FECHAR
FECHAR
06 de março de 2020
Voltar
Entrevista

MARTIN HERRENKNECHT

"O BRASIL TEM TUDO PARA DECOLAR”

Em visita ao país, o fundador e CEO da fabricante alemã Herrenknecht AG, Martin Herrenknecht, fez questão de ressaltar a importância do Brasil para a indústria global de tuneladoras e sistemas de perfuração, apontando ainda para a necessidade de se estreitar laços, especialmente econômicos, entre os dois países.

Natural de Lahr, o executivo é formado em engenharia mecânica pela Universität Konstanz e recebeu o título de doutorado pela Technische Universität Braunschweig em 1998. Ainda no início de sua carreira, atuou como projetista de máquinas para construção e foi responsável técnico de obras em países como Suíça, Canadá e Alemanha, experiência que resultaria na criação da própria empresa, em 1977.

Autor do livro ‘Hardrock Tunnel Boring Machines’ (2008), junto a outros autores, o executivo amealhou durante a carreira diversos prêmios e homenagens dos setores da construção civil e da indústria mecânica ao redor do mundo, culminando em 2015 na conquista do Anel Werner von Siemens, um dos mais prestigiosos prêmios na área de ciências técnicas da Alemanha.

Sediada em Schwanau, no estado alemão de Baden-Württemberg, a Herrenknecht é um dos principais players globais do segmento e participa de grandes obras em diferentes países. No Brasil, a empresa marca presença desde 2008, com a Herrenknecht do Brasil, que já atuou em alguns dos mais importantes projetos de engenharia tocados em território nacional.

Durante sua estadia no país, o CEO aproveitou para conversar com políticos e especialistas locais a fim de saber mais sobre as obras de infraestrutura que vêm sendo planejadas no país, prospectando oportunidades para a participação da empresa.

No meio tempo, concedeu esta entrevista exclusiva à Revista M&T, na qual discorre sobre temas como novas tecnologias e sistemas construtivos, além de destacar os setores com maior potencial de inovação nas obras pelo país, como metrôs e “utilities tunnels”, sobretudo com foco


Em visita ao país, o fundador e CEO da fabricante alemã Herrenknecht AG, Martin Herrenknecht, fez questão de ressaltar a importância do Brasil para a indústria global de tuneladoras e sistemas de perfuração, apontando ainda para a necessidade de se estreitar laços, especialmente econômicos, entre os dois países.

Natural de Lahr, o executivo é formado em engenharia mecânica pela Universität Konstanz e recebeu o título de doutorado pela Technische Universität Braunschweig em 1998. Ainda no início de sua carreira, atuou como projetista de máquinas para construção e foi responsável técnico de obras em países como Suíça, Canadá e Alemanha, experiência que resultaria na criação da própria empresa, em 1977.

Autor do livro ‘Hardrock Tunnel Boring Machines’ (2008), junto a outros autores, o executivo amealhou durante a carreira diversos prêmios e homenagens dos setores da construção civil e da indústria mecânica ao redor do mundo, culminando em 2015 na conquista do Anel Werner von Siemens, um dos mais prestigiosos prêmios na área de ciências técnicas da Alemanha.

Sediada em Schwanau, no estado alemão de Baden-Württemberg, a Herrenknecht é um dos principais players globais do segmento e participa de grandes obras em diferentes países. No Brasil, a empresa marca presença desde 2008, com a Herrenknecht do Brasil, que já atuou em alguns dos mais importantes projetos de engenharia tocados em território nacional.

Durante sua estadia no país, o CEO aproveitou para conversar com políticos e especialistas locais a fim de saber mais sobre as obras de infraestrutura que vêm sendo planejadas no país, prospectando oportunidades para a participação da empresa.

No meio tempo, concedeu esta entrevista exclusiva à Revista M&T, na qual discorre sobre temas como novas tecnologias e sistemas construtivos, além de destacar os setores com maior potencial de inovação nas obras pelo país, como metrôs e “utilities tunnels”, sobretudo com foco em saneamento. “Por sua necessidade em infraestrutura, o Brasil apresenta grandes oportunidades para a indústria”, diz ele. “E esse é o momento certo de se investir.”

Segmento de “utilities tunnels” é um dos focos da empresa no Brasil, diz executivo

  • Qual é a principal tendência global no segmento de tuneladoras atualmente?

Em especial, eu diria que a automação é uma tendência importante. Na Herrenknecht, trabalhamos com tuneladoras grandes, médias e pequenas, os populares “tatuzões” e “tatuzinhos”, variando de 30 cm para a maior máquina do mundo, com diâmetro de 17,6 m. E, no momento, estamos apostando na automação desses sistemas e no uso de tecnologia onde for possível, com um avanço contínuo e ininterrupto de desenvolvimento.

  • E no que se refere às estruturas dos túneis, o que se destaca?

Nesse aspecto, a tendência observada é que os túneis – ou os percursos a serem percorridos – vêm se tornando cada vez mais longos e profundos.

