FECHAR
FECHAR
05 de junho de 2018
Voltar
A Era das Máquinas

A morte de um gigante

Por Norwil Veloso

Já na segunda metade do século XX, uma das principais máquinas fabricadas pela Marion, a 6360, entrou em serviço em 15 de outubro de 1965. Ela foi chamada The Captain por W. E. (Bill) Mullins, presidente da Southwestern Illinois Coal Corporation (comprada em 1969 pela Arch Mineral Corporation), proprietária da máquina, em homenagem a seu pai.

Em valores da época, a máquina custou US$ 25 milhões (US$ 194 milhões em valores atuais). Foi a maior escavadeira do tipo stripping shovel (máquina usada para remover o material localizado sobre a faixa de minério a ser explorada) fabricada até hoje.

Seu peso operacional foi estimado em aproximadamente 15.000 ton, mais de duas vezes o da Bucyrus-Erie 1950B, a maior stripping shovel produzida até a época, com capacidade de 80,3 m3 e peso de 7.200 ton. A lança de 65,5 m da máquina ficava a mais de 60 m acima do solo.

A altura máxima de descarga era de 46,6 m e a caçamba tinha 5,80 de largura, 7,90 m de profundidade e 4,806 m de altura. Podia movimentar 138 m3 ou 300 ton de material, sendo a única caçamba shovel construída com duas tampas traseiras, cada uma pesando 15 ton.

Como muitos shovels de mineração, estava montada sobre quatro pares de esteiras, instalados nos cantos da armação inferior. Cada esteira tinha 14 m de comprimento, 9 m de largura e 5 m de altura, utilizando sapatas com 3 m de largura e peso de 3,25 ton cada. Em cada canto da armação inferior, um gigantesco cilindro hidráulico vertical, com curso de 5 m e diâmetro de 1,7 m, atuava como apoio da máquina sobre as esteiras.

Os equipamentos elétricos compreendiam quatro motores de elevação, com uma potência total de 16.000 hp, oito motores de giro, fornecendo um total de 10.000 hp e quatro motores auxiliares, num total de 4.000 hp. A locomoção era feita por 16 motores, um em cada esteira, com uma potência nominal total de 3.200 hp. A potência total disponível era de 33.200 hp.

INCÊNDIO

O trabalho de escavação era contínuo em três turnos. A equipe de operação era formada por um operador, um lubrificador, um soldador e um apoio externo, cuja função era cuidar do cabo de alimentação de energia e operar uma carregadeira para remover rochas do entorno da máquina.

Tudo corria bem atté que, no turno da tarde de 9 de setembro de 1991, o então operador Gene Miller percebeu um cheiro de queimado. Ele parou a máquina e pediu ao lubrificador, Fred Kruger, que verificasse de onde vinha.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral