FECHAR
FECHAR
06 de agosto de 2014
Voltar
Aterro

Fim anunciado para o lixo

Política Nacional de Resíduos Sólidos determina o fim dos lixões até agosto deste ano, mas prazo deve ser prolongado devido à morosidade na consolidação do projeto

Com mais de 200 milhões de habitantes, o Brasil produz diariamente 221 milhões de quilogramas de lixo, segundo a Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana (ABLP). Ou seja, é como se cada habitante do país produzisse mais de um quilograma de lixo por dia, sendo que boa parte desses resíduos (aproximadamente 60%) acaba em lixões a céu aberto, contaminando o solo e os lençóis freáticos, propagando doenças e acarretando diversos outros problemas socioambientais. Contra esse cenário, o governo federal criou a Lei 12.035/2010, concernente à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e que determina o fim dos lixões até agosto de 2014. Segundo o projeto, o lixo será redirecionado a aterros sanitários, locais onde o descarte é feito de forma controlada, além de incluírem centros de processamento para reciclagem e/ou geração de biogás.

É exatamente esse o caso do Centro de Disposição de Resíduos (CDR Pedreira), uma iniciativa privada responsável pela implantação, operação e manutenção de um aterro sanitário industrial em São Paulo (SP). Com área total superior a um milhão de metros quadrados, a empresa iniciou operação em 2001 e, atualmente, recebe uma média de 5,8 mil toneladas de resíduos por dia, provenientes de 11 prefeituras e 210 clientes privados na Região Metropolitana de São Paulo. “Temos mais de 100 profissionais e operamos durante 24 horas em sete dias da semana”, pontua Fabio Zampirollo, gerente técnico do CDR Pedreira. Segundo ele, a operação é suportada por 24 equipamentos pesados e segue uma metodologia bastante complexa.

PREPARAÇÃO

O especialista explica que, antes de iniciar a disposição dos resíduos, a CDR adota uma séria de precauções para garantir a proteção ambiental. A operação começa pela terraplanagem, de modo a preparar o terreno de acordo com o projeto executivo do aterro. O passo seguinte é a impermeabilização da área, realizada com argila compactada. Nessa fase, aplica-se uma camada de argila compactada com 1 metro de espessura e controle de compactação e permeabilidade obedecendo à fórmula k<10-7 cm/s. “Outra fase de impermeabilização inclui a aplicação de uma geomembrana de polietileno de alta densidade (PEAD) com espessura de 2 mm”, informa Zampirollo.

Em seguida, é aplicada uma camada de solo com espessura de 50


Com mais de 200 milhões de habitantes, o Brasil produz diariamente 221 milhões de quilogramas de lixo, segundo a Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana (ABLP). Ou seja, é como se cada habitante do país produzisse mais de um quilograma de lixo por dia, sendo que boa parte desses resíduos (aproximadamente 60%) acaba em lixões a céu aberto, contaminando o solo e os lençóis freáticos, propagando doenças e acarretando diversos outros problemas socioambientais. Contra esse cenário, o governo federal criou a Lei 12.035/2010, concernente à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e que determina o fim dos lixões até agosto de 2014. Segundo o projeto, o lixo será redirecionado a aterros sanitários, locais onde o descarte é feito de forma controlada, além de incluírem centros de processamento para reciclagem e/ou geração de biogás.

É exatamente esse o caso do Centro de Disposição de Resíduos (CDR Pedreira), uma iniciativa privada responsável pela implantação, operação e manutenção de um aterro sanitário industrial em São Paulo (SP). Com área total superior a um milhão de metros quadrados, a empresa iniciou operação em 2001 e, atualmente, recebe uma média de 5,8 mil toneladas de resíduos por dia, provenientes de 11 prefeituras e 210 clientes privados na Região Metropolitana de São Paulo. “Temos mais de 100 profissionais e operamos durante 24 horas em sete dias da semana”, pontua Fabio Zampirollo, gerente técnico do CDR Pedreira. Segundo ele, a operação é suportada por 24 equipamentos pesados e segue uma metodologia bastante complexa.

