FECHAR
FECHAR
08 de junho de 2019
Voltar
Empresa

Ênfase no pós-venda

Ao inaugurar uma nova estrutura em São Paulo, a Manitowoc concentra as operações de vendas, serviços e treinamentos para se aproximar ainda mais de seus clientes
Por Marcelo Januário (Editor)

Enquanto o mercado de guindastes segue morno no país, muitos players do setor ajustam suas estruturas à nova realidade, buscando aproximar-se dos usuários das máquinas e preparar o terreno para uma retomada mais forte. É o caso da Manitowoc, que acaba de inaugurar sua nova sede latino-americana na capital paulista.

Agora instalada em uma área de 1.614 m2 de um centro empresarial às margens do Rio Tietê, em São Paulo, a empresa deixou para trás as instalações em Barueri (SP), Santana do Parnaíba (SP) e Passo Fundo (RS) para melhorar a logística de suas operações, atualmente concentrada majoritariamente no atendimento à frota de aproximadamente 1.000 máquinas ativas espalhadas pelo país.

Com fácil acesso aos aeroportos de Guarulhos, Congonhas e Viracopos, além da proximidade às rodovias dos Bandeirantes e Anhanguera, a nova estrutura abriga estoque de peças, salas de treinamento e escritórios, tanto administrativos como comerciais. “O Brasil continua sendo um enigma, ninguém sabe quando vai melhorar”, afirma Cristian A. Galaz, vice-presidente da Manitowoc para a América Latina. “Mas temos confiança de que vai melhorar nos próximos anos. E a prova disso é a abertura desta estrutura.”

Ocupando um galpão posicionado ao lado de importantes empresas de logística, o espaço irá viabilizar um atendimento mais rápido às necessidades dos clientes. “Um espaço como este é importante principalmente por refletir a capacidade de as empresas se adaptarem à realidade do mercado”, comenta Galaz. “Fizemos esse investimento pensando em uma estrutura capaz de satisfazer, em um mesmo lugar, a todas as necessidades dos nossos clientes, seja em relação a peças, vendas de equipamentos, treinamento ou serviço técnico, tudo reunido em um mesmo prédio.”

NOVA ETAPA
Segundo o diretor de vendas da empresa para o Brasil, Renê Porto, a localização do espaço foi fundamental para o processo de unificação das operações, que já vem sendo planejada desde 2017, mas foi realizada em um tempo recorde de 60 dias, buscando obter maior agilidade na entrega de peças e no acesso ao parque de máquinas. “Antes, a logística era mais complexa”, diz ele. “Agora, juntamos o que estava separado e reforçamos nosso pós-venda, pois o atendimento é quem realmente vende as máquinas.”