FECHAR
FECHAR
14 de novembro de 2018
Voltar
Motoniveladoras

Escolha nos detalhes

A despeito da crescente padronização tecnológica, fabricantes apresentam diferenciais construtivos e conceituais capazes de influenciar decisivamente na escolha do equipamento
Por Antonio Santomauro

Equipamentos clássicos da construção, as motoniveladoras têm presença garantida (e imprescindível) em canteiros de grandes obras, nos quais cortam, escavam, nivelam superfícies e movimentam materiais, dentre outras tarefas pesadas, porém cada vez mais precisas. Até por isso, também são cada vez mais usadas em atividades do agronegócio, que se vale dessas máquinas – em seus mais diferentes portes e modelos – em um amplo leque de atividades produtivas no campo (confira Box na pág. 46).

De saída, potência e peso mantêm-se como os critérios mais básicos para a seleção entre um modelo e outro. No amplo leque oferecido comercialmente pelas fabricantes no país, a linha multimarcas parte de 15, 17 e 19 toneladas e segue acima disso, em potências nas faixas entre 130 hp e 280 hp. Essas variações elementares, é bom destacar, desdobram-se em diversas outras configurações, definidas por tipo de transmissão, motor, largura e alcance da lâmina, escarificador, eletrônica embarcada, sistema hidráulico, tração, posicionamento da cabine, dentre outros subitens, sobre os quais é indicado consultar o manual do fabricante.

Conversor mantém índices elevados do torque de saída mesmo em baixas rotações

De todo modo, alguns princípios são passíveis de observação. Por exemplo, os especialistas são unânimes em apontar que inicialmente a escolha deve considerar a rotina que a máquina enfrentará – como corte, movimentação e acabamento –, assim como o material com o qual lidará, conhecendo sua composição e grau de compactação. A análise prévia requer ainda uma avaliação das características do terreno sobre o qual o equipamento trabalhará, sendo que topografias inclinadas ou com elevada incidência de chuva, por exemplo, podem exigir uma versão com tração nas seis rodas.

É apenas um exemplo. A despeito da padronização crescente dos projetos, com a qualidade nivelada por cima, as diferentes marcas de motoniveladoras ainda apresentam alguns diferenciais capazes de influenciar na escolha por um ou outro modelo, como é o caso do sistema de transmissão, que pode ser direto ou dotado de conversor de torque. Ou seja, a escolha também é definida nos detalhes.

USUÁRIOS

E isso nem sempre é tão simples de se fazer, tendo em vista a ampla oferta do mercado brasileiro. Segundo o Guia de Equipamentos da Sobratema, o mercado brasileiro de equipamentos atualmente disponibiliza nada menos que 27 diferentes modelos de motoniveladoras, de nove fabricantes – e esse número pode ser ainda maior na próxima atualização do programa.