FECHAR
FECHAR
03 de abril de 2017
Voltar
Momento

Versatilidade a toda prova

Aos poucos, equipamentos compactos abrem espaço no país estimulados pela necessidade premente de aumento da eficiência operacional e redução de custos

No Brasil, a aplicação de equipamentos compactos em obras urbanas, edificações e infraestrutura vem crescendo na última década, especialmente em duas vertentes: venda direta ao usuário final e para atender ao segmento de locação. E um dos principais motivos para essa expansão é a assimilação dos benefícios advindos do uso desse tipo máquina, como produtividade, qualidade, custos e segurança. “Os ganhos de produtividade são obtidos na medida em que a mecanização das atividades garante volumes maiores de trabalho e redução dos tempos das obras”, comenta Paulo Oscar Auler Neto, vice-presidente da Sobratema. “O uso desses equipamentos também garante uniformidade aos trabalhos, traduzindo-se em maior qualidade. Além disso, o trabalho torna-se mais leve, limpo e ergonômico para a mão-de-obra envolvida.”

Segundo Carlos França, gerente de marketing para a América Latina da Case CE, também há um benefício importante do ponto de vista do locador, que é a recente correção no valor de locação. “Antes, havia no Brasil uma forma de cálculo que subavaliava o custo de locação dos miniequipamentos e definia que, juntas, uma minicarregadeira e uma miniescavadeira, por exemplo, deveriam valer o preço de uma retroescavadeira”, diz. “Atualmente, esses equipamentos estão sendo locados pelo valor aproximado de uma retroescavadeira, pois o mercado já reconhece sua alta produtividade. Sendo assim, mesmo com a volatilidade da taxa de câmbio, o mercado seguirá demandando esses produtos.”

OBRAS URBANAS

No mercado de obras urbanas, a aplicação dos miniequipamentos também vem crescendo por permitir a operação em espaços restritos e oferecer facilidade de transporte. Os miniequipamentos também são mais econômicos em relação ao consumo de combustível, além de apresentarem facilidade na manutenção e na operação. Em São Paulo, por exemplo, as soluções vêm sendo utilizadas em canteiros de vias, reduzindo a interferência no cotidiano da cidade e no trânsito. “O tamanho reduzido permite transitar no centro expandido com caminhões VUC ou guinchos-plataforma, deslocando-se para locais de difícil acesso e confinados”, comenta Vladimir de Rafael M. Filho, engenheiro de aplicação da Komatsu.

Outro benefício apresentado pelos miniequipamentos é a versatilidade, devido à ampla quantidade de implementos que podem utilizar. “Além disso, os compactos apresentam um custo menor de aquisição, manutenção e locação, atendendo à atual necessidade de redução de investimentos das construtoras, que buscam equipamentos com custo-benefício compatível a orçamentos mais enxutos para o término das obras”, avalia Rafael Ricciardi, especialista de produto da New Holland Construction para a América Latina.