PREPARAÇÃO

O especialista explica que, antes de iniciar a disposição dos resíduos, a CDR adota uma séria de precauções para garantir a proteção ambiental. A operação começa pela terraplanagem, de modo a preparar o terreno de acordo com o projeto executivo do aterro. O passo seguinte é a impermeabilização da área, realizada com argila compactada. Nessa fase, aplica-se uma camada de argila compactada com 1 metro de espessura e controle de compactação e permeabilidade obedecendo à fórmula k<10-7 cm/s. “Outra fase de impermeabilização inclui a aplicação de uma geomembrana de polietileno de alta densidade (PEAD) com espessura de 2 mm”, informa Zampirollo.

Em seguida, é aplicada uma camada de solo com espessura de 50 cm para proteção mecânica da geomembrana. Depois, é realizada a instalação do sistema de drenagem com ramais de drenos horizontais e verticais, constituídos por tubulação de PEAD e envolvidos por uma camada de brita e um geotêxtil de filtração. Para o processo de admissão dos resíduos, a empresa possui quatro balanças com capacidade de 80 toneladas cada. “Todas elas são interligadas e identificam os caminhões pesados, que são direcionados ao local de disposição final”, detalha o gerente. “Na saída, os caminhões já descarregados são novamente pesados na balança, para verificar o total de material depositado.”

Depois da descarga do material na área operacional do aterro, os equipamentos começam o processo de espalhamento e compactação dos resíduos. Esse processo é realizado até que se atinja a altura de 5 m de resíduos compactados, quando a célula de resíduos é nivelada e abre espaço para o lançamento de uma camada de solo de cobertura, com espessura média de 30 cm. “Nessa fase, entram os tratores de esteiras, espalhando e pré-compactando o material para construir a célula de resíduos em rampa ascendente”, descreve Zampirollo. Segundo ele, após a passagem dos tratores, um rolo compactador efetua a compactação dos resíduos até obter uma densidade média de 1,1 toneladas por metro cúbico.

EQUIPAMENTOS

Os tratores utilizados pela CDR são todos do modelo Caterpillar D6-T e foram escolhidos por oferecerem características estruturais específicas como peso operacional de 21 t, cabine com ar-condicionado, elementos de proteção da roda guia e do comando final, protetor de cárter e radiador segmentado para a operação em aterro sanitário. “Também da Caterpillar, o rolo compactador utilizado tem peso operacional de 37 t, tambores de compactação de 1,20 m de largura e motor com potência de 400 hp”, informa o especialista da empresa.

Para garantir a qualidade operacional das máquinas, a CDR pedreira executa a inspeção diária do painel de instrumentos, com limpeza do sistema de arrefecimento e reaperto geral do material rodante dos tratores e de outros equipamentos de apoio, como escavadeiras. De acordo com Zampirollo, também é realizada a limpeza diária do material rodante dos tratores para remoção de resíduos nas esteiras e roletes, além da lubrificação de todos os equipamentos e inspeção geral para avaliar vazamentos ou danos causados pelos resíduos. “Realizada em oficina, a lavagem semanal dos equipamentos em rampa é outra prática de manutenção que adotamos”, diz ele.

Diretor da ABLP, Clóvis Benvenuto avalia que operações como a da CDR Pedreira serão cada vez mais comuns no Brasil, uma vez que a nova Legislação para o setor prevê a instalação de 448 novos aterros sanitários espalhados pelo país. “E isso certamente impulsionará a aquisição de equipamentos pesados, principalmente tratores de esteiras e rolos compactadores especiais para compactação de lixo”, acrescenta. Segundo ele, esses equipamentos geralmente pesam cerca de 20 t, o que é suficiente para manter a produtividade demandada e não sobrecarregar o solo, considerando a instabilidade que os resíduos sólidos causam no terreno. “Máquinas como motoniveladoras e retroescavadeiras também são demandadas para terraplenagem nas coberturas dos resíduos compactados”, acresce o executivo.

