FECHAR
FECHAR
04 de agosto de 2020
Voltar

Setor de máquinas agrícolas projeta crescimento de 5%

Mesmo no cenário em que máquinas e equipamentos em geral cairão 10%, agronegócio tem feito a sua parte
Fonte: Agrolink

Em coletiva de imprensa realizada na semana passada, a Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) apresentou os números do setor referentes ao mês de junho.

As exportações foram as mais impactadas com queda de 35% em receita em relação ao mesmo período do ano passado e de 25,4% no ano. Após quatro meses de pandemia os resultados esperados eram ainda mais negativos nos mercados interno e externo.

Com isso, o segundo trimestre do ano encolheu 17,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior e no acumulado de janeiro a junho, o faturamento do setor caiu 8,5%.

O segmento de máquinas agrícolas foi o que teve a menor queda em receitas de exportação, de 0,4% no ano. Já no mês de junho a queda foi de 18%. O setor representa 11% de todo montante de máquinas, sendo o terceiro em importância.

De acordo com o presidente executivo da Abimaq, José Velloso Dias Cardoso, se a exportação estivesse melhor o setor estaria em crescimento, no entanto, os impactos do câmbio dificultaram o desempenho.

Para o segundo semestre não há previsão de recuperação. O setor projeta fechar o ano com queda entre 8 a 10%. “No ano passado a exportação representou 36% do faturamento. A tendência é ...


Em coletiva de imprensa realizada na semana passada, a Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) apresentou os números do setor referentes ao mês de junho.

As exportações foram as mais impactadas com queda de 35% em receita em relação ao mesmo período do ano passado e de 25,4% no ano. Após quatro meses de pandemia os resultados esperados eram ainda mais negativos nos mercados interno e externo.

Com isso, o segundo trimestre do ano encolheu 17,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior e no acumulado de janeiro a junho, o faturamento do setor caiu 8,5%.

O segmento de máquinas agrícolas foi o que teve a menor queda em receitas de exportação, de 0,4% no ano. Já no mês de junho a queda foi de 18%. O setor representa 11% de todo montante de máquinas, sendo o terceiro em importância.

De acordo com o presidente executivo da Abimaq, José Velloso Dias Cardoso, se a exportação estivesse melhor o setor estaria em crescimento, no entanto, os impactos do câmbio dificultaram o desempenho.

Para o segundo semestre não há previsão de recuperação. O setor projeta fechar o ano com queda entre 8 a 10%. “No ano passado a exportação representou 36% do faturamento. A tendência é que continue ruim. No mercado interno o que ajuda foi o bom desempenho do agronegócio e a indústria de consumo de bens não duráveis como alimentos, embalagens, plástico e medicamentos”, explica.

O presidente da entidade, João Carlos Marchesan, apontou que o agronegócio puxou a demanda do setor ou a queda seria maior. Este segmento em específico deve crescer 5% este ano.

“O que precisamos agora são medidas de impacto como a Reforma Tributária de forma total e justa. Não aumentar imposto e sim colocar o Brasil para andar. Estamos cansados de viver de tombos em crises econômicas”, apontou.