FECHAR
FECHAR
25 de junho de 2019
Voltar

TENDÊNCIA

Volvo firma acordo para a primeira operação do veículo de carga autônomo e elétrico

Esta primeira operação faz parte de um acordo firmado entre a Volvo Trucks e a DFDS, empresa de balsas e logística
Fonte: Assessoria de Imprensa

O Vera, o veículo de carga elétrico, conectado e autônomo da Volvo, fará parte de uma solução integrada para transportar mercadorias entre um centro de logística e um terminal portuário em Gotemburgo, Suécia.

Esta primeira operação faz parte de um acordo firmado entre a Volvo Trucks e a DFDS, empresa de balsas e logística.

O Vera vai rodar numa operação real, num sistema conectado que tem fluxo contínuo de mercadorias entre o centro de logística da DFDS e um terminal portuário.

Apresentado em 2018, o Vera é uma solução elétrica, conectada e autônoma, da Volvo Trucks para operações de transporte com alta repetição, em centros de logística, fábricas e portos.

O veículo é voltado para operações em curtas distâncias, transportando grandes volumes de mercadorias com alta precisão.

“Agora, temos a oportunidade de implementar o Vera em um cenário indicado e desenvolver ainda mais seu potencial para outras operações similares”, afirma Mikael Karlsson, vice-presidente de soluções autônomas da Volvo Trucks.

O objetivo é ter um sistema conectado que consiste em vários veículos Vera monitorados por uma torre de controle.

Isso vai permitir um fluxo de transporte contínuo e constante, atendendo demandas de maior eficiência, flexibilidade e sustentabilidade.

A colaboração com a DFDS é um primeiro passo para implementar o Vera em uma operação de transporte real em estradas públicas, predefinidas dentro de uma área industrial, comenta Torben Carlsen, CEO da DFDS.

“Queremos estar na vanguarda do transporte autônomo e conectado. Essa colaboração nos ajudará a desenvolver uma solução eficiente, flexível e sustentável de longo prazo para ter veículos autônomos que chegam aos nossos portões, beneficiando nossos clientes, o meio ambiente e nossos negócios”, afirma Carlsen.

A experiência permitirá desenvolver ainda mais a solução de transporte autônomo, com avanços em tecnologia, gestão de operações e adaptações de infraestrutura, para que possa ser completamente operacional.