FECHAR
FECHAR
31 de março de 2017
Voltar
Mercado

A volta por cima

Mantendo disparidades regionais acentuadas, estimativas apontam para um crescimento global de 7% nas vendas de equipamentos para construção neste ano
Por Marcelo Januário (Editor)

De acordo com as previsões da companhia de inteligência de mercado Off-Highway Research, as vendas globais de equipamentos para construção devem crescer 7% neste ano. Espera-se que o número de máquinas vendidas em 2017 alcance 695.142 unidades em todo o mundo, comparado com as 650.133 máquinas comercializadas no último ano, que representaram o ponto mais baixo do ciclo econômico da indústria.

Segundo David Phillips, diretor da Off-Highway Research, as vendas de equipamentos para construção no último ano foram afetadas pelo baixo crescimento econômico em âmbito mundial e pelos baixos preços de muitas commodities. “Estes fatores tiveram um efeito impactante na demanda de muitos tipos de máquinas, particularmente as utilizadas em mineração e em outras atividades extrativas”, diz o especialista. “Contudo, com o avanço das commodities a partir da virada do ano, as vendas começaram a reagir em vários mercados-chave.”

PERSPECTIVAS

De particular importância neste ano, espera-se um retorno do crescimento no mercado chinês, que chegou ao fundo em 2016 após cinco anos de queda acentuada nas vendas. No entanto, mesmo com os 13% de crescimento previsto para 2017, a demanda na China continuará a representar somente 30% do que foi registrado em 2010 e 2011. Entrementes, o robusto mercado indiano tem previsão de continuar a avançar. As vendas subiram 40% no último ano no país asiático, graças aos crescentes investimentos e à implementação de um amplo projeto de infraestrutura. Com isso, a previsão é de que as vendas de equipamentos continuem consistentes nos próximos cinco anos, ao passo que a Índia se consolide como um significativo fornecedor regional para a indústria.

Especialistas da indústria estimam que o Sudeste Asiático também obtenha bons resultados neste ano, especialmente na Indonésia e em Mianmar. No Oriente Médio, não é esperado um volume substancial de negócios no ano.

Mais maduros, os mercados da Europa, Japão e América do Norte registraram discrepância nas vendas no último ano, induzidos por fatores como os desdobramentos da eleição presidencial nos EUA e o Brexit no Reino Unido, afetando a confiança dos investidores. Para este ano, espera-se crescimento particularmente no Japão e na América do Norte, enquanto as perspectivas europeias são mais estáveis.