FECHAR
19 de novembro de 2019
Voltar

TENDÊNCIAS

Tecnologia 3D avança na América do Norte

O AutoPilot 2.0 da Wirtgen, adequado para o uso com as pavimentadoras de concreto SP 15i e SP 25i da Wirtgen, elimina a necessidade de medir, instalar e desmontar os fios-guia
Fonte: Assessoria de Imprensa

Uma construtora especializada em concreto do estado da Virgínia é uma das primeiras empresas na América do Norte a fazer a atualização para o novo AutoPilot 2.0 da Wirtgen para pavimentação de concreto sem fio-guia.

A Talley & Armstrong, Inc., com sede em Henrico, na Virgínia, já havia equipado a pavimentadora de concreto SP 15i da Wirtgen com a primeira versão do AutoPilot e contava com o sistema para as operações das máquinas.

Depois que os usuários experientes testaram o novo AutoPilot 2.0 na World of Concrete 2018, eles equiparam a SP 15i com o novo sistema.

De acordo com a empresa, o AutoPilot 2.0, adequado para o uso com as pavimentadoras de concreto SP 15i e SP 25i da Wirtgen, elimina a necessidade de medir, instalar e desmontar os fios-guia.

Além disso, a equipe de apoio em solo pode trabalhar sem o incômodo dos fios-guia. O sistema 3D é adequado, por exemplo, para a pavimentação de barreiras de segurança de concreto, meios-fios, perfis de calhas ou canteiros centrais, assim como para pavimentos de estradas com uma largura de até 3,5 m usando o processo inset e 2,5 m com o processo offset.

Redução de custos com a pavimentação sem fio-guia
Clay Armstrong conta com estruturas leves e faz a própria operaç&a...


Uma construtora especializada em concreto do estado da Virgínia é uma das primeiras empresas na América do Norte a fazer a atualização para o novo AutoPilot 2.0 da Wirtgen para pavimentação de concreto sem fio-guia.

A Talley & Armstrong, Inc., com sede em Henrico, na Virgínia, já havia equipado a pavimentadora de concreto SP 15i da Wirtgen com a primeira versão do AutoPilot e contava com o sistema para as operações das máquinas.

Depois que os usuários experientes testaram o novo AutoPilot 2.0 na World of Concrete 2018, eles equiparam a SP 15i com o novo sistema.

De acordo com a empresa, o AutoPilot 2.0, adequado para o uso com as pavimentadoras de concreto SP 15i e SP 25i da Wirtgen, elimina a necessidade de medir, instalar e desmontar os fios-guia.

Além disso, a equipe de apoio em solo pode trabalhar sem o incômodo dos fios-guia. O sistema 3D é adequado, por exemplo, para a pavimentação de barreiras de segurança de concreto, meios-fios, perfis de calhas ou canteiros centrais, assim como para pavimentos de estradas com uma largura de até 3,5 m usando o processo inset e 2,5 m com o processo offset.

Redução de custos com a pavimentação sem fio-guia
Clay Armstrong conta com estruturas leves e faz a própria operação da SP 15i da empresa.

Para ele, a pavimentação sem fio-guia com o AutoPilot 2.0 representa uma enorme economia de tempo. “A pavimentação sem fio-guia tem muitas vantagens”, explica Armstrong. “Em primeiro lugar e acima de tudo, há o tempo e o esforço necessários para definir os fios-guia. Um outro fator é a economia em termos de custos para a aquisição do fio e dos braços de apoio.”

Além disso, complementa ele, as obras são concluídas mais rapidamente. “Quando trabalhamos pela primeira vez sem fios-guia, recebemos a tarefa de instalar um perfil de meio-fio e calha em um estacionamento. No final do primeiro dia de trabalho, meus funcionários normalmente teriam que desmontar o fio-guia e instalá-lo novamente no trecho do dia seguinte. Em vez disso, perguntaram o que deveriam fazer. Não havia fios-guia para remover ou trocar. Foi uma economia direta de custos.”

Atualização para o AutoPilot 2.0
O primeiro sistema AutoPilot já era fácil de usar, mas a modernização da SP 15i com o novo sistema traz ainda mais ótimos benefícios, comenta Clay Armstrong.

“O sistema nos permite fazer alterações no modelo independentemente de ele ter sido importado ou criado a partir de pontos do solo ou dos pontos de implantação habituais de perfis de meios-fios e calhas”, diz Armstrong.

“Como os engenheiros civis são meramente seres humanos, às vezes precisamos de corrigir seus modelos. Podemos alterar o alinhamento vertical e horizontal durante o processo de pavimentação para compensar quaisquer defeitos existentes. Alterações na curva vertical eram difíceis ou impossíveis com a versão anterior. Além disso, não tínhamos o display que temos agora. Não tínhamos um perfil para fazer ajustes como agora é possível com o AutoPilot 2.0. Agora podemos fazer muitas alterações e até excluir ou adicionar pontos individuais a um modelo já criado.”

Armstrong acrescenta: “Podemos alterar pontos individuais de uma curva vertical e separá-los até onde for preciso para alisar um percurso. Por exemplo, se sabemos que o ponto A e o ponto B estão conectados por um gradiente reto, podemos, teoricamente, eliminar todos os pontos intermediários que não coincidem, ou retornar para o modelo original. Também podemos alterar a porcentagem do gradiente do modelo se determinarmos que ele é incompatível com as condições locais.”

O Field Rover é portátil e é utilizado por Armstrong durante o processo de pavimentação para inspecionar as entradas.

“Usamos o Field Rover principalmente para ajustar o modelo importado à tarefa em questão por meio de pontos de controle.” O menor raio de alcance que Armstrong já instalou foi de 60 cm, e isso também não foi nenhum problema para o AutoPilot 2.0.

A Talley & Armstrong possui oito moldes da Wirtgen, que vão desde um perfil de meio-fio com 15 cm de largura até um molde para calçadas com 1,50 m de largura.

Uma placa adaptadora também oferece a possibilidade de fixar os moldes existentes de uma pavimentadora de concreto antiga à SP 15i. Assim, o molde de outros fornecedores também pode continuar sendo utilizado de forma eficiente.

Pavimentação precisa de meio-fio com calha de água pluvial
Em um projeto da Talley & Armstrong em Westerleigh Estates, uma nova área de empreendimentos imobiliários em Moseley, na Virginia, foi utilizado um molde para meio-fio e calhas de 75 cm de largura, que produziu uma calha de água de 60 cm de largura em combinação com um meio-fio de 15 cm de largura e 33 cm de altura.

O concreto relativamente rígido com uma dimensão de assentamento de 5 cm apresentou uma resistência de 28 dias de 30 a 35 N/mm². A pavimentação foi realizada sobre uma sub-base de cascalho com uma granulometria máxima de 2,5 cm. A mistura de concreto continha um agente de melhoria de viscosidade e uma pequena quantidade de retardador de endurecimento, caso fosse verificado um atraso na entrega do concreto.

Após a pavimentação, foi aplicado um agente líquido de cura e, posteriormente, foram cortadas no meio-fio juntas de contração a uma distância de 3,50 m e juntas de expansão a uma distância de 30 m.