FECHAR
11 de março de 2010
Voltar
Elevadores

O avanço da tecnologia de cremalheira

Equipamentos acionados por pinhão e cremalheira ganham espaço na construção civil e em obras industrias

A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) concentra o maior número de elevadores de cremalheira ativos no Brasil, distribuídos em obras de construção civil e industrial. Segundo os especialistas ouvidos pela revista M&T, cerca de 70% dos elevadores em operação na RMSP adotam essa tecnologia. Na cidade do Rio de Janeiro, metade dos equipamentos seriam de cremalheira. As outras capitais brasileiras e o interior de São Paulo são mercados crescentes para os modelos acionados a pinhão e cremalheira, de acordo com entrevistados. Nesses locais, a relação 70/30 ainda é a favor dos elevadores convencionais.

A necessidade de aumentar a produtividade das obras, principalmente na construção civil, tem sido o grande impulsionador da compra ou dalocação dos elevadores de cremalheira, de acordo com a Rack Elevadores de Cremalheira, um dos fabricantes do equipamento. Construtoras imobiliárias como Gafisa, Cyrella e Even tendem a levar a tecnologia para suas obras em outros Estados, o que favorece a sua difusão, de acordo com o diretor da Rack, Bruno Padovani Cantalice. Para o engenheiro, o sistema tem uma série de vantagens sobre o equipamento movido a cabo de aço e a palavra-chave para diferenciar as duas tecnologias é adequação.

“O elevador a cabo para obras está ultrapassado. Recentemente, sofreu várias tentativas de aperfeiçoamento com o advento da NR-18, mas ainda assim o equipamento está condenado por várias razões, entre elas a inadequada relação entre polias e cabos, a elevada interferência na fachada e a precária fixação do elevador à fachada”, avalia o especialista. “Essa inadequação pode ser corrigida, mas  ao se fazer o redimensionamento, estaríamos criando um equipamento que já existe: o elevador de cremalheira”, resume Cantalice.

De acordo com ele, o elevador de cremalheira já foi projetado desde o início para as atividades de campo, o que, entre outras vantagens, explica a facilidade no seu processo de montagem e desmontagem. Os equipamentos dessa modalidade são pré-montados, mecânica e eletricamente. Uma análise comparativa da Rack indica que um elevador de cremalheira para uso em construção civil exije um tempo de instalação de uma semana, enquanto o elevador a cabo demanda pelo menos o dobro. No caso de obras industriais, o tempo é mais alongado: de 3 a 4 semanas para o mecanismo de cremalheira, contra de 10 a 12 semanas para o dispositivo convencional.