FECHAR
FECHAR
08 de março de 2019
Voltar
Manutenção / Proteção estrutural

Além de corrosão e deformação, em aplicações severas os danos podem ser causados por impactos de objetos na estrutura

Além disso, quando as carenagens são feitas de plástico ou fibra de vidro, normalmente não são preparadas para suportar grandes pesos. Por isso, como destaca Mazzieiro, deve-se evitar subir nessas partes, a não ser que sejam indicadas como local de acesso, pois há risco para a peça e para a pessoa. “Algumas peças que protegem o motor podem ter mantas de isolamento térmico em sua parte interna”, ele lembra. “E elas devem estar sempre em boas condições, para protegerem a peça e os profissionais que trabalham no equipamento.”

Para Ricardo Tsuyama, engenheiro de serviços da Komatsu, outros cuidados são necessários com as carenagens. “Deve-se evitar principalmente os impactos, os contatos com agentes químicos e também a exposição a temperaturas excessivas, pois, além do dano estético, alguns componentes ficarão desprotegidos ou expostos se a função da peça for comprometida”, comenta.

Todavia, mesmo que todos os cuidados sejam tomados é praticamente impossível evitar que as carenagens sofram avarias, até pela natureza pesada das operações. “Na maioria das vezes, as peças sofrem batidas, empenamento, oxidação e desplacamento de pintura”, explica Raul Araújo, também engenheiro de serviços da Komatsu. “Em muitos casos, esses danos são causados principalmente por impactos de objetos, geralmente em aplicações mais severas, tais como florestais, de desmatamento, demolição, mineração e pedreiras. Além disso, especificamente nas aplicações de fertilizante e aterro sanitário, deve-se ter o cuidado redobrado no que se refere à corrosão e deformação.”

De acordo com Mazzieiro, as avarias mais comuns em para-lamas e carenagens de motor realmente são os impactos no ambiente de trabalho ou a quebra, devido ao uso inapropriado desses componentes como acesso a partes da máquina. Em ambientes corrosivos, também é comum o excesso de ferrugem nas peças metálicas e parafusos de fixação dos itens de fibra ou plástico. “Trincas por vibração também podem ocorrer”, acrescenta. “Se a peça for de plástico, seu reparo pode ser feito assim como se faz com para-choques de veículos no mercado. Se for feita de fibra de vidro ou metal, os procedimentos também seguem a natureza do material.”