FECHAR
FECHAR
15 de novembro de 2018
Voltar
Pneus OTR

Alta severidade sem riscos

Blindagens, preenchimento e escudos protegem os componentes que atuam sob condições severas em mineração, pedreiras e atividades industriais como siderurgia

Quando se fala em mineração e pedreiras, sempre é importante destacar os requisitos que contribuem para a segurança operacional dos equipamentos utilizados nessas operações, das mais exigentes para os equipamentos (e profissionais) em toda a indústria. No rol de soluções móveis, os pneus OTR sem dúvida constituem um dos componentes mais críticos da operação, tendo em vista sua exposição constante e a severidade implacável do ambiente em que atuam.

Camadas extra de borracha e compostos mais resistentes estão entre os recursos para proteger pneus fora de estrada

Segundo Leandro Pavarin, gerente de vendas para o segmento OTR da Bridgestone, o grau de agressividade das condições geralmente enfrentadas em uma operação subterrânea, por exemplo, é muito similar ao de uma mina de superfície, excetuando-se os impactos na lateral do pneu que tendem a ocorrer (muito) mais no subsolo. “Por se tratar de um ambiente confinado, tanto a banda de rodagem como as laterais dos pneus sofrem abrasão, enquanto em minas a céu aberto a maior agressão se dá na banda de rodagem”, explica. “Mas também é comum a terra estar alagada, lubrificando as paredes das rochas e, como consequência, acarretando maior incidência de cortes nos componentes.”

Por conta dessa característica operacional, o pneu OTR – empregado maciçamente em operações carboníferas, por exemplo – precisa receber uma camada de borracha mais espessa na capa, para proteger a carcaça. Além de maior, essa camada também pressupõe um composto com maior resistência a cortes. “A dissipação de calor é menor por ser um ambiente confinado, onde inclusive as condições de manutenção são mais difíceis”, destaca Pavarin.

Frotas precisam contar com pneus em estoque para evitar máquina parada

“Nos caminhões, o pneu de classificação E4 é o mais usado, com profundidade de sulco intermediária entre o pneu E3 e o E5, enquanto nas pás carregadeiras usa-se mais o L5.”

Já as medidas mais usadas em caminhões variam bastante neste segmento, sendo mais comum a tríade composta pelas especificações 14.00-24, 16.00-25 e 18.00-25, bias e radial. Para pás carregadeiras, por sua vez, as opções partem da medida 20.5-25, passam pela 23.5-25 até chegarem à 29.5-25. Segundo Pavarin, a diferença mais significativa entre pneus fora de estrada para caminhões, pás carregadeiras e outras máquinas que atuam na operação subterrânea fica por conta da velocidade e capacidade de carga. Dentre as ofertas comerciais atuais, recomendam-se o Earthmover 4 para caminhões e o Loader 4 (ou Loader 5) para pás carregadeiras.