FECHAR
FECHAR
06 de março de 2020
Voltar
Drones

Inovação em sensoriamento aéreo

Cada vez mais comum na construção, uso de drones com laser acoplado auxilia no monitoramento de áreas, permitindo obter dados mais precisos em um curto espaço de tempo

A precisão é uma das características que vêm provocando um aumento exponencial do uso de drones em obras de infraestrutura, mineração, produção agrícola e outras atividades produtivas, contribuindo para a otimização do tempo e, ainda, para a necessária redução de custos operacionais.

Isso já é bastante conhecido, inclusive no Brasil. Mas a eficácia do trabalho executado pelos drones, como explica Fábio de Novaes, CEO da RuralTech, tende a se potencializar ainda mais com a utilização conjunta de lasers escâneres, uma tecnologia utilizada para capturar objetos físicos digitalmente por meio da emissão de feixes de raio laser.

Em linhas gerais, o equipamento captura as imagens e as converte em uma nuvem de pontos, com precisão absoluta. “Os avanços na tecnologia, não apenas nos próprios equipamentos, mas também nos sensores que eles podem carregar, têm permitido a geração de produtos cada vez mais precisos e detalhados”, descreve o executivo, cuja empresa é especializada em tecnologias para o campo.

Os sensores, explica Novaes, podem ser embarcados em aeronaves tripuladas ou em drones, tornando possível confeccionar mapas em escalas maiores e com maior nível de detalhamento. Um exemplo avançado dessas soluções, diz ele, está na utilização do sistema LiDAR (Light Detection and Ranging) em VANTs/drones, que consiste em um método de sensoriamento remoto em 3D que utiliza laser pulsado para medir distâncias. “Ao utilizar drones, o operador estará mais próximo à região mapeada, o que confere um melhor reconhecimento acerca das características do local”, afirma o CEO. “Além disso, o uso de drones possibilita a realização de levantamentos em áreas de difícil acesso, reduzindo assim os riscos humanos.”

TAREFAS

Com tais características, o sistema LiDAR promete maior eficácia em tarefas de levantamento e mapeamento rápidos e precisos de diferentes tipos de infraestrutura e recursos naturais, podendo ser util


A precisão é uma das características que vêm provocando um aumento exponencial do uso de drones em obras de infraestrutura, mineração, produção agrícola e outras atividades produtivas, contribuindo para a otimização do tempo e, ainda, para a necessária redução de custos operacionais.

Isso já é bastante conhecido, inclusive no Brasil. Mas a eficácia do trabalho executado pelos drones, como explica Fábio de Novaes, CEO da RuralTech, tende a se potencializar ainda mais com a utilização conjunta de lasers escâneres, uma tecnologia utilizada para capturar objetos físicos digitalmente por meio da emissão de feixes de raio laser.

Em linhas gerais, o equipamento captura as imagens e as converte em uma nuvem de pontos, com precisão absoluta. “Os avanços na tecnologia, não apenas nos próprios equipamentos, mas também nos sensores que eles podem carregar, têm permitido a geração de produtos cada vez mais precisos e detalhados”, descreve o executivo, cuja empresa é especializada em tecnologias para o campo.

Os sensores, explica Novaes, podem ser embarcados em aeronaves tripuladas ou em drones, tornando possível confeccionar mapas em escalas maiores e com maior nível de detalhamento. Um exemplo avançado dessas soluções, diz ele, está na utilização do sistema LiDAR (Light Detection and Ranging) em VANTs/drones, que consiste em um método de sensoriamento remoto em 3D que utiliza laser pulsado para medir distâncias. “Ao utilizar drones, o operador estará mais próximo à região mapeada, o que confere um melhor reconhecimento acerca das características do local”, afirma o CEO. “Além disso, o uso de drones possibilita a realização de levantamentos em áreas de difícil acesso, reduzindo assim os riscos humanos.”

TAREFAS

Com tais características, o sistema LiDAR promete maior eficácia em tarefas de levantamento e mapeamento rápidos e precisos de diferentes tipos de infraestrutura e recursos naturais, podendo ser utilizado para gerar mapas de alta resolução desde topografia até mineração, passando por atividades florestais, agrícolas, industriais, ambientais e de construção.

