FECHAR
FECHAR
05 de agosto de 2011
Voltar
Empresa

Hyundai inicia instalação de fábrica no Brasil

Fabricante coreana investe US$ 150 milhões para a produção de escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras e retroescavadeiras no Rio de Janeiro

Uma cidade com pouco mais de 30 mil habitantes, que não se caracteriza pela forte atividade industrial, foi a escolhida pela Hyundai Heavy Industries para a instalação da sua fábrica de equipamentos no Brasil. Trata-se do município fluminense de Itatiaia, próximo à divisa com o estado de São Paulo, onde a empresa planeja investir US$ 150 milhões, nos próximos cinco anos, para montar um complexo industrial com capacidade para a produção de 5.000 unidades/ano, entre escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras e retroescavadeiras.

O vice-presidente da Hyundai M. J. Lee explica que a escolha da cidade se baseou em uma combinação entre os benefícios fiscais concedidos pelos governos municipal e do Rio de Janeiro, aliados à privilegiada localização de Itatiaia, que fica próxima aos principais centros consumidores do Brasil. “Além disso, o município é servido pela principal rodovia do país e por ferrovias que dão acesso aos portos de São Paulo e Rio de Janeiro”, completa Felipe Cavalieri, presidente da Brasil Máquinas (BMC), distribuidora da Hyundai e sua parceira no projeto da fábrica brasileira.

Mão de obra local

Cavalieri diz que a empresa terá uma participação entre 20% e 25% no empreendimento, por meio de uma operação na qual a fabricante coreana assumirá uma parte do capital da distribuidora. “Nossa parceria se baseia na complementaridade de competências, envolvendo a expertise da Hyundai na fabricação de equipamentos para construção e a nossa no conhecimento do mercado e na área de comercialização”, ele afirma.

No fim de julho, executivos da fabricante coreana e da distribuidora brasileira assinaram termos de compromisso com o governo do Rio e a prefeitura de Itatiaia para a instalação da fábrica, que deverá entrar em operação em 2012. As construtoras responsáveis pela terraplenagem do terreno já foram selecionadas e os investidores estão montando em Itatiaia, juntamente com o poder público e órgãos de ensino, uma estrutura para treinamento da mão de obra a ser contratada. “Daremos prioridade para a população local”, ressalta Cavalieri.

Segundo ele, o projeto deverá gerar 500 empregos diretos em sua primeira etapa de implantação, chegando a 1.500 empregos quando a fábrica estiver a plena produção. A primeira fase do empreendimento envolve a instalação de uma unidade industrial com capacidade para a produção de escavadeiras hidr


Uma cidade com pouco mais de 30 mil habitantes, que não se caracteriza pela forte atividade industrial, foi a escolhida pela Hyundai Heavy Industries para a instalação da sua fábrica de equipamentos no Brasil. Trata-se do município fluminense de Itatiaia, próximo à divisa com o estado de São Paulo, onde a empresa planeja investir US$ 150 milhões, nos próximos cinco anos, para montar um complexo industrial com capacidade para a produção de 5.000 unidades/ano, entre escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras e retroescavadeiras.

O vice-presidente da Hyundai M. J. Lee explica que a escolha da cidade se baseou em uma combinação entre os benefícios fiscais concedidos pelos governos municipal e do Rio de Janeiro, aliados à privilegiada localização de Itatiaia, que fica próxima aos principais centros consumidores do Brasil. “Além disso, o município é servido pela principal rodovia do país e por ferrovias que dão acesso aos portos de São Paulo e Rio de Janeiro”, completa Felipe Cavalieri, presidente da Brasil Máquinas (BMC), distribuidora da Hyundai e sua parceira no projeto da fábrica brasileira.

Mão de obra local
Cavalieri diz que a empresa terá uma participação entre 20% e 25% no empreendimento, por meio de uma operação na qual a fabricante coreana assumirá uma parte do capital da distribuidora. “Nossa parceria se baseia na complementaridade de competências, envolvendo a expertise da Hyundai na fabricação de equipamentos para construção e a nossa no conhecimento do mercado e na área de comercialização”, ele afirma.

