FECHAR
FECHAR
15 de agosto de 2018
Voltar

Investimentos

BNDES mira em infraestrutura e pequenas empresas

Os empréstimos para empresas de até médio porte, com faturamento máximo de R$ 90 milhões por ano, responderam por quase 50% do total desembolsado de janeiro a junho
Fonte: Valor Econômico

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinou quase 90% do total desembolsado no primeiro semestre para micro, pequenas e médias empresas e para o setor de infraestrutura.

Os dois segmentos são a prioridade na atual fase da instituição, afirma Dyogo de Oliveira, presidente do banco de fomento, enfatizando também o papel complementar que o BNDES terá daqui para frente para financiar o investimento. O mercado de capitais terá uma participação cada vez maior nessa tarefa, segundo ele.

O executivo observa que os empréstimos para empresas de até médio porte, com faturamento máximo de R$ 90 milhões por ano, responderam por quase 50% do total desembolsado de janeiro a junho. Essas companhias ficaram com R$ 13,495 bilhões, exatos 48,6% dos R$ 27,8 bilhões que o BNDES financiou no período. O valor destinado a esse grupo de empresas foi 1% superior ao da primeira metade de 2017.

Já os desembolsos totais tiveram mais uma queda expressiva, de 17%, num cenário de forte encolhimento dos empréstimos do banco.

"O foco é pegar companhias em um estágio que elas possam escalar, como se diz no banco, com o apoio do BNDES", diz.  A fatia das micro, pequenas e médias empresas no total emprestado foi de 42% em 2017 e de apenas 27,4% em 2010.

Nesse cenário, o BNDES vai compartilhar o risco de crédito em operações com essas companhias, assumindo uma parcela de 30% - os outros 70% serão responsabilidade das instituições que atuam com agentes financeiros do banco. Hoje, elas ficam com 100% do risco. A expectativa é que isso entre em vigor em dezembro, contribuindo para reduzir as taxas cobradas.

Já o setor de infraestrutura abocanhou R$ 11 bilhões no primeiro semestre, quase 40% dos recursos desembolsados pelo banco nesse período.

Esse valor é 9% inferior ao destinado à área na primeira metade do ano passado. Em 2017, projetos de infraestrutura ficaram com 38% do total emprestado pelo banco. Em 2016, com 29,4%.

Dentro do segmento, o setor de energia elétrica é o que recebe a maior parte dos recursos.

De janeiro a junho, ficou com 37% dos R$ 11 bilhões destinados para infraestrutura. De acordo com Oliveira, isso ocorre porque o modelo regulatório do setor de energia é bom. O mesmo não ocorre com a área de saneamento básico.

Para o presidente do BNDES, não há problemas de falta de recursos para o financiamento de infraestrutura no Brasil.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral