FECHAR
FECHAR
07 de maio de 2020
Voltar
Compactação

Novos rolos compactadores

Sistema integrado Ingersoll-Rand

A Caterpillar está mesmo decidida a disputar o mercado de compactação -com uma linha ampla de rolos compressores. Depois da série 400 (CS 431 C, CS 433 C e CP 433 C) que passou a ser fabricada no Brasil a partir do ano passado, a
empresa-embora não confirme oficialmente -já prepara o lançamento da série 500.
A série 400 - com peso operacional de 7 Kg e potência líquida de 92 I IP e bruta de 105 HP-é considerada de média produção (385 md/hora) desenvolvidos para obras urbanas e estradas vicinais. já a linha 500 terá força de compactação de 24 t e poderá ser utilizado com folga em rodovias.
Tanto uma série quanto outra incorporam novidades introduzidas pela Caterpillar nesse tipo de equipamento. Alguns modelos, por exemplo, possuem um sistema hidráulico com bombas duplas independentes para tração do rolo e do eixo traseiro. A Caterpillar também patenteou um sistema depesos excêntricos de dupla.
Outra novidade é uma pequena lâmina, que pode ser instalada no campo através de um kit de montagem. O kit para transformação rápida dos tambores liso em pé-de carneiro ainda não está disponível, mas já está em desenvolvimento pela engenharia da fábrica. A Caterpillar destaca entre as vantagens de sua linha de rolos compactadores a grande diferença entre a alta e a baixa amplitude, tornando possível reduzir a força máxima para praticamente a metade quando houver necessidade.
Mais um novo modelo de compactador está sendo colocado no mercado pela Svedala Dynapac. Trata-se do rolo vibratório articulado de duplo cilindro em tandem, modelo C322, na classe de 8 t, complementando uma linha que já conta com o 222 (7 t), o CC422 (10 t) e o C522 (12 t).

O Dynapac CC322 foi desenvolvido para compactação de misturas asfálticas de médio e grande porte e pode ser empregado na compactação de solos granulares, bases e subbases. Com amplitude dupla, largura de rolagem de1.680 mm etração extr


Sistema integrado Ingersoll-Rand

A Caterpillar está mesmo decidida a disputar o mercado de compactação -com uma linha ampla de rolos compressores. Depois da série 400 (CS 431 C, CS 433 C e CP 433 C) que passou a ser fabricada no Brasil a partir do ano passado, a
empresa-embora não confirme oficialmente -já prepara o lançamento da série 500.
A série 400 - com peso operacional de 7 Kg e potência líquida de 92 I IP e bruta de 105 HP-é considerada de média produção (385 md/hora) desenvolvidos para obras urbanas e estradas vicinais. já a linha 500 terá força de compactação de 24 t e poderá ser utilizado com folga em rodovias.
Tanto uma série quanto outra incorporam novidades introduzidas pela Caterpillar nesse tipo de equipamento. Alguns modelos, por exemplo, possuem um sistema hidráulico com bombas duplas independentes para tração do rolo e do eixo traseiro. A Caterpillar também patenteou um sistema depesos excêntricos de dupla.
Outra novidade é uma pequena lâmina, que pode ser instalada no campo através de um kit de montagem. O kit para transformação rápida dos tambores liso em pé-de carneiro ainda não está disponível, mas já está em desenvolvimento pela engenharia da fábrica. A Caterpillar destaca entre as vantagens de sua linha de rolos compactadores a grande diferença entre a alta e a baixa amplitude, tornando possível reduzir a força máxima para praticamente a metade quando houver necessidade.
Mais um novo modelo de compactador está sendo colocado no mercado pela Svedala Dynapac. Trata-se do rolo vibratório articulado de duplo cilindro em tandem, modelo C322, na classe de 8 t, complementando uma linha que já conta com o 222 (7 t), o CC422 (10 t) e o C522 (12 t).

O Dynapac CC322 foi desenvolvido para compactação de misturas asfálticas de médio e grande porte e pode ser empregado na compactação de solos granulares, bases e subbases. Com amplitude dupla, largura de rolagem de1.680 mm etração extra devido aos motores adicionais montados diretamente nos cilindros, o equipamento
tem força centrífuga, cm cada cilindro, de 11.200 Kp {alta amplitude) ou 4.700 Kp (baixa amplitude). No CC322, o posto do operador desloca-se lateralmente e pode girar mais de 180ºC, o volante é ajustávele há um sistema de frenagem automática, em caso defalha. Há opção também dese equipar o compactador com direção pivotada no cilindro traseiro
Já a linha da Ingersoll-Rand é composta por três grandes famílias: adouble drum (DD) de dois tambores, para asfalto. A SD (single drum), de tambor dianteiro, para solo, e também a CR (o rolo combinado), um equipamento híbrido com tambor na frente e pneus atrás — uma invenção japonesa.
A Ingersoll-Rand destaca em seus equipamentos a constância das batidas, ou seja, do número de golpes por metro de
estrada - tudo feito por sistema hidráulico. Outro conceito invoador, segundo a Ingersoll-Rand, a maioria dos fabricantes
só tem duas frequências (alta e baixa), mas os rolos de asfalto da Ingersoll têm oito posições, o que garante um ajuste fino na frequência de batidas, segundo as especificações dos órgãos governamentais.
Um outro ponto a seu favor seria a ergonometria, incluindo comandos fáceis, acessíveis e acentos giratórios para o operador. O mecânico também não precisa subir na máquina em serviços dc manutenção porquetodos os componentes são acessíveis do solo.
Outro diferencial é o kit para transformação de rolos lisos em pés de carneiro. Trata-se basicamente de uma capa que
pode ser instalada em poucos minutos com auxílio de uma empilhadeira ou de um caminhão munck.

Caterpillar aposta na série 500 nas estradas

LINHA LEVE

Na linha de compactação leve, os três tipos de equipamentos típicos - os martelos, as placas vibratórias e as placas
vibratórias reversíveis - também têm passado por alguns desenvolvimentos nos últimos tempos. A Flygt do Brasil, por
exemplo, acaba de lançar no mercado os soquetes vibratórios Dynapac modelos LT 52 e LB 62. com motor a gasolina 4
tempos Honda. Nessa nova geração de soquetes vibratórios, o avanço tecnológico caminha no sentido de se obter maior manobrabilidade, resistência e tração. O objetivo principal, no entanto, é o de se atingir um melhor balanceamento do conjunto e altas amplitudes. A LT 52 tem peso operacional de 55 Kg, frequência de 600 vpm e amplitude de 40 mm. Já o modelo LT62 tem peso operacional de 72 Kg, frequência também de 600 vpm, mas amplitude de 64 mm. O motor Honda no primeiro caso tem potência de 2,5 HP e, no segundo, de 4 HPs. A velocidade de operação de ambos os modelos é de aproximadamente 13m/m. A aplicação típica desse tipo de equipamento são os trabalhos em valetas, ao redor de tubulações ou em espaços confinados na compactação de solos de areia ou cascalho, argila e silte.
A fabricante norte-americana Multiquip também está trazendo para o Brasil a sua linha leve para compactação, incluindo placas vibratórias, os “sapinhos” e rolos compactadores (com peso máximo de 3,300 Kg).
Há alguns modelos fabricados no México, como o VR 36 HA, de 1.261 Kg, acionado por motor a gasolina, e outros made in germany, como o T16 (1.700 Kg), o T23 (2360 Kg), o T 26 (2.670 Kg) e o T 33 (3.380 Kg). Esses últimos modelos compõem a família Multiquip Rammax - com vibração nos dois tambores e possibilidade de se trabalhar alinhados ou desalinhados. Todos são equipados com transmissão hidráulica e o acionamento é feito por motor a diesel. A mesma família Rammax também tem um modelo, de “quatro tambores” (ou dois bipartidos), dotado de controle remoto para o trabalho em valas.
A própria Ingersoll-Rand também disputa esse mercado com o FX 130, um compactador vibratório com pés de carneiro de direção hidráulica desenvolvido para a compactação de valas. Com peso de 1,21 e motor de 10,5 K\v, esse compactador pode ser controlado manualmente ou por controle remoto, evitando eventuais acidentes com o operador no caso de desmoronamentos na vala.

Dynapac: novos modelos para mantes liderança