FECHAR
FECHAR
17 de novembro de 2020
Voltar

Yale reforça a importância dos garfos para a segurança das operações de movimentação de materiais

Para um uso correto dos garfos, a realização de inspeções periódicas, dimensionamento e manuseio adequado dos equipamentos estão entre as recomendações da fabricante de empilhadeiras. Projetadas para elevar e movimentar materiais, os garfos das empilhade
Fonte: Assessoria de Imprensa

Segundo Vagner Araujo, gerente de treinamento e serviços da Yale, por ser um item diretamente ligado à segurança das operações, os garfos que acompanham as empilhadeiras da marca Yale são desenvolvidos utilizando aço de primeira linha, com boas características de soldagem e forte resistência ao desgaste, e de acordo com os padrões de qualidade mais rígidos da indústria.

Ele explica que a empilhadeira baseia-se no princípio do equilíbrio de dois pesos dispostos nas extremidades opostas de um eixo, como uma gangorra. A fim de que este princípio opere adequadamente, o peso colocado nos garfos deve estar balanceado com o peso da empilhadeira.

No que diz respeito aos procedimentos de operação, a recomendação é centralizar a carga a ser transportada entre os garfos, com o maior espaçamento possível entre eles, e manter os garfos o mais baixo possível, sem encostá-los no chão para movimentar a mercadoria.

“Caso o peso não esteja centralizado, a carga pode cair durante uma curva ou quando a empilhadeira chocar-se contra um obstáculo”, alerta Araujo, reforçando que o comprimento dos garfos deve ter no mínimo 2/3 do comprimento do pallet.

“Quando os garfos da empilhadeira apresentam um comprimento maior que o da carga transport...


Segundo Vagner Araujo, gerente de treinamento e serviços da Yale, por ser um item diretamente ligado à segurança das operações, os garfos que acompanham as empilhadeiras da marca Yale são desenvolvidos utilizando aço de primeira linha, com boas características de soldagem e forte resistência ao desgaste, e de acordo com os padrões de qualidade mais rígidos da indústria.

Ele explica que a empilhadeira baseia-se no princípio do equilíbrio de dois pesos dispostos nas extremidades opostas de um eixo, como uma gangorra. A fim de que este princípio opere adequadamente, o peso colocado nos garfos deve estar balanceado com o peso da empilhadeira.

No que diz respeito aos procedimentos de operação, a recomendação é centralizar a carga a ser transportada entre os garfos, com o maior espaçamento possível entre eles, e manter os garfos o mais baixo possível, sem encostá-los no chão para movimentar a mercadoria.

“Caso o peso não esteja centralizado, a carga pode cair durante uma curva ou quando a empilhadeira chocar-se contra um obstáculo”, alerta Araujo, reforçando que o comprimento dos garfos deve ter no mínimo 2/3 do comprimento do pallet.

“Quando os garfos da empilhadeira apresentam um comprimento maior que o da carga transportada, o operador pode atingir ou elevar outra carga desnecessariamente, causando acidentes”, complementa.

Realizar as manutenções preventivas das empilhadeiras a cada 500 horas ou seis meses (o que ocorrer primeiro) também é fundamental para o bom desempenho dos garfos. Isso porque, durante as revisões, verifica-se o estado de conservação deles, bem como a existência de rachaduras, desgastes ou desalinhamento das pontas.

“Caso seja identificado algum desses problemas, tanto durante a manutenção preventiva quanto por meio da observação do operador, recomendamos a troca dos itens”, diz o especialista.

Ele lembra, ainda, que os garfos devem ser substituídos sempre em pares e não individualmente, a fim de garantir a total segurança das operações de movimentação de materiais. Além disso, não se deve tentar alinhar os garfos curvando-os ou adicionando calços e nem realizar reparos de aquecimento ou com soldas.