FECHAR
FECHAR
06 de agosto de 2018
Voltar
Lanças de Concreto

Sempre prontas para o uso

Entenda porque a limpeza e a estabilização via patolas são procedimentos básicos da operação do equipamento, o que nem sempre é devidamente seguido no mercado brasileiro
Por Antonio Santomauro

Gradativamente, as bombas associadas a mastros distribuidores – ou bombas-lança, como também são conhecidas no mercado –, vêm se tornando cada vez mais presentes na construção, onde, comparativamente às bombas estacionárias, incrementam significativamente a produtividade do transporte de concreto.

Mas, justamente por manterem contato direto com esse insumo, as bombas devem constituir objeto de um contínuo e cuidadoso processo de limpeza, tema ao qual voltaremos à frente. Além disso, também é necessário estabilizar com segurança esses equipamentos, cujo uso em breve pode tornar-se foco de uma norma específica no Brasil (confira Box na pág. 51).

Ainda não normatizada, a regra que atualmente rege a estabilização das lanças é demasiadamente abrangente, pois, como informam fabricantes e usuários, as máquinas devem ser estabilizadas com o uso de patolas sempre que se movimentarem. “Mesmo quando a abertura da lança for parcial – ou seja, não forem completamente abertos todos os segmentos –, deve ser feito o patolamento”, enfatiza Celso Pinheiro, gerente de suporte ao cliente da Putzmeister.

Em casos específicos, nos quais inexistem condições de abertura das quatro patolas, o patolamento pode ser parcial (utilizando-se, por exemplo, apenas as patolas de um dos lados do equipamento). Mas, nesses casos, o movimento de giro da lança não poderá ser completo, devendo restringir-se aos limites normalmente definidos nos manuais dos equipamentos. “Todavia, deve-se evitar esse patolamento parcial, pois qualquer descuido do operador pode fazer o equipamento tombar”, ressalta Pinheiro, acrescentando que, caso não seja possível realizar o patolamento, deve-se desacoplar a lança e utilizar o equipamento como uma bomba estacionária, com tubulação rígida e mangueiras. “E isso significa subaproveitá-lo”, emenda.

PATOLAMENTO

As sapatas das patolas, conforme ressalta o executivo da Putzmeister, normalmente trazem placas ou adesivos com as informações das forças que exercerão sobre os locais onde se apoiarão. Além disso, as fabricantes (como a própria Putzmeister) fornecem tabelas com as indicações das pressões máximas a serem exercidas nos diferentes tipos de solos, seja asfalto, pedra, rocha, cascalho ou solo não trabalhado, dentre outros. “Em solos não abrangidos pela tabela, devem-se realizar testes e cálculos para verificar as pressões máximas suportadas”, afirma Pinheiro.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral