FECHAR
FECHAR
19 de outubro de 2010
Voltar
Empresa / Sexagenária com fôlego de adolescente

Gino Cucchiari diz que contratos desse porte eram comuns naquela época e que, em 1973, a empresa chegou a registrar a venda de 1.380 tratores de esteira num único ano. “Esses equipamentos ajudaram a aumentar a fronteira agrícola brasileira, a impulsionar nossa urbanização e a abrir muitas estradas vicinais pelo país.” Entre seus contemporâneos, que continuam na ativa, o executivo cita Cledorvino Bellini, presidente do grupo Fiat, e Valentino Rizzioli, presidente da CNH, a holding do grupo na área de equipamentos agrícolas e para construção.

Primeira escavadeira
Em 1973, com a aquisição de um terreno da fabricante de motores Deutz, a empresa instalou a sua atual fábrica de Contagem (MG), onde começou a produzir a primeira escavadeira hidráulica brasileira, a S90, de 17 t de peso operacional. Com isso, ela ajudou a difundir o conceito de um novo tipo de equipamento, atualmente o mais utilizado em construção civil, como alternativa aos tratores de esteiras e pás carregadeiras.

Segundo Cucchiari, a S90 já incorporava os conceitos atuais das escavadeiras hidráulicas, obviamente sem os recursos eletrônicos disponíveis nos equipamentos modernos. Além da S90, a fábrica de Contagem iniciou as atividades com a produção dos tratores de esteiras AD7 e AD14, os campeões de vendas da marca na década de 70.

A década do milagre brasileiro também marcou a expansão da rede de distribuidoras, que estendeu sua cobertura para as cinco regiões do Brasil. “Devido às dificuldades de transporte por rodovias, nessa época alguns concessionários usavam até mesmo avião para a entrega das peças aos clientes”, recorda Cucchiari. Datam dessa fase as parcerias com empresas como a Bamaq, Cotril, Emblema e Ricci, que integram até os dias atuais a rede de distribuidoras da marca.

Diversificação da linha
A década de 70 também marcou a consolidação da marca com o nome de Fiatallis, assumida após a aquisição da divisão de máquinas rodoviárias da norte-americana Allis Chalmers, em 1974. Segundo Cucchiari, a negociação incorporou equipamentos de maior porte à linha da empresa, como pás carregadeiras, motoscrapers e tratores de esteiras de grande potência.

Em 1979, a empresa começou a produzir três modelos de pás carregadeiras, sendo uma delas rígida e duas já com o conceito atual dos equipamentos com chassi articulado. Dois anos depois a fabricante iniciou a produção de motoniveladoras, segmento no qual a unidade brasileira figura até os dias atuais como referência entre as operações mundiais da New Holland. “Com a linha FG, revolucionamos o mercado de motoniveladoras ao apresentar um produto totalmente hidráulico e mais fácil de operar que os antigos modelos mecânicos.”