APLICAÇÃO

Para Newton Sandes Pimenta, diretor da Cogep – administradora do Aterro Municipal Central (AMC), em Salvador (BA) –, o prazo para erradicação total dos lixões (até agosto deste ano) dificilmente será cumprido e, por isso, há grandes chances de a Legislação estendê-lo até o final de 2015. “Cedo ou tarde, porém, o prazo expirará e os governos municipais serão pressionados a exterminar os lixões, investindo em novos aterros e abrindo oportunidades para investidores privados adquirirem licenças em regiões metropolitanas”, diz.

Segundo ele, na ocasião do lançamento do texto da PNRS, em 2010, os investimentos necessários para erradicar os lixões no Brasil giravam em torno de R$ 2 bilhões, utilizados para diversos processos e aquisições, inclusive a compra de equipamentos pesados.

Nesse caso, os tratores de esteira movimentam o material e, na sequência, os rolos compactam os resíduos. Inclusive, já há no mercado nacional rolos projetados especificamente para suprir as condições extremas dos aterros, compactando até 30% mais resíduos do que os equipamentos convencionais. Em aterros de grande produtividade, no entanto, também são utilizados rolos estáticos de grande porte, ao passo que as retroescavadeiras fazem abertura de drenos horizontais para desviar o fluxo de água, causador de erosão interna. Como serviço de apoio, escavadeiras e pás carregadeiras entram em operação na manutenção e expansão dos aterros, enquanto outros equipamentos – como esteiras de seleção para triagem do lixo, prensas enfardadeiras, moinhos de trituração e empilhadeiras – completam a frota.

Aliás, alguns fabricantes oferecem acessórios especiais para a operação de equipamentos em aterros sanitários. É o caso dos rolos compactadores, que recebem o kit pé-de-carneiro com pata longa, proporcionando maior penetração das garras no solo e, consequentemente, maior força de tração para compactação.

CUIDADOS

De acordo com Pimenta, da Cogep, a maioria desses equipamentos foi projetada para trabalhar com terra e não com resíduos altamente abrasivos. Por isso, a operação exige cuidados maiores, principalmente em relação a desgaste e limpeza. Dentre essas medidas, destaca-se a necessidade de adaptação de uma proteção adicional no comando final (ou tração das máquinas), protegendo o sistema contra o ingresso de arames e outros desagregados que podem danificar o equipamento. “Inclusive, alguns fabricantes já oferecem essas proteções na própria linha de montagem dos equipamentos”, informa.

Mas o especialista aprofunda os cuidados necessários com manutenção, estendendo-os ao material rodante das escavadeiras e tratores, que podem ter vida útil até três vezes menor do que teria na operação com solo. Já em máquinas sobre rodas, como no caso das pás carregadeiras, o tipo de solo áspero exige a instalação de pneus mais duráveis. Além disso, Pimenta indica acompanhar o desgaste de roletes, coroas, pinos e buchas, além, é claro, da própria esteira.

Outro causador contumaz de avarias, o chorume é uma substância proveniente da decomposição de material orgânico que forma uma espécie de “grude”. Em quantidades maiores, a substância pode acumular na grade do radiador e obstruir a passagem de ar até o sistema de arrefecimento, sobreaquecendo o motor. Por conta disso, Pimenta afirma que os equipamentos mais adequados são os que possuem a colmeia do radiador na parte superior ou traseira da máquina. O mesmo problema aparece na haste dos cilindros, também sujeitas ao acúmulo de chorume e terra. Isso acaba gastando o anel de raspagem, permitindo a entrada de contaminantes no óleo hidráulico do cilindro, explica o especialista.

Como prevenção, o diretor da Cogep indica que se faça limpeza no sistema a cada 12 horas, ou mesmo antes de cada turno de trabalho. “Aliás, em todos os equipamentos que operam em aterros é importante manter um controle rígido em relação à limpeza”, salienta Pimenta.

