encontrar betoneiras circulando com esses revestimentos pela metade.” De acordo com o especialista, isso significa que o concreto não está sendo plenamente misturado durante o transporte.

Entre os itens que comprometem a qualidade do traço do concreto, Antonelli também atribui importância ao nível de enchimento do balão da betoneira. Segundo ele, a média dos equipamentos existentes no mercado opera com uma taxa de enchimento de 55% a 59% do espaço total do balão. Isso significa que o espaço interno desses modelos – em geral com capacidade de 7 m³ e 8 m³ – comporta quase o dobro desse volume, mas a parte vazia deve existir justamente para que o tombo do concreto ocorra de forma eficiente dentro da betoneira. “A qualidade do concreto está diretamente relacionada ao respeito ao limite de carga, de acordo com o volume nominal do equipamento”, diz ele.

Outro ponto que merece atenção no transporte com caminhão betoneira é o respeito ao ciclo de movimentação do implemento dentro das especificações necessárias. Geralmente, as betoneiras são programadas para tomar força do motor do caminhão e girar entre 16 rpm e 18 rpm (rotações por minuto). “Aumentar essa velocidade não irá melhorar a mistura do concreto. Pelo contrário, vai piorar e ainda comprometer a viabilidade mecânica do equipamento”, explica Antonelli.

Precisão na pesagem

Para Guilherme Zurita, gerente comercial da divisão de concreto da Liebherr, o motorista do caminhão betoneira também influencia na qualidade do concreto. “Essa influência pode ocorrer não somente em função das rotações programadas para o giro do balão, mas também em função do tempo de viagem até o local de aplicação, o que se agrava em grandes capitais com tráfego intenso”, diz ele.

Zurita avalia que a qualidade do traço também pode ser prejudicada pelo mau funcionamento das usinas dosadoras, pois quanto mais variação apresentar o seu sistema de pesagem, mais longe o traço do concreto ficará daquele idealizado teoricamente.

“Sendo assim, esses itens e mais uma centena deles não citados nesta reportagem influenciam decisivamente na qualidade do traço.”

Para compensar essas eventuais falhas, ele explica que as concreteiras adicionam cimento à mistura em quantidade superior à prevista no traço teórico, o que resulta no maior consumo desse material, que é o item mais caro na produção do concreto.

Zurita explica que uma boa relação água/cimento está vinculada a diversos fatores, começando pela precisão e confiabilidade do sistema de pesagem da usina dosadora e pela medição do nível de umidade da areia.

“A ordem de carregamento dos agregados na betoneira também contribui para a qualidade da mistura, bem como o treinamento dos profissionais envolvidos e o monitoramento constante e detalhado dos corpos de prova, para que reproduzam fielmente em laboratório o estado do concreto aplicado na obra.”

Ele destaca que um corpo de prova moldado erroneamente pode dar a impressão de que todo o concreto aplicado na obra está condenado, obrigando os técnicos da concreteira a adicionar mais cimento ao traço como forma de garantia da resistência final.