FECHAR
17 de julho de 2019
Voltar
Soluções Florestais

Mecanização que agrega valor

Líder de mercado em âmbito global, país assiste à evolução das tecnologias para processamento e transporte de madeira, cujas exportações avançaram 25,5% em 2018
Por Antonio Santomauro

Dependentes diretos de matérias-primas provenientes da atividade florestal, os setores de papel, celulose e painéis de madeira conseguem, até mesmo por sua significativa atividade exportadora, registrar índices de expansão pouco comuns no atual contexto da economia nacional (confira Quadro na pág. 26). E, juntamente com a siderurgia, demandam suprimento contínuo e volumoso de insumos, nesse caso gerados em plantas de reflorestamento.

Para atender a essa demanda e, simultaneamente, ajudar a manter a competitividade de seus clientes no disputado mercado global, a aquecida indústria florestal precisa investir em equipamentos de incremento de sua produtividade. Muitos deles têm nomes anglófilos ainda pouco conhecidos até mesmo por profissionais mais afeitos ao universo das máquinas, como feller-buncher e harvester, que são capazes de conferir taxas expressivas de mecanização a essa indústria.

Conforme estimativas de Rodrigo Junqueira, gerente de vendas e marketing da divisão florestal da John Deere para a América Latina, mais de 80% da colheita florestal no Brasil já são mecanizados. “Atualmente, mesmo os pequenos produtores florestais já vêm migrando de motosserras para máquinas florestais profissionais”, relata.

Lançado em 2018, o cabeçote C144 para harvesters promete maior força de tração

Para esse mercado, no qual é um dos principais fabricantes globais, a John Deere conta com equipamentos como feller-bunchers, harvesters – ambos de pneus ou esteiras –, forwarders, skidders e cabeçotes, dentre outros itens. No Brasil, a unidade de Indaiatuba (SP) produz o modelo 2144G, por exemplo, que integra as operações de harvester, processador, garra traçadora e carregadora florestal. A máquina possui cinco configurações operacionais e de sistema hidráulico, que permitem ajustes conforme as características da floresta, além de trazer cabine florestal ROPS/FOPS/OPS, dentre outras características técnicas.

O custo de aquisição de uma máquina florestal como esta, compara Junqueira, não difere muito do cobrado por uma colheitadeira agrícola, que a marca também produz. Mas ainda não são tão comuns por aqui. “No Brasil, são comercializadas aproximadamente 450 máquinas florestais a cada ano”, posiciona o profissional.