FECHAR
FECHAR
29 de abril de 2010
Voltar
Mercado / A contribuição do exército para a engenharia brasileira

Além da participação na M&T Expo 2009, o Exército marcou presença no Elacom 2009 (2º Encontro Latino-Americano da Construção e Mineração), realizado simultaneamente à feira, por meio de uma palestra proferida pelo general Avena. Em sua apresentação, ele listou as contribuições da engenharia militar na implantação da infraestrutura do país, desde os tempos do Brasil Colônia, com a construção de fortificações pelo exército português, até as obras de integração nacional da década de 1970, como a execução da rodovia Cuiabá/ Santarém, por exemplo.

Inovações tecnológicas

Mais recentemente, o militar ressalta os avanços tecnológicos obtidos. Nessa linha se inclui o desenvolvimento da argila calcinada para uso como agregado em construção civil, uma tecnologia muito útil em obras na Amazônia – uma região carente de formações rochosas – até o aprimoramento das técnicas de pavimento rígido. “Ano passado, a própria Associação Brasileira de Cimento Portaland (ABCP) nos informou que a obra executada pelo Exército na duplicação da BR-101/NE tornou-se uma referência em termos de inovação e qualidade de acabamento da pista.”

Nessa obra, em fase de conclusão, o Exército mobiliza 1.570 militares em três lotes de recuperação e duplicação da rodovia, totalizando 147,5 km entre os estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. A pista nova vem sendo construída com a consultoria da ABCP na execução do pavimento rígido, como uma alternativa para o melhor acabamento da obra e sua maior durabilidade. Segundo o militar, pistas com acabamento de concreto atingem até 50 anos de vida útil e despendem menores custos de manutenção que as revestidas com pavimento flexível, que precisam passar por restaurações a cada oito anos.

“Nessa obra, fizemos tudo do início ao fim, desde os serviços de terraplenagem até a instalação das placas de concreto com 22 cm de espessura”, ressalta o general Avena. Ele destaca ainda a mobilização de equipamentos de última geração, como uma pavimentadora de concreto importada da Alemanha, além de vibroacabadoras, rolos compactadores, equipamentos de escavação, carga e transporte, usinas de asfalto e de concreto, entre outros. “Vale ressaltar que, devido ao volume de obras sob nossa responsabilidade, o Exército conta com um parque de máquinas relativamente novo, sendo que metade dele possui menos de cinco anos de vida útil.”

Ao final de sua apresentação no Elacom 2009, o general Avena homenageou o diretor executivo da M&T Expo 2009, Hugo José Ribas Branco, agradecendo a oportunidade de apresentar o trabalho desenvolvido pelo Exército Brasileiro no setor de engenharia.