FECHAR
FECHAR
07 de março de 2019
Voltar
Manipuladores

A marca da versatilidade

Gama ampla de implementos expande as possiblidades de uso dos equipamentos, que vêm ganhando espaço na agroindústria brasileira com a oferta de diferenciais construtivos
Por Antonio Santomauro

Expressa na capacidade de desempenhar inúmeras tarefas nos mais diversos setores – como construção, mineração, agronegócio e logística –, a versatilidade é uma característica marcante dos manipuladores telescópicos, fundamentando sua disseminação em vários países. No Brasil, a crise que nos últimos anos assolou a construção – globalmente, seu maior mercado – por enquanto ainda refreia a expansão de seu uso neste setor, que em contrapartida vem ganhando espaço na produção rural, segmento da economia menos afetado pela conjuntura econômica adversa.

E não é à toa que isso acontece. Uma das bases da versatilidade dos manipuladores é a vasta gama de implementos com a qual podem trabalhar, capacitando-os para múltiplas aplicações na produção agropecuária, como movimentação de rações, fertilizantes e defensivos, distribuição da alimentação para os animais, tarefas de silagem e limpeza de currais e galpões, dentre outras. Todavia, alguns diferenciais construtivos também tornam esses equipamentos mais (ou menos) adequados a cada aplicação, devendo ser considerados por quem pensa em adquirir ou locar um manipulador.

No agronegócio, os manipuladores geralmente têm altura de içamento de carga diferente dos equipamentos similares destinados à construção, mas também apresentam outras especificidades. “Os manipuladores para uso agropecuário têm capacidade de reboque superior – em torno de 22 t –, o que possibilita rebocar vagões, carretas graneleiras e carretas tanque”, detalha Marcelo Bracco, diretor para a América Latina da Manitou, que mantém uma unidade fabril na cidade paulista de Vinhedo.

Segundo o executivo, os manipuladores voltados para o agronegócio trazem um conjunto mais potente de motor, transmissão e bomba hidráulica, assim como hélice reversível automática, joystick JSM standard, cabina mais confortável e maior ângulo de despejo da caçamba, dentre outros diferenciais. Além disso, ele prossegue, a fabricante disponibiliza cerca de 400 diferentes implementos para manipuladores, considerando-se diferentes versões e dimensões.

Em plantas agropecuárias, os implementos mais comumente agregados a esses equipamentos são as caçambas e os garfos, destinados ao manuseio de materiais a granel e paletes, respectivamente. “Há também uso significativo de sistemas – compostos por suportes similares a ganchos – para manuseio de big bags”, diz Bracco, referindo-se aos grandes sacos que acondicionam ração e fertilizantes, geralmente com capacidade de uma tonelada. “Temos ainda uma espécie de caçamba com garras que puxam os materiais, com utilidade em diversas aplicações agrícolas.”