Na Europa, por exemplo, temos o túnel ferroviário de Saint Gotthard, na Suíça, com 57 km de extensão, e o túnel subterrâneo sob o Estreito de Bósforo, em Istambul, que une a Europa à Ásia, com 13,6 km de extensão, dos quais 1,4 km são construídos por baixo do mar.

  • As micromáquinas tendem a se popularizar em que tipo de obra?

Na área de micromáquinas já temos várias unidades em operação, utilizadas principalmente em canalização, para coleta e tratamento de esgoto.

São obras de extrema necessidade, tanto nas grandes cidades quanto nas áreas urbanas de porte médio e mesmo menores, pois o esgotamento é uma questão de saúde pública, uma área que é fundamental para o bem-estar da população e para o próprio meio ambiente. Além disso, há outras obras em que os equipamentos da Herrenknecht já são aplicados com grande visibilidade, como soluções para emissários, que são integradas aos sistemas de tratamento e disposição de esgotamento sanitário em cidades litorâneas.

  • E qual é a perspectiva em relação a obras no Brasil?

Estamos bem otimistas, principalmente com a retomada econômica, o que se reflete no surgimento de projetos em metrôs, como a extensão das Linhas 2 e 6, em São Paulo. Mas estão despontando projetos importantes no Brasil em todas as áreas, como túneis para canais e para coleta de esgoto, que depois será levado para tratamento. Também estamos desenvolvendo novas máquinas para túneis com diâmetros menores e extensão mais longa, para a construção de “utilities tunnels”, que são utilizados para transportar eletricidade e canos de abastecimento de água e de esgoto.

Enxergamos perspectivas positivas no Brasil para todos esses tipos de túneis.

Para Herrenknecht, o potencial para obras de túneis é imenso no país

  • Desde a chegada da empresa, quais foram os destaques em termos de obras no país?

Um dos destaques da tecnologia da empresa aplicada no Brasil certamente foi construção do túnel da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro, uma obra que utilizou um modelo EPB (Earth Pressure Balanced) Shield S-769 híbrido, customizado para escavação de um túnel de 4.810 m em rocha e areia, considerada a maior intervenção de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina, o que foi reconhecido em âmbito internacional com a conquista do ITA Tunneling Awards de 2016, o maior prêmio do setor de construção de túneis do mundo. Além dessa obra, outro destaque foi o trabalho realizado no Aeroporto de Goiânia, em Goiás, em que uma máquina da empresa atravessou a pista de pouso e decolagem com o aeroporto em pleno funcionamento. A obra foi feita de maneira cirúrgica, pois era uma operação sensível, em que evidentemente não podia haver qualquer vibração ou trepidação, muito menos falhas, como afundamento da pista.

  • Qual é a participação do Brasil nos resultados globais da empresa?

De forma geral, a empresa registrou globalmente um resultado de 1,25 bilhão de euros, sendo que o mercado brasileiro representa 5% desse valor.

Pode parecer um número pequeno, mas o Brasil tem um potencial muito maior e acredito que certamente irá aumentar nos próximos anos. Mais que isso, se olhamos a potencialidade da América do Sul, que será atendida a partir do Brasil, veremos que há um potencial imenso na região, tanto na área de rodovias, como de ferrovias, metrôs e “utilities tunnels”. Já temos uma posição bastante forte na América Latina, com vários projetos em países como Argentina, Peru, Equador e Chile, mas acredito que nos próximos anos o desenvolvimento mais rápido e promissor será mesmo no Brasil.

  • A propósito, o que foi debatido em seu encontro com representantes do governo?

De fato, estivemos em Brasília e conversamos com o coordenador geral do Ministério da Infraestrutura, Rafael Magalhães Furtado, e com o ministro de Desenvolvimento Regional, Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto, sobre as obra de infraestrutura em geral no país, o que está sendo planejado. Além disso, também encontramos o governador de São Paulo, João Dória, que reforçou a necessidade de ampliação da rede de metrô na capital, além da prioridade urgente que é o saneamento, de melhorar o tratamento de esgoto no estado. Evidentemente, enxergamos uma possibilidade clara de atuar nesses setores, reforçando nossa presença com os maquinários e tecnologias disponíveis.

  • E como avalia as mudanças em curso no Brasil?

Acredito que as privatizações contribuirão para o desenvolvimento do país. Durante nossa visita ao Brasil, em janeiro, tive a companhia do Gerhard Schröder, ex-chanceler da Alemanha e que atualmente integra o conselho da Herrenknecht. Na ocasião, ele também reafirmou a importância do país, que tem um enorme potencial econômico e há décadas conta com vínculos importantes com a Europa, em especial com a Alemanha. Segundo sua opinião, no que eu concordo totalmente, o Brasil tem tudo para fazer a economia decolar, como pessoas qualificadas e commodities que o mundo precisa, além de uma capacidade extraordinária de trabalhar e cooperar com outros mercados.

Saiba mais:
Herrenknecht:
www.herrenknecht.com

Mais materias sobre esse tema

Edição 247

Edição 246

Edição 245

Edição 244

Edição 242