FECHAR
FECHAR
30 de maio de 2011
Voltar
Empresa

Saraiva expande os negócios para o Sul do país

Atenta às oportunidades de negócios, a empresa abre novas filiais e amplia a frota de equipamentos para movimentação de cargas

Maior transportadora de cargas especiais e locadora de guindastes do Norte e Nordeste do país, a Saraiva Equipamentos quer deixar de ser uma empresa regional e ampliar seu raio de atuação para todo o território nacional. Para isso, ela está investindo R$ 60 milhões em um ambicioso programa de expansão que inclui a abertura de novas filiais no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

A empresa acaba de inaugurar uma filial em São Paulo e os próximos passos envolvem a instalação de um escritório em Belo Horizonte e outro no Rio de Janeiro. “O objetivo é ficar mais próximo dos clientes, pois apesar de termos uma boa carteira de contratos em nossa região, há de se ressaltar que as grandes decisões são tomadas nessas capitais do país”, explica Ricardo Teixeira, diretor para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Com cerca de 30 anos de atuação, a Saraiva marca presença atualmente em obras como a expansão da Vale, em Carajás (PA), a construção da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Portuário de Suape (PE), e a instalação de parques eólicos no Ceará, entre outras. Mas ela está atenta às oportunidades que surgirão diante dos investimentos previstos pela Petrobras para a exploração do Pré-Sal, além das expansões de diversas mineradoras no Sudeste e Centro-Oeste do país e das obras que o Rio de Janeiro está recebendo em função da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

Segundo Alessandro Vivian, gerente de relacionamento e responsável pelos negócios em Minas Gerais, Espírito Santo e Centro-Oeste, a empresa já participou de projetos fora do Norte e Nordeste, mas a nova estruturação tem o objetivo de consolidar sua presença nesses mercados. “Nossas primeiras ações nesse sentido já renderam frutos, com a conquista de um contrato para a instalação de parques eólicos em Santa Catarina”, diz ele.

Ampliação da frota

Ricardo Teixeira ressalta que os investimentos estão sendo realizados não apenas na montagem das novas filiais e na contratação de funcionários, mas também na ampliação da frota para atendimento aos novos mercados. “Acabamos de adquirir um guindaste de 600 t, o LR1600, indicado para a montagem de parques eólicos, pois apesar de sua elevada capacidade de carga, ele conta com esteiras mais estreitas, o que facilita sua movimentação em estradas de serviço menores, como é característico nesse tipo de proj

Maior transportadora de cargas especiais e locadora de guindastes do Norte e Nordeste do país, a Saraiva Equipamentos quer deixar de ser uma empresa regional e ampliar seu raio de atuação para todo o território nacional. Para isso, ela está investindo R$ 60 milhões em um ambicioso programa de expansão que inclui a abertura de novas filiais no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

A empresa acaba de inaugurar uma filial em São Paulo e os próximos passos envolvem a instalação de um escritório em Belo Horizonte e outro no Rio de Janeiro. “O objetivo é ficar mais próximo dos clientes, pois apesar de termos uma boa carteira de contratos em nossa região, há de se ressaltar que as grandes decisões são tomadas nessas capitais do país”, explica Ricardo Teixeira, diretor para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Com cerca de 30 anos de atuação, a Saraiva marca presença atualmente em obras como a expansão da Vale, em Carajás (PA), a construção da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Portuário de Suape (PE), e a instalação de parques eólicos no Ceará, entre outras. Mas ela está atenta às oportunidades que surgirão diante dos investimentos previstos pela Petrobras para a exploração do Pré-Sal, além das expansões de diversas mineradoras no Sudeste e Centro-Oeste do país e das obras que o Rio de Janeiro está recebendo em função da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

Segundo Alessandro Vivian, gerente de relacionamento e responsável pelos negócios em Minas Gerais, Espírito Santo e Centro-Oeste, a empresa já participou de projetos fora do Norte e Nordeste, mas a nova estruturação tem o objetivo de consolidar sua presença nesses mercados. “Nossas primeiras ações nesse sentido já renderam frutos, com a conquista de um contrato para a instalação de parques eólicos em Santa Catarina”, diz ele.

Ampliação da frota
Ricardo Teixeira ressalta que os investimentos estão sendo realizados não apenas na montagem das novas filiais e na contratação de funcionários, mas também na ampliação da frota para atendimento aos novos mercados. “Acabamos de adquirir um guindaste de 600 t, o LR1600, indicado para a montagem de parques eólicos, pois apesar de sua elevada capacidade de carga, ele conta com esteiras mais estreitas, o que facilita sua movimentação em estradas de serviço menores, como é característico nesse tipo de projeto.”

A empresa também está adquirindo carretas com eixos direcionais de maior porte, para atender à demanda de transporte dessas obras, que estão empregando pás de até 55 m de comprimento. A lista de investimentos inclui ainda a aquisição de um guindaste telescópico sobre rodas de 1.200 t, o LTM 11200, considerado o maior do mundo em sua categoria, além de guindastes RT (rought terrain) para montagens industriais e de conjuntos com 32 linhas de eixo, para o transporte de grandes transformadores de energia, entre outras aplicações.

“Em um horizonte mais longo, queremos nos preparar para atender todo o Mercosul no que se refere a serviços de logística e movimentação horizontal e vertical de cargas”, afirma Teixeira. Para isso, ele diz que a empresa prepara a abertura de capital em bolsa de valores, com o objetivo de captar recursos para seus planos de expansão. A Saraiva é uma empresa familiar, com faturamento de R$ 200 milhões em 2010, cuja direção já migrou para a segunda geração de proprietários.

Considerada uma das maiores empresas do país em seu ramo de atuação, ela conta com uma frota de cerca de 1.200 equipamentos, entre guindastes sobre esteiras de grande porte, guindastes rodoviários de 25 t a 1.200 t, cavalos mecânicos, semirreboques, linhas de eixo, guindautos, empilhadeiras de 2,5 t a 15 t e outros. A meta da empresa é encerrar 2011 com um faturamento de R$ 280 milhões, já incluindo contratos prospectados pelas novas filiais.