FECHAR
FECHAR
08 de agosto de 2018
Voltar

Energia

Construções verdes se destacam na geração de energia limpa

O Brasil um dos primeiros países a contar com certificação para as edificações que comprovarem edificações capazes de combinar a alta eficiência energética e a geração de energia por fontes renováveis
Fonte: Assessoria de Imprensa

Incentivos governamentais vêm sendo mais frequentes no segmento de geração de energias renováveis no Brasil, mas ainda assim o investimento em instalações para a geração de energia verde em residências ainda não é totalmente acessível.

Com vistas a melhorar esse cenário, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou mudanças que permitirão a pessoas físicas terem acesso a financiamentos para a instalação de sistemas de aquecimento solar e sistemas de cogeração, com placas fotovoltaicas e aerogeradores.

A mudança ocorre no âmbito do programa Máquinas e Equipamentos Eficientes, do Fundo Clima e os recursos poderão ser contratados em operações indiretas somente por meio de bancos públicos.

A notícia é importante para estimular a microgeração de energia no Brasil, que hoje atinge a marca de 294 megawatts (MW) de potência instalada em sistemas de microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica.

Esses sistemas estão instalados em comércio e serviços (44%), residências (38%), indústrias (8,1%),  consumidores rurais (5,6%), poder e serviços públicos (4%) e outros tipos, como iluminação pública (0,03%).

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Anaeel), o país possui hoje mais de 31.136 sistemas fotovoltaicos distribuídos conectados à rede, somando mais de R$ 1,6 bilhões em investimentos acumulados desde 2012, distribuídos ao redor de todas as regiões brasileiras.

Atualmente, o Estado de Minas Gerais lidera o ranking nacional, com 67,5 MW, representando 23,0% da potência instalada no país, seguido pelo Rio Grande do Sul com 42,6 MW (14,5%), São Paulo com 37,4 MW (12,7%), Santa Catarina com 18,3 MW (6,2%) e Ceará com 17,7 MW (6,03%).

Outro fator de estímulo a esse tipo de atividade é a mais recente certificação verde que reconhece as edificações capazes de combinar a alta eficiência energética e a geração de energia por fontes renováveis.

Trata-se da Certificação GBC Brasil Zero Energy, desenvolvida especialmente para o mercado brasileiro, em 2017, pelo Green Building Council Brasil (GBC Brasil), entidade que completa 10 anos de atuação em prol às edificações sustentáveis no país.

A certificação verifica as ações para maximizar a eficiência energética, a geração de energia renovável no local ou remoto (on-site ou off-site) e a compra de Certificados de Energia Renovável (REC), que comprovam a natureza da energia que a edificação utiliza.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral