FECHAR
FECHAR
13 de novembro de 2018
Voltar
Estudo de Mercado

No loop da montanha-russa

Após a vertiginosa oscilação vivida nos últimos anos, ninguém espera uma explosão de vendas em 2019, mas um período de crescimento moderado não fará mal algum ao setor
Por Brian Nicholson

A essa altura, já não restam dúvidas de que o setor de construção e, por tabela, o mercado para equipamentos de construção sentem o cheiro de novos ares. As vendas de equipamentos vêm crescendo, assim como o nível de atividade de muitas construtoras e locadoras, de modo que o otimismo ronda o setor como há muito não ocorria, embora em boa parte mais pelas perspectivas ainda incertas de um novo governo.

Como revela este Estudo de Mercado Sobratema 2018-2019, são muitas as indicações de que o pior já passou. Todavia, após a oscilação dos últimos anos entre um crescimento que parecia não ter fim – mas que acabou – e uma queda antes inimaginável – mas que aconteceu – toda cautela é pouca. “Apesar de não haver previsão de novos investimentos em equipamentos no médio prazo, em função da alta ociosidade da frota, minha percepção é de que as coisas estão melhorando”, deu o tom um alto executivo de uma grande construtora.

O ano que começou com otimismo também termina assim, embora só após superar dramas políticos e enorme turbulência na economia, a ponto de obrigar a inédita postergação da feira M&T Expo. Do mesmo modo, o ciclo anual termina em um cenário repleto de sinais por vezes nebulosos ou até mesmo contraditórios, como veremos.

No Gráfico 1, podemos acompanhar a evolução do ânimo das construtoras e locadoras ao longo dos últimos 12 meses. Nele, podemos inicialmente constatar que, em outubro do ano passado, o otimismo venceu o pessimismo, tanto nas perspectivas para a economia brasileira, quanto para o setor de construção e para as próprias empresas participantes da sondagem. Mas, conforme também revela o Gráfico 1, após 12 meses o sentimento havia piorado. Para 43% das empresas ouvidas, 2018 foi “pior” ou “muito pior” que o esperado, contra 14% que consideraram o ano “melhor” – vale notar que a precisão estatística de uma sondagem com três dezenas de participantes é relativamente limitada, mas ainda assim útil para apontar as macrotendências.

Gráfico 1. Expectativas frustradas

Fontes: Sobratema Estudos de Mercado 2017 e 2018; sondagens com empresas que compram equipamentos de construção; universo 2017: 32 emmpresas; 2018: 28 empresas

EXPECTATIVAS