FECHAR
FECHAR
13 de fevereiro de 2019
Voltar

LANÇAMENTOS

Solução caseira

Buscando suprir uma carência flagrante do setor de mineração, a Convicta apresenta novo equipamento para desmonte subterrâneo de rocha com tecnologia totalmente nacional
Fonte: Redação M&T

Apesar de possuir um setor dinâmico em mineração, o Brasil ainda é deficiente em termos de soluções nacionalizadas para este segmento.

De olho nessa carência – além de estar atenta à queda no setor de concreto, em que tradicionalmente atua –, a Convicta percebeu, há três anos, que a maior parte das mineradoras produzia seu próprio sistema para aplicação de explosivos em minas subterrâneas. Com isso, incorriam em riscos desnecessários, além de não haver uma padronização destes equipamentos artesanais, enquanto os importados tornaram-se muito caros, devido à questão cambial.

Levando a sério a máxima chinesa de que “crise é igual a oportunidade”, a empresa mobilizou um grupo de engenheiros de sua planta fabril, em São José dos Pinhais (PR), com uma missão empreendedora: desenvolver um equipamento adequado para realizar o desmonte de rochas subterrâneas, com base no know-how de 28 anos da empresa na produção de betoneiras e equipamentos para concreto.

Assim, estava dado o pontapé inicial de um projeto de desenvolvimento que se concretizaria com a fabricação da primeira Unidade Subterrânea de Repump (USR) com tecnologia e produção totalmente nacionais. Lançado oficialmente a Explo Tech 2018, no final do ano passado, o equipamento autopropelido traz características como o tamanho compacto (2,2 m x 2,4 m x 5,7 m), o que lhe dá uma vantagem competitiva importante neste segmento.

“A solução se encaixa perfeitamente em espaços exíguos, uma necessidade muito frequente de diversas mineradoras, também por uma questão de economia”, diz Suelen Prudente, gerente de vendas da empresa. “Sem dúvida, era algo que estava faltando no mercado brasileiro.”

Baseando-se em modelos já existentes, a empresa desenvolveu um equipamento robusto, mas ao mesmo tempo “ágil e eficiente”. Um de seus pontos fortes, diz a especialista, é o sistema de acionamento híbrido diesel-elétrico, além de oferecer configuração com cabine ROPS/FOPS para dois operadores.

Com capacidade de carga de 22 t, o equipamento possui direção hidráulica e tração 4x4 com três diferentes modos de esterçamento das rodas, enquanto o braço possui cinco estágios com giro por rolamento, com alta manobrabilidade. “A unidade se movimenta facilmente de um lado a outro dentro da mina”, garante a executiva. “Isso é um grande facilitador para a operação, além de seguir as normas e padronizações internacionais que norteiam o segmento.”