No fim de julho, executivos da fabricante coreana e da distribuidora brasileira assinaram termos de compromisso com o governo do Rio e a prefeitura de Itatiaia para a instalação da fábrica, que deverá entrar em operação em 2012. As construtoras responsáveis pela terraplenagem do terreno já foram selecionadas e os investidores estão montando em Itatiaia, juntamente com o poder público e órgãos de ensino, uma estrutura para treinamento da mão de obra a ser contratada. “Daremos prioridade para a população local”, ressalta Cavalieri.

Segundo ele, o projeto deverá gerar 500 empregos diretos em sua primeira etapa de implantação, chegando a 1.500 empregos quando a fábrica estiver a plena produção. A primeira fase do empreendimento envolve a instalação de uma unidade industrial com capacidade para a produção de escavadeiras hidráulicas e pás carregadeiras, totalizando 600 mil m² de área. Numa segunda etapa, a fábrica será ampliada e vai incorporar a produção de retroescavadeiras.

A terceira e última etapa do projeto envolverá a fabricação de equipamentos para geração de energia e para aplicação em estaleiros, conforme explica J. M. Lee, da Hyundai. “Nossa divisão de equipamentos pesados já atua no Brasil na área de construção naval, com participação no estaleiro OSX, e esse empreendimento chega para consolidar a participação do grupo no mercado brasileiro”, ele afirma.

Felipe Cavalieri destaca que o investimento nessa fábrica, a primeira instalada pela Hyundai Heavy Industries fora da Ásia, estava sendo programado para os Estados Unidos ou a Rússia. “O Brasil não estava na lista de prioridades, mas a situação mudou a partir da crise econômica mundial de 2008, quando o país assumiu uma posição de maior destaque nos mercados internacionais.” Segundo ele, os equipamentos da marca, que são vendidos no mercado brasileiro desde 2003, somam uma frota de cerca de 9.000 unidades em operação.

Vantagem competitiva
A presença de uma fábrica no mercado local contribui para a maior competitividade da marca, mas Cavalieri ressalta que o empreendimento se justifica por questões logísticas. “As unidades industriais da Ásia já estão com toda a capacidade comprometida para atender o aumento da nossa demanda e, além disso, um equipamento importado da Coreia percorre cerca de 18.000 km para chegar ao Brasil, além de demandar prazos para sua liberação aduaneira.” Quando o assunto envolve o suprimento de peças de reposição para os equipamentos da marca, ele ressalta que esse gargalo logístico se torna ainda mais problemático.

Outro fator a se considerar é que a fabricação local, com conteúdo de nacionalização acima de 60%, permite que os equipamentos sejam vendidos com a linha de financiamento Finame, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Se já ocupamos o segundo lugar em vendas no segmento de escavadeiras, mesmo em se tratando de um produto importado, imagine o ganho de competitividade que teremos quando pudermos oferecer aos clientes o crédito da modalidade PSI (Programa de Sustentação do Investimento)”, pondera Cavalieri.

Para isso, ele diz que a fabricante coreana já negocia com seus principais fornecedores a estrutura de suprimentos, o que pode envolver até mesmo a instalação de fábricas de peças e componentes em Itatiaia. Cavalieri não revela quais são os parceiros em questão, mas ressalta que a Hyundai se surpreendeu com a capacidade dos fabricantes instalados no Brasil. “Eles estão no processo de qualificação dos parceiros, que pode envolver tanto fabricantes globais, alguns deles já com unidade industrial no país, como empresas locais.”

No segmento de escavadeiras hidráulicas, o foco será voltado para a produção de modelos na faixa de 14 t a 30 t de peso operacional, passando pelas máquinas da classe de 16 t e 25 t. A fabricação de pás carregadeiras, por sua vez, será voltada para os modelos de 11 t a 13,8 t.

 

Mais materias sobre esse tema