Drones e VANTs equipados com sensores estão revolucionando a área de mapeamentos

Nessas áreas, por sua vez, a tecnologia pode ser empregada em uma multiplicidade de tarefas, incluindo levantamento de dados de estruturas, operações industriais em refinarias, produção de seções topográficas sem desmatamentos, controle de invasões sob vegetação ciliar e de barrancos com processos erosivos e levantamento de danos causados por desastres naturais ou por falhas estruturais, assim como levantamento de volumes em cavas e/ou locais com topografia complexa. “Com os sensores acoplados aos drones é possível ainda realizar o levantamento de áreas de futuras obras e de ombreiras de pontes, além do levantamento detalhado de pedreiras e jazidas minerárias”, comenta Novaes. “Por tudo isso, a utilização de levantamentos topográficos com laser escâner embarcado sem dúvida é inovadora e disruptível.”

A tecnologia, todavia, vai além. Como ressalta Thomas Galsecker, gerente sênior da Riegl, empresa que atua na fabricação de aparelhos e softwares com tecnologia de levantamento e processamento de escaneamento a laser, os sensores ativos são capazes inclusive de penetrar na vegetação e superar pequenas lacunas entre as feições sobre a superfície terrestre, além de reconhecer feições estreitas, como linhas de transmissão de energia e atividades de agricultura de precisão, tudo por meio da elaboração de produtos digitais sofisticados como MDT (Modelo Digital do Terreno) e MDS (Modelo Digital de Superfície).

Segundo o especialista da Riegl, que no Brasil é representada pela CPE Tecnologia, o país já conta com a oferta de soluções como o modelo miniVUX-1UAV, que consiste em um escâner a laser aerotransportado extremamente leve, concebido especificamente para integração com Veículos Aéreos Não-Tripulados (VANT). “A resolução multialvo é a base para penetrar mesmo em folhagem mais densa”, assegura Galsecker. “O equipamento conta ainda com campo de visão de 360º, autonomia de voo de 30 min, alcance de 150 a 250 m, altura de voo de 80 m e produtividade de até 250 ha/dia.”

PRECISÃO

Como frisa Novaes, da RuralTech, a utilização de drones equipados com escâneres traz vantagens até mesmo em relação à utilização de aeronaves convencionais, pois – além do custo mais competitivo – oferecem uma menor altura de voo. “Isso resulta em uma escala maior e maior precisão da determinação de feições reduzidas, assim como na estimativa das dimensões das árvores e na penetração na cobertura vegetal, além de tempo reduzido de mobilização”, diz ele.

Recentemente, a capacidade da tecnologia foi posta à prova em uma situação emergencial ocorrida em Minas Gerais. Como relata Novaes, a RuralTech realizou um levantamento emergencial utilizando drones com laser escâner acoplado em um estudo da área escolhida para a construção de uma barragem de contenção na Represa Superior Sul, na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG). “No período em que ocorreu essa vistoria o acesso à região estava proibido, impossibilitando medições com estação total em decorrência de vegetação densa, além da proibição de trânsito de pessoas e acesso de veículos”, descreve o executivo. “E o levantamento com o laser transportado obteve bons resultados, principalmente pela rapidez e precisão na obtenção dos dados, feita com grande nível de detalhamento”, arremata.

Mercado ganha padronização para drones

Mercado de drones deve chegar a US$ 40 bilhões até 2024

Um novo conjunto de padrões internacionais abrangendo qualidade, segurança e procedimentos operacionais de drones comerciais foi lançado recentemente pela International Organisation for Standardisation (ISO). Segundo a publicação ‘International Construction’, a padronização – a primeira de uma série ainda por vir – ajudará a modelar aspectos regulatórios e legais para drones em um mercado promissor, que deve saltar de US$ 4 bilhões para US$ 40 bilhões até 2024. Também conhecidos como Veículos Aéreos Não-Tripulados, os drones vêm se tornando cada vez mais comuns na indústria da construção, onde atualmente são utilizados para levantamentos topográficos e registros do progresso das obras, dentre outras tarefas. “Os drones oferecem uma oportunidade econômica única para os negócios e países dispostos a se antecipar e abraçar esta tecnologia”, disse Robert Garbett, coordenador do Grupo de Trabalho da ISO responsável pela elaboração dos padrões globais para o segmento.

“Pelo que temos visto, os novos padrões serão muito bem-vindos e ajudarão as organizações a descobrir como utilizar a tecnologia de drones para melhorar sua competitividade, adicionando valor e criando crescimento e postos de trabalho no setor.”

Saiba mais:
CPE: www.cpetecnologia.com.br
Riegl: www.riegl.com
RuralTech: ruraltech.com.br