FECHAR
FECHAR
27 de maio de 2019
Voltar

TENDÊNCIAS

DataSafra fornece dados da safra atual e das anteriores

Inovação tecnológica será apresentada no TEA Brazil, importante fórum do setor na América Latina
Fonte: Assessoria de Imprensa

O uso crescente da tecnologia tem possibilitado um avanço em produtividade, eficiência e qualidade no agronegócio brasileiro.

Os sistemas e soluções existentes permitem que o produtor rural gerencie e monitore sua plantação e sua fazenda em tempo real, conferindo mais assertividade em seu planejamento.

Para as indústrias de sementes, fertilizantes, agroquímicos e máquinas agrícolas, além de tradings e bancos, a ferramenta indicada é o DataSafra, inovadora plataforma de monitoramento agrícola por satélite, que levanta dados da safra atual e de duas safras anteriores, propiciando inúmeras comparações entre elas bem como análises sobre tendências futuras.

A solução tecnológica será apresentada durante o TEA Brazil, importante fórum de Tecnologia na Agricultura na América Latina, que vai reunir no dia 6 de junho, em São Paulo, Governo, associações agrícolas, empresas de tecnologia, startups, empresas de defensivos agrícolas, fornecedores de equipamentos, bancos, seguradoras, proprietários e administradores de terras, cooperativas, entre outros.

O evento debaterá as tendências e inovações do agronegócio e como é possível aumentar a lucratividade no campo e diminuir os custos operacionais por meio das novas tecnologias.

Segundo Izabel Cecarelli, diretora presidente da Geoambiente, empresa responsável pelo desenvolvimento do DataSafra, o TEA Brazil será uma oportunidade de levar para um público altamente qualificado, a plataforma que realiza o mapeamento das áreas plantadas de soja e de milho por região ou até mesmo por município, por meio do monitoramento por satélite e de inúmeros cruzamentos de dados levantados a partir de complexos algoritmos e de conceitos como Big Data e Inteligência Artificial.

“Nosso objetivo é proporcionar informações precisas que balizem as estratégias comerciais e de planejamento, além das tomadas de decisões em relação à investimentos e financiamentos, de todos os players da cadeia produtiva da soja e do milho”, explica.