Segundo o executivo, no AMC foi instalada uma oficina composta por dois contêineres e um toldo. Lá, estão disponíveis compressores de ar, bombas de lavagem, tecnologias para coleta e diálise de óleo, bem como estoque de peças de alto giro, como filtros de ar e óleo. “Na oficina, também fazemos vistorias preditivas e preventivas a cada 250 horas, com check-list diário e uma programação de revisões mais complexas, como vistorias completas a cada cinco mil horas, incluindo o desmonte do equipamento para averiguar o desgaste de componentes”, diz ele. “Esse cuidado vale a pena numa operação exigente como a nossa e a prova disso é que temos máquinas na frota com mais de 24 mil horas trabalhadas.”

Gerado em aterros, biogás pode gerar mais de 280 Mw

A geração de energia limpa é uma das atratividades dos aterros. Um estudo elaborado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) mostra que as unidades de destinação de resíduos possuem potencial para produzir acima de 280 Mw, por meio do uso de biogás. Isso seria o suficiente para abastecer a demanda de 1,5 milhão de brasileiros.

O levantamento também aponta que a utilização de energia limpa e renovável terá um mercado forte de investimentos até 2039, principalmente por conta da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que está universalizando a destinação final do lixo. “Atualmente, são descartadas por ano mais de 30 milhões de toneladas de resíduos sem tratamento adequado”, afirma Carlos Silva Filho, diretor executivo da Abrelpe.

O estudo também mostra sinais positivos para o cuidado com o meio ambiente, pois a utilização do biogás – gerado principalmente a partir do gás metano – elimina a emissão de 12 milhões de toneladas de CO2 despejadas anualmente na atmosfera. E essa quantidade inclui apenas os projetos brasileiros de MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo), pontuados na Convenção Quadro das Nações Unidas de Desenvolvimento Limpo (CQNUMC).

“No Aterro Municipal Central foi instalada uma usina termoelétrica capaz de reaproveitar 100% do biogás e produzir 19 Mw/h, o suficiente para suprir a demanda de energia do aterro e ainda vender para regiões próximas de Salvador”, diz Newton Pimenta, diretor da Cogep, sobre as vantagens do reaproveitamento do gás gerado em aterros.

Aspectos políticos e econômicos atrasam projeto

Em 2010, a Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana (ABLP) levou aos Ministérios do Meio Ambiente e do Planejamento a intenção de eliminar os lixos a céu aberto, situação que se torna mais crítica a cada ano. Na época, foi estimado um investimento federal de R$ 1,9 bilhão para resolver o problema. O dinheiro estaria direcionado para implantar 448 novos aterros sanitários no país, principalmente na região Nordeste.

No projeto, oito aterros seriam direcionados às capitais, 248 para regiões interioranas e mais 192 aterros de pequeno porte para densidades populacionais menores. As regiões Sudeste e Sul, segundo ele, não receberão aterros completos por conta da cobertura já feita pelos aterros existentes. “No entanto, nada foi feito até agora e o prazo para erradicar os lixões está cada vez mais próximo”, desabafa Clóvis Benvenuto, diretor da ABLP. Apesar de o plano já estar pronto há tempos, ainda não foi decretado pela Presidência da República, conforme ressalta Ronaldo Hipólito, gerente de projetos da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, via Agência Brasil.

Até setembro do ano passado, nenhum estado havia entregado ao ministério o planejamento para implantar as novas políticas de resíduos sólidos. Dentre os principais desafios apontados estão os planos de logística para coleta dos resíduos, sejam eles domiciliares, industriais ou do setor de saúde. Combinada a isso, a dificuldade em encontrar locais apropriados e adquirir licenciamentos ambientais também têm gerado obstáculos.

Em outra questão política, o fato de os municípios não serem obrigados a entregar um plano pode atrasar ainda mais a consolidação nacional do projeto, sendo que o plano é apenas um pré-requisito para acessar recursos federais do PNRS. Mas, para Benvenuto, apesar de a sociedade brasileira estar abordando a importância do descarte e da energia limpa, a evolução ainda vai a passos lentos “por conta da falta de investimentos no setor de limpeza urbana para efetivar os pontos propostos pela Lei 12.305/2010”.

 

 

Mais matérias sobre esse tema