FECHAR
FECHAR
04 de fevereiro de 2020
Voltar

EMPRESAS

Compressores da Atlas Copco aumentam produtividade na Hyundai

Troca de equipamentos possibilitou maior eficiência energética na geração de ar comprimido
Fonte: Assessoria de Imprensa

Estabelecida desde 2010 no Brasil, a montadora sul-coreana Hyundai tem uma produção anual de 210 a 215 mil veículos no país. Com essa grande demanda, a redução no consumo de energia é essencial para atingir maior produtividade.

Quando a empresa enfrentou uma quebra de equipamentos, assim como dificuldades de mão de obra, foi observado que o consumo de energia era bastante alto, o que exigiu traçar metas de otimização nesse sentido.

O Gerente de Facilidades da Hyundai no Brasil, Cesar Henrique dos Santos, conta que já havia trabalhado para outras indústrias automotivas e que encontrou na Hyundai máquinas bastante diferentes daquelas disponíveis no mercado nacional, bem como as usualmente utilizadas na indústria automotiva.

“Um grande ruído foi observado no entorno da área de utilidades. Foi um incômodo, porque era um desperdício de dinheiro. Portanto, contatamos a Atlas Copco para nos ajudar a entender como poderíamos melhorar a eficiência energética na geração de ar comprimido. E foi assim que tudo começou”, afirma o executivo.

“Detectamos um grande gasto de energia por conta do dimensionamento incorreto dos compressores centrífugos que havia na planta e que acabavam jogando ar comprimido fora. Isto era um incômodo ao cliente,...


Estabelecida desde 2010 no Brasil, a montadora sul-coreana Hyundai tem uma produção anual de 210 a 215 mil veículos no país. Com essa grande demanda, a redução no consumo de energia é essencial para atingir maior produtividade.

Quando a empresa enfrentou uma quebra de equipamentos, assim como dificuldades de mão de obra, foi observado que o consumo de energia era bastante alto, o que exigiu traçar metas de otimização nesse sentido.

O Gerente de Facilidades da Hyundai no Brasil, Cesar Henrique dos Santos, conta que já havia trabalhado para outras indústrias automotivas e que encontrou na Hyundai máquinas bastante diferentes daquelas disponíveis no mercado nacional, bem como as usualmente utilizadas na indústria automotiva.

“Um grande ruído foi observado no entorno da área de utilidades. Foi um incômodo, porque era um desperdício de dinheiro. Portanto, contatamos a Atlas Copco para nos ajudar a entender como poderíamos melhorar a eficiência energética na geração de ar comprimido. E foi assim que tudo começou”, afirma o executivo.

“Detectamos um grande gasto de energia por conta do dimensionamento incorreto dos compressores centrífugos que havia na planta e que acabavam jogando ar comprimido fora. Isto era um incômodo ao cliente, pois também significava um desperdício de dinheiro”, afirma José Penna, gerente de vendas da Atlas Copco.

Um estudo foi realizado para oferecer novas alternativas de equipamentos e a Hyundai optou por utilizar quatro compressores ZR 250 VSD, isentos de óleo, e que permitiram mais flexibilidade para alta e baixa pressão, assim se um problema ocorresse em uma máquina, haveria outras três opções de aplicação.

“Com essa flexibilidade, nós também aumentamos a produção com melhor desempenho, pois – com o crescimento do mercado e a proposta da Hyundai de aumentar o volume de produção – pudemos atender com as máquinas novas um volume de produção maior”, avalia.

O resultado do projeto foi um sucesso, garantindo o retorno do investimento em apenas um ano, com uma economia de cerca de US$ 1,2 milhão neste período apenas em energia elétrica, além de uma redução de 40% a 50% nos custos de manutenção.

O gerente conta ainda que em termos de confiabilidade e quebras, as taxas da Hyundai caíram para zero, garantindo 100% de disponibilidade. Além disso, houve uma redução no consumo de água de resfriamento, com uma economia mantida ao longo de todo o de operação.