FECHAR
FECHAR
06 de março de 2020
Voltar
A Era das Máquinas

O engate de três pontos

Por Norwil Veloso

À esquerda, Harry Ferguson (1884-1960) demonstra a ideia que mudaria os rumos da mecanização agrícola

Até os anos 40, a fixação dos implementos agrícolas aos respectivos tratores era feita por meio de barras de tração similares às de um engate de reboque atual. Essa barra possuía furos com espaçamento uniforme e os implementos tinham garfos que se prendiam a ela utilizando pinos. Foi uma evolução natural dos equipamentos tracionados por animais (normalmente cavalos), utilizados durante décadas na mecanização da agricultura, tanto na Europa como na América do Norte.

A substituição dos animais por tratores a vapor representou um avanço significativo na evolução da mecanização agrícola, mas não foi acompanhada por uma evolução dos implementos, mantendo-se em uso os mesmos equipamentos usados anteriormente.

Até que surgiu Henry George (Harry) Ferguson (1884-1960), que viria a ser um dos fundadores da Massey-Ferguson. Ele foi o inventor do engate de três pontos, patenteado em 1926 na Grã-Bretanha quando tinha apenas 27 anos.

Nascido na Irlanda, Harry era filho de fazendeiros e contribuiu significativamente para a engenharia em geral. Até hoje é reconhecido por feitos como construir e pilotar seu próprio avião, desenvolver o primeiro carro de Fórmula 1 e contribuir para o desenvolvimento do controle de tração desses veículos, utilizado no Jensen FF, além de criar o sistema de três pontos para fixação dos acessórios ao trator.

Também era um defensor da fixação rígida do arado ao trator, liderando a divulgação e a venda da ideia durante muitos anos. Entre 1916 e 1926, buscou várias alternativas hidráulicas e mecânicas, até chegar à solução mecânica patenteada.

NOVO ENGATE

Inquieto, Ferguson não considerava satisfatórias as soluções utilizadas até então para acoplamento dos implementos ao trator. Foi então que desenvolveu uma unidade qu


À esquerda, Harry Ferguson (1884-1960) demonstra a ideia que mudaria os rumos da mecanização agrícola

Até os anos 40, a fixação dos implementos agrícolas aos respectivos tratores era feita por meio de barras de tração similares às de um engate de reboque atual. Essa barra possuía furos com espaçamento uniforme e os implementos tinham garfos que se prendiam a ela utilizando pinos. Foi uma evolução natural dos equipamentos tracionados por animais (normalmente cavalos), utilizados durante décadas na mecanização da agricultura, tanto na Europa como na América do Norte.

A substituição dos animais por tratores a vapor representou um avanço significativo na evolução da mecanização agrícola, mas não foi acompanhada por uma evolução dos implementos, mantendo-se em uso os mesmos equipamentos usados anteriormente.

Até que surgiu Henry George (Harry) Ferguson (1884-1960), que viria a ser um dos fundadores da Massey-Ferguson. Ele foi o inventor do engate de três pontos, patenteado em 1926 na Grã-Bretanha quando tinha apenas 27 anos.

Nascido na Irlanda, Harry era filho de fazendeiros e contribuiu significativamente para a engenharia em geral. Até hoje é reconhecido por feitos como construir e pilotar seu próprio avião, desenvolver o primeiro carro de Fórmula 1 e contribuir para o desenvolvimento do controle de tração desses veículos, utilizado no Jensen FF, além de criar o sistema de três pontos para fixação dos acessórios ao trator.

Também era um defensor da fixação rígida do arado ao trator, liderando a divulgação e a venda da ideia durante muitos anos. Entre 1916 e 1926, buscou várias alternativas hidráulicas e mecânicas, até chegar à solução mecânica patenteada.

NOVO ENGATE

Inquieto, Ferguson não considerava satisfatórias as soluções utilizadas até então para acoplamento dos implementos ao trator. Foi então que desenvolveu uma unidade que integrava os dois componentes, o que propiciou maior manobrabilidade em curvas, nas extremidades da lavoura, nos cantos e no transporte. O novo engate reagia à ação da carga, transferindo a resistência do implemento em contato com o solo para o trator, aumentando assim a tração e a capacidade de trabalho. Durante a década de 30, ele continuou a vender seus engates e chegou a produzir seu próprio modelo de trator, em cooperação com a David Brown, através da Ferguson-Brown Company.

Conceitualmente, a distribuição dos três pontos é semelhante a uma letra “A”, sendo a forma mais simples de unir dois corpos na engenharia. O engate conecta o implemento ao trator de forma que a orientação do implemento fique fixa em relação ao equipamento.

A geometria da ligação entre o arado e o trator fazia com que o peso (ou parte dele) e os esforços gerados pelo arado fossem transmitidos para as rodas traseiras (motrizes) do trator, permitindo que Ferguson fabricasse tratores mais leves e fáceis de manobrar que os equivalentes produzidos pela concorrência. Isso se traduzia em economia de combustível e maior produção, além de menos danos por compactação do solo e possibilidade de trabalho em solos mais macios.

Equipado com o engate de três pontos, o Ford 9N era um trator leve (1.100 kg) que podia arar mais de 5 hectares por dia puxando dois arados de 14”, superando o desempenho do Farmall F-30, por exemplo, que era mais pesado e mais caro. Além disso, o engate de três pontos impedia que o trator girasse sobre as rodas traseiras, caso o implemento atingisse uma rocha ou outro obstáculo.

Imagem de época mostra o inventor operando um trator B4WD99

Em meados de 1920, o sistema foi vendido por Ferguson para uso nos tratores Fordson. Mas essa aplicação só ganhou destaque em 1928, quando Henry Ford resolveu aperfeiçoar sua produção. Isso aproximou Ford de Ferguson, que decidiu trocar a ligação mecânica utilizada no projeto por uma hidráulica com três pontos e elementos automatizados de controle, que levaram ao primeiro protótipo de trator da marca Ferguson. O trator Ford-Ferguson 9N foi lançado no mercado norte-americano em 1939.

Mas a evolução continuou. Em 1937, Ferguson e sua equipe projetaram um dispositivo que permitia o funcionamento da bomba hidráulica com o trator parado, possibilitando a movimentação dos implementos nessa situação.

Em 1948, após se mudar para os Estados Unidos, criou uma marca própria e desenvolveu uma função que permitia o funcionamento da bomba hidráulica com a embreagem acionada, incorporada ao trator TO 35. Após a fusão da Massey e da Harris, o TO 35 passou a se chamar Ferguson 35, Massey Ferguson 65 e Massey Harris 50, este já na cor vermelha característica da marca. A Massey Ferguson e seu sistema hidráulico de três pontos causaram uma revolução no mercado, que foi bastante solicitada pelos clientes e copiada pelos concorrentes.

CONJUNTO

O engate de três pontos é composto por três braços móveis. Os dois inferiores (braços de elevação dos engates) são controlados pelo sistema hidráulico do trator, enquanto o braço central superior é móvel, geralmente sem acionamento hidráulico. O engate possui furos e cada braço conta com um dispositivo de fixação para acoplar os implementos.

O sistema Ferguson, todavia, não era apenas um engate melhor, mas um conjunto de implementos que aproveitavam melhor as vantagens do engate. Assim, durante a década de 40, os demais fabricantes foram obrigados a desenvolver melhorias em seus próprios engates, trazendo algumas vantagens do sistema Ferguson.
A International Harvester, por exemplo, lançou o Fast Hitch, enquanto a Allis-Chalmers lançou um acoplador de pressão que permitia fixar e soltar os implementos sem que o operador precisasse sair de seu assento. A JI Case, por sua vez, desenvolveu o Eagle Hitch, no que foi seguida pela John Deere.

Alguns desses sistemas utilizavam engates de dois pontos e não conseguiam levantar implementos pesados. Além disso, não havia compatibilidade entre os tratores e implementos de diferentes marcas, o que causou um elevado número de reclamações de usuários nas décadas de 40 e 50.

Mas à medida que as patentes da década de 30 começaram a expirar, os fabricantes de tratores e implementos – já nos anos 60 – concordaram em adotar o sistema de três pontos como padrão, intercambiável e completo para fixação dos implementos em tratores de qualquer marca. E diversas empresas também passaram a fornecer kits confiáveis para converter os sistemas antigos em soluções de três pontos.

Leia na próxima edição:
A evolução de um clássico